Tchêse’s Féria Na SaNinclau – ( D’ônes 58/60 )

16/06/2012 01:06 - Modificado em 16/06/2012 01:06

Dês qu’um intendê nha nome, nha mãe Maria Eugénia Monteiro, vulgo Bia Figueira pa casamnete del ma nha pai Djô Figueira, sempre falome de SaNinclau terra de sê mãe nha vuzinha, Eugénia Maria Monteiro, natural de Praia Branca.

Enton, na tempe de crise de fome na Ilha (ones trinta – Os Famintos de Luiz Romano), ês bem tude pa Cachaço, pas podia fecá más perte de “Fund d’Stancha” ondê ricurse sempre tava parcê.

E, foi pamode isse que nha tia avó Júlia Martina, cunchide pa nome de Zia, pa gente de casa e Nha Júlia de Tino, pa sê pove, pamode ela qu’era amdjer de Nhô Tino, trazê e criá nha mãe moda sê fidje, junte ma d’seus, pa Soncente lá na rua d’Antone Nola, rua ondê qu’um nascê.

Na mei daquel tarataçon d’escapá de crise de fome, certe que familia nô dexá na Praia Branca ma na Cachaço de SaNinclau e tcheu, quê sempre nha mãe Bia, tava falome c’tristeza de sês tius, ma tias e primes que fecá pra lá e, s’um dia ‘m pudesse bai tê lá desincová familia, pa conchês e fazê amizade era cosa drete.

Enton, quel opurtunidade bem parcê, quonde junte ma malta de n’idade na época, nô fazêba quint’one de Liceu e nha mãe, pa quel passája de vida importante lassim. Fazem prisênte dum passaja pa SaNinclau na naviu Ildut, c’denher de venda de sucrinha, sê especialidade de fama que tava fazê ligria de mnine de escola ma gente grande, daquês rua la perte, ma de nôs Rua de Travessa de Praia de Bôte.

Casa pa gazoie la na terra jà nô tinha, pa cunvite de familia ma amigues, quê calhá cma naquel one lassim nôs era tcheu, ta bai pa SaNinclau, p’uns féria na Ilha de Monte Gorde que fecá na historia.

Assim, num sexta-fera de mês Julhe de fins d’one cinquenta, pa 18 (dezoite) hora, uli nôs tude imbarcode na borde daquel grande naviu de vela por nome d’Ildut c’nôs malitinha, mala e más cosa pa decôr de viaja, moda bacia de cama pa qem que tava injoá etc,.

Era de viaja tude quês cumpanher d’escola ma Liceu Gil Eanes, uns más bedje qu’otes. Ma nôs malta era más tcheu na borde, quê tinha nôs grande amigue Pio Lopes, butzode pa malta (de Ti Tchuque Mateuze ô o Eterno Estudante), sempre active ta comandá malta, Chico Ajuda, Zeca Cortêz, Djibla, Guinolde ma Djunga de Bissis, Pascoal que tinha side amdjor alune de Liceu, daquel tempe, ma sê irmon João, Toi ma Abilio Alves, John Di Deus (Nhánha) ma sê irmã Yolandinha, Lica Salomão (Deus dal céu) ma sê rmãzinha Jocelina, Djô Culana, mi e más e mâs ôtes.

Ildut quel dia, bem carregode moda el tava, depôs de espendê fer, sei além ta bai, chei de malta, na son normal dum naviu de vela ta ratchá ága, deboxe daquel brisinha de mar que tava mute poquin.

Enton, Nhô Jon Ped Canja (de nome João Martins, irmon de nha Marta antigue continua de Liceu ma nha Bibi amdjer de Ti Jule Monteiro – Pombinha), grande Capton d’Ilhas e Costas, mandá pô motor auxiliar d’Ildut ta trabaiá, pa ijdal na  manobra de saída de Porte Grande e cma araja de vente, tava ta dá amdjor pa Sul, nô sei naquel direçon. Log que nô passá, Ponta de Môrre Bronc ma farol de S.Pedre,nôs Capton Mestre,mandá içá tude vela, pa Ildut, podia proveitá assim c’força tude quel araja fresc de lorgue que tava prop regular.

