Liceu Jorge Barbosa vai proibir o uso de mini-saias

6/01/2014 00:45 - Modificado em 6/01/2014 00:45

mini saiaA Escola Secundária Jorge Barbosa, na ilha de São Vicente, assinala o 10º aniversário da inauguração das novas instalações, com o anúncio de mudanças no regime de segurança e no uso do uniforme escolar. Para evitar casos no exterior de alunos da ESJB, a direcção propõe a interdição de saída dos estudantes para o exterior nos intervalos e antes do encerramento das aulas. Ainda no quadro de reformas, a direcção não quer saber das “mini-saias e calças de fundo baixo” que, utilizados como uniforme, passaram a reinar nos estabelecimentos de ensino.

 

Com a medida de interdição da saída dos alunos da escola antes do fim das aulas, a direcção da ESJB assegura “tratar-se de uma aposta forte na segurança da comunidade educativa, pois é a responsável pelos adolescentes quando estão na escola”.

 

Com esta inovação, à luz dos anos anteriores, os estudantes vão deixar de sair à rua durante os intervalos e quando não tiverem aulas por ausência do professor ou por imposição do próprio horário escolar.

 

A norma deve entrar em execução a partir do próximo ano com a aprovação do regulamento interno. Para evitar reclamações sobre essa medida, a escola vai criar um espaço de entretenimento para que os alunos “não fiquem apenas a deambular no edifício nas horas que não têm aulas, durante o horário escolar”.

 

Por outro lado, para garantir a segurança dos alunos e da instituição, por decisão interna, no início do próximo mês passa a ser “obrigatório aos visitantes apresentarem um documento de identificação à entrada da escola e ainda indicar o motivo da sua presença naquele estabelecimento de ensino”.

 

Vestuário

 

Mas as medidas na Escola Secundária Jorge Barbosa não se limitam apenas à questão de segurança. O uso do uniforme tem provocado polémica no seio da comunidade educativa, com os alunos a adoptarem novas formas de se vestirem nas salas de aula, colocando de lado as “tradicionais fardas escolares”.

 

Trata-se das “mini-saias utilizadas pelas alunas que colocam os seus atributos à mostra dos colegas, professores, funcionários ou de qualquer pessoa que procure os serviços das escolas secundárias na ilha de São Vicente. Por outro lado, são rapazes a transformar calças de fundo baixo em uniforme como modo de se vestirem e que põem de fora os boxers e outros atributos”.

 

Para abolir essa situação, a direcção da ESJB propõe aos pais e encarregados de educação que “a favor da moralização e educação dos alunos”, se opte por um uniforme padrão, no sentido de mudar a postura actual, com a criação de um uniforme capaz de ser utilizado na escola sem provocar problemas ao bom funcionamento da instituição e da execução das aulas.

 

  1. boa

    Parabens e devem proibir tambem alunas de12-13 anos engravidar, isto tambem é moralização dos país e de filhos, 12 anos para ter moral estudar preparar para futuro ,preparar para ter filho é não e idade para esta responsabilidade de andar gravida entre meninos quais moral é diferente naquela idade. Passo passo vamos chegar a civilização!!

  2. Ex-aluna com orgulho

    Atitude do Diretor é louvável e aplaudida por mi – ex aluna c/ mt orgulho. A escola é destinada p/ aprendizado e ñ p/ desfile de moda e construção da tão cobiçada Popularidade junto dos colegas. Hj os uniformes estão mt + confortáveis (era camisa e saia da qual detestava). Querem uniforme +confortável e digno de um estabelecimento de ensino?!? Qto a segurança, desde de q se proporciona entretenimento ao alunos dentro da escola é justo. Os pais entreguem os filhos para aprender e estarem seguros.

  3. Quando eu era aluno no J.B. não podíamos sair do edifício e se tivéssemos qualquer «panca» tínhamos de ficar nas salas de aula. Falo dos anos 80.

  4. augusto

    quem não vai ficar contente com essa medida são os profesoreshihihi

  5. Joana

    Boa medida! a questão do uniforme devia ser para todas as escolas do país,isso é uma autentica falta de respeito a maneira como vão vestidos para as escolas. Não se devia permitir a mudança dos uniformes, uniforme é uniforme e esses alunos deviam ser proibidos de entrar na escola com essas mini saias com tudo amostra!
    Tome Medidas Ministério da Educação

  6. Irene Fontes

    APOIADO !!!
    O liceu, aliàs qualquer estabelecimento de ensino, não é passarela e a decência é o minimo que se pode exigir aos alunos. Em caso de não cumprimento de toda e qualquer decisão tomada por quem de direito, os Pais devem ser chamados à responsabilidade.
    Faço votos que estas medidas sejam aplicadas com todo o ricgor o mais breve possivel.

  7. Hilário Semedo

    Concordo plenamente com medidas adoptadas, tanto a nível de segurança como no uso de uniformes decentes evitando assim a tentação por partes de alunos e professores a serem atraídos por desejos sexuais

  8. Marinha brito

    A decência nunca prejudicou a ninguém, pelo contrario ajuda a evitar a irresponsabilidade que se nota nos estabelecimentos de ensino quando se descuida. Para além de se trabalhar o ambiente escolar ainda está-se a prepara gente para o futuro e a ética profissional que abrange também uma boa apresentação começa em casa e deve ser consolidada na escola. As modas podem ser usadas em outros lugares mais propícios e, isso deve ser explicado e entendido pelos alunos e até aos pais e encarregados de educação pois é constante depararmos com pais que não compreendem as exigências escolares e dificultam facultando aos filhos o não cumprimento de regras que só lhes beneficia.

