Lembrando Milena

9/01/2014 08:57 - Modificado em 9/01/2014 14:15

milenaHá dois anos, Milena Spencer de 30 anos, residente em Ribeira Funda, São Vicente, foi assassinada à facada pelo seu vizinho, José “Zé” Correia, de 32 anos. A morte de Milena ocorreu durante uma briga motivada por comentários entre a sua prima Emaline e a irmã do agressor, Maria, à qual a vítima foi chamada a participar. Zé entrou na briga e esfaqueou as opositoras da irmã. Condenado a 11 anos de prisão, José defendeu-se afirmando que “não quis matar ninguém, apenas evitar confusões”.

 

O caso ocorreu no dia 9 de Janeiro de 2012, por volta das 19 horas em Ribeira Funda, num largo situado nas imediações da casa da vítima Milena Spencer e do autor da sua morte. A confusão entre os membros das duas famílias começou à tarde com uma visita de Maria, irmã de José Correia a casa da avó de Milena, situada a poucos metros do local onde ocorreu o assassinato.

Maria alegou que quando entrou nessa residência, a Emaline fez-lhe um comentário pelo facto de ter entrado sem bater e sem cumprimentar as pessoas presentes em casa. À noite, nas imediações da mercearia, “Longadabo”, propriedade dos pais de Maria, as duas encontraram-se tecendo comentários que degeneraram em briga.

Telefonema da morte

Milena foi informada telefonicamente da briga, por um familiar cujo nome foi citado por Maria. Situação comprovada pelos registos de chamadas recebidos pela vítima e fornecidos pela CVTelecom ao Tribunal de São Vicente. Com a chegada de Milena, a briga ganhou outro contorno, com troca de agressões entre as partes. E o irmão de Maria, ao participar na confusão, esfaqueou Milena a sangue frio por três vezes, tendo sido fatal a facada no peito e a prima de Milena, Emaline, por duas vezes nas costas.

Condenação

José Correia foi condenado a 13 anos de prisão pela morte de Milena Spencer de 30 anos. A pena foi atenuada para 11 anos porque o juiz considerou que houve legítima defesa, mas em excesso por parte do arguido. Outra atenuante tem a ver com o facto do juiz considerar que a vítima, Milena, entrou deliberadamente na briga entre a sua prima e a irmã de Zé.

O autor do crime foi acusado de um crime de homicídio agravado, porém, os factos provados em juízo determinaram a convolação do crime, devido à falta de requisitos que agravassem o assassinato e por uma série de dúvidas.

Incertezas

O juiz convolou o crime para homicídio simples, assegurando que a tese de traição foi afastada e, deste modo, o crime de homicídio agravado deixou de ter efeito jurídico.As razões de legítima defesa, apesar de haver excesso, foram tipificadas pelo facto do juiz considerar que Zé entrou na discussão para socorrer a irmã e que a vítima se lançou contra o acusado que desferiu três golpes de faca, dos quais um acertou no peito de Milena provocando-lhe a morte.

A sentença do caso do assassinato da jovem Milena Spencer de 30 anos, ficou marcada pela revolta dos familiares da vítima que não concordaram com a pena aplicada pelo tribunal.

 

  1. Djê Guebara

    Que juiz tão incopetente para cualificar o assesinato da jovem mulher por um cobarde homem foi em legitima defença.Que por favor manda este inepto de juiz novamente para a escola de burros donde ele cualificara.

  2. Longam

    Não entendo como é que, uma pessoa esfaquea outra, por três vezes, em ligítima defesa.
    Também não entendo, como é que uma pessoa, sai de casa, como uma faca na mão, caminha alguns metros, para esfaquear outra, em ligítima defesa.
    Sou um inconformado, da morte barbára da Milena, e da, do meu grande amigo e parente, Tatauss.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.