Ribeirinha : ou tchuk ou gente!

3/02/2014 06:54 - Modificado em 3/02/2014 06:54

porcosUma mulher de 35 anos faz criação de animais na sua própria residência, na Ribeirinha. Isso não é novidade, mas o problema é que segundo os vizinhos, o mau cheiro incomoda-os há muito tempo e a mulher não quer tomar nenhuma medida.

 

Francisca Silva cria os seus animais há muitos anos longe das habitações, mas desde finais de 2013 resolveu colocá-los na sua residência, para ficarem em segurança porque estavam a roubar-lhos. Até aí nenhum problema, mas os vizinhos reclamam do mau cheiro que contagia a rua, entrando nas suas casas e nas mercearias.

 

Nádia Dias diz que o cheiro é insuportável, porque a dona dos porcos não limpa as pocilgas. Ela sustenta que “tenho de estar com as janelas fechadas, porque o cheiro entra todo aqui dentro”. Por causa do mau cheiro, Nádia afirma que, “muitas pessoas já nem sequer vêm para a minha casa, o cheiro fica todo aqui dentro, e eu tenho muita vergonha em convidar alguém para a minha casa com esse cheiro”. É como diz o ditado de Santo Antão: ou tchuk ou gente.

 

Neusa Ramos é outra vizinha que diz já não aguenta essa situação, “já falei com a Dona Francisca várias vezes e ela sempre diz que vai resolver o problema, mas é sempre a mesma coisa”. Para Neusa, se a cidadã limpasse as pocilgas, não haveria nenhum problema porque “sei que ela está a buscar o sustento para os filhos, mas se não houver higiene, isso prejudica toda a rua”.

 

Arlinda Lima, acredita que é das mais prejudicadas, “tenho uma mercearia, nesta rua e muitas pessoas já não vêm comprar aqui por causa do mau cheiro”. Diz que já discutiu com a Dona Francisca várias vezes e que vai dar um prazo, se ela não resolver o assunto vai para tribunal. “Todos nós queremos ter o nosso sustento, mas sem prejudicar os outros”, realça Arlinda Lima.

 

Em declarações ao NN, Francisca Silva diz saber das reclamações dos vizinhos, mas “o problema é que me roubaram muitos animais e trouxe-os para a minha casa para ficarem em segurança”. Questionada porque não limpa as pocilgas, ela afirma que “limpo, mas às vezes não tenho água suficiente, por isso, fica o mau cheiro, mas as pessoas exageram”.

 

  1. MDR

    esta senhora devia ir ao MDR e procurar apoio na construção de um espaço longue das residencias como faze em outras ilhas

  2. EU S.Vicente

    Tud é tchuk pá

  3. Irene Fontes

    Vivemos outros tempos. Acabaram-se aqueles onde se podia ter um “txquim” no quintal e um porco gordo no Transval. A senhora tem de se resignar e ir morar com os seus bichos e assim pode guardà-los.

  4. Carlos Jorge Wahnon

    Dona Francisca bossé ba espiá um dotor pa tratá ess cabessa!!…

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.