Certe que done de naviu Ildut, era Sr. Zezinho que também era Capton, ma quem tava orientá naviu era sê tripulaçon, sô de gente serie na sês traboie que Sr Zezinho tinha confiança forte. Na mei de tripulaçon, tive aquês que marcá nôs passaja, moda Nhô Gims, contra-mestre que nô ca podê esquecê e más e más ôtes .

Moda tava dzide na borde, quem qu’era Grande Capton era Nhô Jon Pede de Canja, quê basta Sr. Zézinho tava fazel grande confiança e tava intregal sempre naviu, sobretude naquel passaja, perte de Ponta de Ferro Braz, cunchide pa tcheu capton, p’um lugar reverse, ondê que vente, tava e ta mudá sempre e dificultá manobra, na camin, de bai entrá na Porte de Priguiça de SaNinclau de Cab Verd. Cosa que pa Nhô Jon Pede Canja, tava passá sempre moda ága na baloie e el tava bai directe pa Porte de Priguiça, inquante qu’otes tava bai fazê volta lá na lorgue.

Ê de lembrá, cma quonde Cais Costavel tava quaz pronte, ês pedi Ildut pa bai experimentá de tracá. E assim foi. E, quem bai fazê quel manobra, foi Capton Jon Pede Canja que tchegá c’sê Ildut na motor auxiliar, dá tracá one time, deboxe de palma de tude quel pove. Enton, depôs e log em siguida naquel momente, foi vêz de vapor de guerra português Vouga. O que foi um verdader chatisse, quê manobra sei Vouga mariode, c’tude gente ta corrê derriba de Cais Costavel e Vouga imbalode ta cuntinuá t’avançá ta trá uns data de talasca de cemente em perigue de vapor frá sê cosque.

Depôs de tude ês lembrança, viaja continuá, c’uns injuode, ôtes mariode sem podê dás corpe de si.D’nutinha no cumeçá t’oiá Farol de Barril, la longe, c’aquel vintim que tava prop bunzin, note clore, c’um bnite luar e Ildut sempre além ta bai, ta ratchá ága e uns poce voador (pexe) ta sei fora d’ága, de vez inquante, pa mostrá cma ês tanbém tava ta cumpanhone.

Na dia seguinte plumanhã, nô tchegá naquel na Porte Bedje (Priguiça) que ja tava bem movimentode pa estivador, na traboie de carga e descarga de naviu. Nôs, Log que nô pude, nô dexi na bote, nô imbarcá pa terra, c’nôs malitinha, direçon casa de Dona Augusta mãe de nôs cumpanher de merguiá e amigue, Agusto Nolâsco que tê inda era vive. Quê la, ê qu’era posente de tude malta que tava tchegá d’ôtes Ilha e ondê que tude nôs foi muye bem recibide.

Inda, mei dogode de viaja e pa espertone corpe, Dona Augusta, preparone um bom cafê, mâ sô qu’em vez de catchupa guizode, tive foi um super farinha de pau fete na moda de terra, passode na frisdera, c’çabola ma tuçim bedje, prop sabim.Tão sabim, tê que ca fecá nada na prote pa tistmunha, quê foi cmê lembê bic, c’aquel fome que malta tava.

Cma ca podia dexá de ser moda na tude porte de mar, sei log um pirraça lá na casa de Dona Agusta, quonde tchegá Izê Maninha, chôfer d’Nho Padre que nô bem conchê e vrá bastante amigue depôs, naquel camiunitim jovita, ta falá sô sê português, ma mas pa goze pamode malta. Enton, el vrá, el perguntá Dona Augusta em português: – Então Dona Augusta, tudo corre bem ? (se tude cosa tava ta corrê Dona Agusta, drête ???)