  9. Luis Geronimo

    grande iniciativa do director da ESJB. Eu como professor de outra escola secundaria de SV ..sempre senti constrangido com esta situação..mas como se realça e bem nesta notícia” o apelo aos paispara um modelo padrão ” é essencial.E depois os alunos quando são chamados a atenção pelos professores ” dão má resposta”..do tipo ” voce não é meu/minha pai/mãe… eu que pago a propina…cuida da vida da tua filha..etc etc….

  10. Jorge Balanta

    Nao me parece que os pais, alias as mães, pois a maioria dos pais estao quase sempre ausentes, vao aceitar tais medidas.
    Nós os educadores já perdemos toda a nossa capacidade de responsabilização pela educação, formação e transmissão de valores éticos e morais aos nossos filhos.
    Nao é apenas o aspecto exterior que há muito tempo entrou em deterioração. A linguagem obscena, banal, as atitudes incorrectas utilizadas na comunicação com outras pessoas é o reflexo do “deixar fazer, deixar passar” que entrou em moda após a independência.
    Desejo a Direçao deste estabelecimento de ensino muita coragem nesta dificil cruzada, pois a luta mais renhida nao será talvez com os alunos mas sim com os pais e os encarregados de educação que, com receio de ser considerados como puritanos, reacionarios ou coisa semelhante abdicaram da sua nobre missão de educar e formar os seus filhos/as ou tutelados.

  11. Estudante

    Até que enfim, depois de tanto ter criticado estas poucas vergonhas nas redes socias fiquei mesmo alegre de ler esta noticia. Ja começo a ver luz no fundo do tunel, educação e respeito a nossa chave para o sucesso. Nota 20 a ESJB. Falta agora é o “Pintinho” seguir o mesmo caminho.

  12. Professora

    Isso não é novidade. Todas essas medidas de segurança ja estão implementadas na ESJAP há muito tempo e nunca foi publicado na comunicação social. Mais uma vez ESJB a querer mostrar !!! Só q isso não é novidade para nós. Se calhar copiaram essas ideias para vir a comunicação social mostrar algo. Haja paciência!!!

  13. Professora

    Há muito tempo que a ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOSÉ AUGUSTO PINTO, em concertação com os pais e encarregados de educação, implementou estas duas medidas.Força Jorge Barbosa.

  14. Maria

    Concordo plenamente, pela preservação dos valores morais e de ética. A escola não é lugar de mostrar nada, a não ser postura, respeito e boas notas.
    Sugiro ainda que um único uniforme seja aprovado de forma nacional.

  15. Carqueja

    Hó “Professora” haja sim paciência para pessoas como você que ainda se diz professora! Trate de ver as coisas pela positiva sem tentar diminuir o esforço que os outros fazem pelo bem comum! ESJB não esta a inventar nada de novo da mesma forma que ESJAP não inventou nada de novo também. Mas o esforço da ESJB de fazer bem e melhor deve ser sim divulgado a bem de todos. Não te esqueças que és funcionária do MED e não da ESJAP. Se amanhã chegares a ESJB terás a mesma atitude??

  16. Professora

    Caros Senhor Luís Gerónimo e Estudante, A Escola Secundária Dr. José Augusto Pinto (PINTIN) já faz isso Há muito tempo, por isso não é iniciativa do Director d Jorge Barbosa.
    Para o bem da Educação, coisas boas devem ser partilhadas.

  17. Carlos Jorge Wahnon

    Pois um bom mini-saia nunca fazé mal pa nigém. Mi é contra este decizon!!!

  18. Grishnack

    Boa decisão ESJB. Deveria ser feito a mesma coisa nas Universidades.

  19. conselho

    para a professora de JAP
    “Palavras só devem ser ditas para construir, ajudar, enaltecer, nunca para destruir, humilhar entristecer. Se nada de bom tens para falar fique calada.”
    um bem haja a todas as escolas que tomaram essa iniciativa

  20. Carqueja

    Qual é a dessa “professora”? Não entendo! O titulo da noticia é “LICEU JORGE BARBOSA…” Se a iniciativa afectara directamente a ESJB qual é o teu problema?

    O “conselho” já havia dito: “Palavras só devem ser ditas para construir, ajudar, enaltecer, nunca para destruir, humilhar entristecer. Se nada de bom tens para falar fique calada.”

    Grande Iniciativa da ESJB. Que venham mais e possamos ver esta e as outras escolas de SV e de CV com o mínimo de decência que se exige.

  21. respeitador

    É uma boa iniciativa,porque a que ter Homens e Mulheres de coragem neste Grande Pais,para fazerem valer os direitos e deveres de um cidadão.Porque essas medidas não deviam ser só para os alunos,mas sim para todos,professores que é primeiro à dar esses exemplos,encarregados da educação,funcionários etc.etc…

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.