Por melhores condições: Bombeiros ponderam despir a farda e sair à rua em protesto

30/01/2014 00:12 - Modificado em 29/01/2014 23:09

Bombeiro-SVEm causa estão várias reivindicações que os Bombeiros Municipais defendem não estarem a ser cumpridas pela Câmara Municipal de São Vicente. Os Bombeiros entregaram um pré-aviso de greve à CMSV e estão dispostos a sair à rua para protestarem. Mas não se sabe como será a vida dos são-vicentinos sem os serviços da protecção civil. Isto quando há cerca de oito meses enfrentaram problemas com a indisponibilidade dos veículos dos Bombeiros.

 

A classe, composta por dezanove efectivos, reivindica que a Câmara Municipal aumente o número de efectivos de modo a corresponder às solicitações da população, pois afirmam que aumentam com o passar dos dias. Os Bombeiros não baixam os braços e exigem a atribuição de um subsídio de risco e um salário equiparado aos agentes da Polícia Nacional.

Para a corporação cuja intenção é paralisar os trabalhos durante dois dias no mês de Fevereiro, há também a necessidade de melhorias no fardamento, meios de comunicação e aquisição de mais viaturas, isto para que haja viaturas disponíveis para responder aos pedidos de auxílio.

Os Bombeiros Municipais de São Vicente aguardam por uma resposta da edilidade, pois asseguram que as suas reivindicações datam de inícios de 2013 e que se não houver um entendimento, vão partir para uma greve nos dias 13 e 14 de Fevereiro.

 

Reforço

A Câmara Municipal de São Vicente chegou a anunciar que seriam incorporados mais dois efectivos na Corporação dos Bombeiros Municipais. Para o deputado Lídio Silva, este número sabe a pouco, uma vez que a corporação necessita de mais bombeiros para dar vazão aos serviços prestados na ilha. Por seu lado, a CMSV assegurou que devido às restrições financeiras no seu orçamento, optou por colocar um número de efectivos pelo qual seria possível assumir os custos.

De acordo com o presidente da CMSV, Augusto Neves, a introdução de mais dois bombeiros vem ajudar a classe na prestação dos serviços à população da ilha de São Vicente. Neves defendeu que a edilidade está a trabalhar com uma especial atenção ao plano de protecção civil. E que a questão passa por ter uma Corporação com um número de bombeiros que possa estar à altura dos objectivos traçados pela CMSV.

 

Perspectivas

O presidente da CMSV sublinha que “por agora decidiu-se pela incorporação de mais duas pessoas que aguardavam colocação, porque os recursos disponíveis para esse sector não possibilitavam ultrapassar esse número. É certo que há um desejo de incorporar aqueles que ficaram na lista de espera, porém, não podemos colocar todos de uma só vez para depois haver constrangimentos. Por isso, neste momento, o orçamento permite assegurar a entrada de mais dois efectivos e nós cumprimos de acordo com as nossas possibilidades”.

Augusto Neves não descartou a possibilidade de requisição de mais efectivos mas, essa possibilidade só deverá acontecer no momento em que a edilidade tiver recursos financeiros para suportar todos os custos inerentes a essas contratações. O presidente da CMSV acrescentou que a Corporação dos Bombeiros Municipais está a fazer um bom trabalho e que nos próximos meses vai receber alguns equipamentos, depois de ter passado a dispor de mais uma ambulância.

 

  1. VIdona

    Agora está na moda protesto e manifestação em cabo verde.Aí se o bicho pega a miséria tomará conta desse torrão natal e os sindicalistas que se cuidam porque nem onde cair para serem enterrados pelo proprio povo amor a terra têm.Bombeiros e demais para verem noticiais de outros países que têm recursos como estão a passar com protestos e manifestações.Haja saco!

  2. inconformado

    e quanto aos cinco bombeiros da camara municipal que prestam serviço a ASA? ninguem quer falar sobre isso? A camara municipal de sao vicente tem faturado atravez deles que nem direito as ferias tem. isto é uma pouca vergonha na cara Sr presidente… abuso mesmo

  3. Maurino C B Delgado

    Reivindicações mais do que justas pela relevância e especificidade do trabalho que prestam a favor da sociedade. Vamos todos apoiar a luta dos Bombeiros por melhores condições de vida e de trabalho.

  4. Alto lá, os Bombeiros não ganham mal, quem ganha mal são as cozinheiras das Escolas do ensino Básico e ninguém está preocupado com elas.

  5. inconformado

    oh senhora vidona e sr jota, os bombeiros so estao a exigir melhores condiçoes de trabalho para vos salvar a vida ou de um familiar seus … palhaços

  6. Vicente

    Depois de 2011 com o novo regulamento os bombeiros tiveram um aumento de mais de 10% passando a ter vencimento que ultrapassa os 60 ou 70 contos por mês sem contar com os trabalhos extras que em alguns aproxima o seu vencimento aos cem contos e noutros ultrapassa. O que é que eles querem mais?

  7. Karlcula

    Provavelmente sairão nus, é isso?? Porque não é relevante na noticia a indumentária que poderão aportar nesse dia. Importante mesmo é a “reivindicação”. “Estilismos sem estilistas”…

  8. LAMPARINA

    ALELUIA, jota!PARABENS pela menção. UMA VERGONHA o que o ESTADO, através da FICASE, anda a fazer com as COZINHEIRAS DAS ESCOAS DO EBI: autêntica ESCRAVATURA em pleno seculo XXI e vejam: PRATICADA PELO PRÓPRIO ESTADO a quem incumbe preservar justiça social. SALÁRIOS INFERIORES A 6 MIL ESCUDOS MENSAIS, obrigadas a trabalhar um mínimo de 8h por dia. Onde já se viu? BOM CONTEÚDO PARA O NN EXPLORAR. Excelente matéria para levar a sacudir em prol dessas pobres mulheres que apenas BUSCAM UMA KATCHUPA

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.