Ma Dona Agusta, na mei daquel confuson de gente t’entra ta sei, pensá cma Izê tava ta perguntal era pa quês corre binde de Fund de Stancha pa Priguiça ?! Enton, ela na tude sê inocência respondel na sê bom criol de SaNinclau: – Djoa, djá bem alguns, quêz’ôtze, tê gô ‘m c’odjâz!

Enton, depôs de nô ter arride um bom bocôde, dês passaja, d’Izé Maninha, ma Dona Augusta. Chôfer Izê Maninha, cuvedone log, se nô queria, bai ma el, pa Fund d’Stancha (Vila Ribeira Brava). Log no proveitá quel boleia, nô sebi, nô bem la na caixa parte de tráz de camiunitim Jovita, trançode ma carga, tude feliz, pamode quel ocasion dum nova vintura,na terra de nha vuzinha,que tinha cumçode drete.Tchegode na Vila, c’sê Rebera tude virdim, quê quel one tinha dôde tchuva, nô espaiá log,  pa casa d’amigues, que tinha nôs cuvdôde.

Datardinha, nô bai pa Fund d’Stancha, ondê que nôs contacte ma  malta jovem da lá, foi daquês incontre que nunca gente podê esquecê. Quê lá, nô ba conchê quês moce que durante tude quês feria, sês priocupaçon, era fazê gente passà sabe e estode feliz na nôs Ilha de SaNinclau.

Era, Taloche, Tchai, Izé de Bijona, Zug-zug, Pifa ma sê irmunzim Pof e más otes de Clube de Futebol Copacana, rival d’equipe Ribeira Brava de Sr. Adelino Santos Silva, casode ma Dona Mariazinha Mendoça. Taloche, nôs amigue e nôs guia, tava cumpanhone sempre pa tude banda, o qu’era pa nôs era bom, quê tude gente tava conchêl na terra. Cma era primer dia, nôs tude cansode de viaja e tude quês emoçon, no cambá casa, ba drumi pa descançá, quê d’note fetchá, nô ca nem tmá fê.

Na dia siguinte, log cidim, uns pidrinha, foi rufenode pa janela de malta, ondê que nô tava ta drumi. ’M cordá, inda dogode de sone ta esfregá oie, ta perguntás era qsê? Es dzême cma era pam despatchá, quê tanque d’ága Petchena, tava chei, pa no bai tmá quel bom bonhe, antes d’ora d’rêga tchegá, quê senon, lavrador tava usal pa rega sês planta e nô ca ta otchá nada.

Dvera, era um verdader delire log cidim, c’tude quel pove na volta daquel grande tanque de Petchena, chei d’ága moda um piscina, ta proveitá ocasion daquel bom bonhe, num sabura sem igual. Era liza e mâs liza sem pará. Também, más longe, tinha ôte grande tanque por nome de Tantchon, que tava fecá,más pra boxe, ma nôs, nô tava gostá, más era de Petchena.

Depôs daquel bonhe, antes de sebi pa bai tmá cafê, nô tchegá de fazê um grande descoberta na Rebera, dum frutinha que nô ca tava conchê, parcide c’um goyavinha duçim pafronta, chei de vitamina, por nome d’Araçá, moda ês tchegá d’explicone. Problema ê que nô imbalá ta cmês demás, o que foi log um chatisse, quel provocone log tcherica que tmone conta de lampeda lá na Rebera, pa ligria de poce  Bione ma Côrve.

Assim cumeçá, stora de nôs féria c’mil e um peripécia, pa contá, durante tude quel mês, que nô tive, na terra d’Nh’Avo, Eugenia Maria Monteiro.Tude quês nôs passei na Ilha, era fête a pê, ô na limaria, quê nô ca tinha corre, nem estrada drete, pa fazê volta, e quonde tinha um cosa oficial pa fazê na Ilha de SaNinclau, admistrador Tadeu, tava deslocá era na jeep d’amistraçon.

Na dia siguinte, no rancá a pê ma nôs chefe guia Pio, c’sê irmunzim João, Vlademire, Chico Ajuda, Djibla, Talôche, e más malta, que nô bai ta panhà pa camin e, cma festa de Nª.Sr.ª da Lapa, nas Queimadas, tava quaz ta bai rancá, assim no proveitá de sei de Funde d’Stancha, uns dia antes.

Da lá de Fund d’Stancha, nô sebi tude junte, lá pa Faiel, ba bescá Pio, Chico Ajuda, ma Djibla, enton no passá na Cigana, da l’a no cambá Todje, ondê qu’um bai conchê, Nh’Adelaide primers prima de nha mãe Bia e que nha esponte foi total, quê  dvera dvera moda criol ta dzê, sangue ca ta lavá. Quê Nh’Adelaide era um copia colode de nha mãe.

Deboxe daquel pobreza, ma chei de morabeza, sei log quel café c’farinha d’pau (farinha d’mandioca) c’tuçim moda tradiçon de terra ta mandá, na respeite e grande amizade.Mute fala, mute conversa e tcheu ligria, ma promessa,de conchê familia. Basta Nh’Adelaide, na ône siguinte, tive là na casa na Soncente, bai conchê nha mãe, sê prima e familia, p’admiraçon, de tude quem qu’oiás djunte.

Depôs, no continuá, nô passá na Maré Palinha, panhà nôs amigue e grande caçador d’galinha d’mote, Tchida ma sê irmunzim. Ondê que nô proveità de vesità e conchê Nha Lourdes de Maré Palinha, ma sês filha, Landa ma Letcha, tud’ês dôs mute bnitinhas.

Pa camin, também nô cruzaba Imelda ma quês fidja de Nhô Jack Barrête que dexone tude dode, pa tão bnita quês era. Má alguém falône, pa tmaba bem  cuidode, quê  Nho Jack era mute nervose e el sabia ijgà boxe. Basta lá na sê  casa, ês tava cordal na sône era de longe e c’um caninha de carriçe, quê  el tava argui log ta largá soc pu’ ar. Assim, era precise ter mute cuidode, na andaba, lá pa quês lôde d’sês fidja.

Nôs na viaja sempre a pê, ta continuá ta bai ta gozá daquel panorama, quê tinha dôde tchuva e SaNinclau, tava prop virdim, pa tude banda, qu’um tchêr sabe d’jasmin ta invadi Rebera e tude camin, ondê que nô tava passá.

Na tude quel força de nôs juventude, nô ca tinha nem tempe de pensá na cansera. Da lá, nô sebi pa Campin, Agua das Patas, depôs Cachaço, terra ondê au nha avô dexa familia que também um ba conchê pa ligria de nôs tude, c’mas uns prime que recebeme mute bem, c’aquel ligria, mode nôs que descobri parcença de familia em vida, ma na ratrôte.

Chei d’emoçon, no cambá, Pico-Agudo, pa casa de Dona Guidinha, mãe de nôs amigue e colega John di Deus (vulgo Nhànha-Deus dal céu) ma Yolandinha sê irmã, ondê que nô foi recibide c’aquel morabeza d’custume e “TCHEL MODJE” de Manel Antone pa jantar, ondê que Dona Guidinha pô tude sê arte de cuznhera e nô sube apreciá.

Nô descançá um bocode, cma era hora de festa de Nª.Srª. da Lapa, nô foi cuvedode pa “tchel bôdje de viola e bic c’Rabeca”, lá na Ti Chêche, pai de nôs amigue e colega Toi Leça. D’note, foi quel super boie de viola e bic, naquel sala soalhode de madera, sô c’um cantin quadrode de terra, lugar pa tocador. E, tinha um explicaçon, quê tocador, sobretude de Rabeca, naquel movimente de cumpnhá múseca c’pê, tava dexá sô broc, lá naquel conte de casa.

Nhas gente, nôs inocente, sem conchê custume de terra, nô rancá na boie, cada um, c’sê  dama, prop sabim, quonde derapente, quel tocador de rabeca, bazá quel: – FIUMM…D’RESTÊ… Sinal que tude gente divia respeitá e largá dama e podia trocá de DAMA.

RESTÊ, sempre dá guerra na boie! Log lá, ta sei um pâte pâte de fadiga, quê enton, nô uvi um hôme grità: – Djâ Ptâaaa! Quel soc , parcê, no ar, nôs nô abri, nô saí tude pa janela, c’guerra sem done la dentre na sala. Foi lá enton, que nôs Ti Chêche c’sê força de boi, intervi, t’abri broce ta dzê :  – Ami ba soc, um ca ta sirbi… ma pa pintche… Dvera, c’sês dôs broce aberte, el brangi tude quel pove, el pôs tude fora de sala. Depôs, gente calmá, nô torná entrá e boie, pude cuntinuá tê plumanhã.

Nô saí de boie, cansode, nô cambá casa de nha tiu Norberte Monteiro (Somada de Cerrado) lá na Olte de Queimadas lugar ondê que tava morá ês nôs estimode professor. Quel dia passá rapte, nôs tude cansode de festa de casa de  Ti Chêche, enton d’nôte, nô ba drumi la na casa de Ti Norberte.

‘M ca ti ta lembrá, quem que tive quel ideia de pagá cander e rancá, c’aquel brincadera, moda ruleta russa, ta rufená cumpanher sapote ô tude o que beem na mon, naquel escure, tê um gatim cuitode fazê parte de festa e fui rufenode, na mei daquel dodisse.

Cada um de nôs, fecá caladim na sê conte, gatchode moda no pude, e nô ca tive manera drumi quel note e, quonde plumanhã manchê, nô tava tude, uns deboxe de cama, ôtes gatchode na quonte de janela etc.

Depôs de café, no cambá pa funde das Queimadas, lá pa Nhô Pirico comerciante done de sala de boie, pai de Maria Lourdes. Lá mesme tive missa, siguide depôs pa TCHÊL MÔDJE na tude casa que nô tive. Um bocôde depôs num botquim, ta torná saí um guerrona, ma sô c’gente de terra.Cosa ingraçode naquel mei, ê que uns minute depôs, tê Nhô Padre Capuchim (Fidélis) italione, um bocode forton que tava pra là na misson, ragâçà sê manga de camisa e cnhá na guerra.

Na fim de festa, no rumá tude pa Fund d’Stancha, sempre a pê, ondê que nô bem tchegá, jà d’nutinha, deboxe daquel son marabidjôse de “DVINA” na Praça de Nª.Sr.ª da Graça, lá n’Olte d’SanJon, quê tinha morride um fidje, dum amigue d’nossa, assim e nô tive de bai sisti, quel cantiga, d’Igreja chei de melodia, moda  Avê Maria de Gounod, ta invadi Rebera.

Depôs tive más passei, pa Monte Gordo, Farol de Leste, Compe de Leste, ondê que nô bai caçaba galinha de mote, ma Tchida, tê que naquel dia, parcê um data de galinha, nôs tude gatchode tràs dum parêde, Tchida fecá tão excitode, quel pô mon na cabeça, el dà um grite ta dzê : – Ês, vai ser uma caça da merda. Dá quês galinha espantá, ês tude voá, já nô ca pude panhá nium quel dia.

Féria cuntinuá, prop sabim, basta tude gente, já tava conchê nôs, tê quês fazê nôs um cantinguinha na stile Rock’n rol qu’era: – Olá Talôche, ma tchese mnine ti…ri…ri..rá, ê ma Manel e ma Silvine ti…ri…ri…rà…etc… Nô vrá ta conchê também tcheu gente, moda Lima matador de boi, c’sé força de matá, Garfim (guarda Munipal) ma Toi Sacristão d’Igreja qu’um vez dzene, cma no ca divia sentaba, naquês bonc c’costa voltode p’Igreja. Não sem esquecê  aquel grande Arauto da Ilha de SaNinclau por nome de Nhô Padjal.

Pa despedida, foi fete um grande jogue de futebol enter Copacabana e Ribeira Brava. ‘M ijgaba pa Ribeira Brava, ma Copacabana ê que ganhá. Siguide dnote pa quel grande boie na Funde d’Stancha, c’malta tude prop sabim. Sô que lá, jà no sabia qsê qu’era RESTÊ!

Assim,“Tchêse’s Féria na SaNinclau” cabá e naquel ote dia foi quel imbarcar de malta, na Priguiça, pa borde d’Ildut na camin d’Soncente, chei de sodade, c’familia, ma piquenas, que nô dexá na nôs querida Ilha de SaNinclau, ta sanone c’sês linçim bronc, da lá derriba, naquel olte, perte daquês ameias chei daquês canhão antigue (PATRIMONE D’ILHA), pa defesa de Porto Velho de Priguiça.

Enton, Ildut c’sê força de custmme rancá, c’tude sês vela içode, ta dexá  pa trás, quel stera d’ága, na saída de Porte de Priguiça, c’sê Capton Jon Pede de Canja, na barra e nôs Pio, pegode na violão junte ma Tchim (Valério de Ti Norberto) ta cantá quel morninha: –  D’uli féria ta cabá… Sô pa fazê gente fecá inda, mas triste e c’coraçon pertode, chéi daquês recordaçon que ta vivide um vez sô na vida e que nô trazê ma nôs de terra, de nha vuzinha Eugenia Maria Monteiro, natural de Praia Branca – SaNinclau de Cab Verd.

Zizim Figuera

p.s.

Nota: – Os meus agradecimentos ao amigo Amilcar Spencer Lopes  por me ter ajudado a rectificar várias passagens do texto.

A foto que segue os personagens sâo da esquerda para direita: Dona Guidinha, Ivone, Jocelina (a pequenita), John Di Deus, Biuca, Herminio Silveira aliás   Futche de Nhô Jon Doia, Yolandinha, Zizim Figuera com mão sobre Pio Lopes, Chico Ajuda e Djibla.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  1. Caro amigo Zè Figueira, A tua estória está maravilhosa como sempre, mas essa tem um gostinho muito especial pelas nossas afinidades “PATCHÈS”.Fizeste-me descer, por causa de todas essas recordações de sitios e foto, no mais profundo do meu/nosso São Nicolau.ôh tantas saudades meu caro.E dizer que lá vou todos os anos mas por um mês ou dois que encontro sempre insuficiente.Até o dia em que for e nunca mais voltar.Obrigado amigo e vai daái aquele fraterno baraço patchê. J.Ramos

  2. Meu caro Zézinho Figueira
    Antes de mais lembrar-me de há quase dois anos quando amavelmente me telefonaste da França na situação muito difícil em que me encontrava, eu e toda a nossa família; os meus renovados agradecimentos e a minha amizade.
    Quanto ao assunto desta é para te dizer da alegria que senti ao ler o teu artigo sobre as férias em São Nicolau depois do ano lectivo de 1959 quando foste conhecer os familiares da tua mãe mas também para mudares do ambiente das férias dos anos anteriores.
    Lembro também com saudade esse tempo e revivi muitas lembranças graças a tua vivíssima e prodigiosa memória, não apenas para os factos como para os nomes das pessoas, com quem convivíamos quase todas, para além dos estudantes, as gentes da terra, amigos e também familiares dos quais muitos já não existem infelizmente. Gostei também de ver a fotografia que acompanha o texto, pessoas com quem privei, particularmente nesse ano em que passei algum tempo entre o Pico Agudo na casa de D. Guidinha e com Hermino Silveira – Fuch, e a casa dos meus familiares de Lompelado.
    Não querendo prolongar muito vou ficar por aqui e desejar-te muita saúde e felicidade e que continues a escrever essas coisa bonitas. Prometo ser mais assíduo a acessar (passe a palavra) os teus textos. O Arsénio falou-me na possibilidade da publicação cá em Portuga e seria interessante que a iniciativa vá para frente.
    Aceita um abraço amigo e que nos contactemos mais vezes no futuro próximo.
    João de Deus Lisboa Ramos, ou só João de Deus – Djunga de Bicise no teu texto.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.