São Vicente : o Cluster da sabura

22/01/2014 08:00 - Modificado em 22/01/2014 11:26

mindeloA passagem de ano na cidade do Mindelo é o momento onde se pode observar e sentir toda a alegria que caracteriza o mindelense. No dia 31 de Dezembro, a ilha é uma verdadeira sala de baile com festas por todos os cantos da cidade: desde os bairros periféricos, às casas mais humildes, até aos salões dos hotéis no centro da cidade.

Mindelo vive e respira alegria própria da terra onde Deus derramou a Sua alegria. O que incomoda muita gente que acha que só gostamos de paródia. Gostamos, com certeza, mas não só. Festejamos sim, mas fomos o motor que construiu o Cabo Verde moderno. Depois de sabe morre cá nada, claramente. Mas construímos esta cidade que é orgulho de Cabo Verde e recebemos com amor e carinho aqueles que escolheram Mindelo como a sua casa e acabamos com o conceito “filho de fora ou estrangeiro”: aqui construímos a casa de quem quis Mindelo como sua casa. Se não temos um motivo para festejar, inventamos um, claramente, e onde está problema? Festejamos sim, mas fomos o alicerce da intelectualidade cabo-verdiana; o caldo de cultura onde germinou o nacionalismo e onde Cabo Verde se fez pátria, nação independente e festejamos essa independência inventando os bailes populares. No ambiente festivo que caracteriza a cidade do Mindelo, Cabo Verde mostra-se no seu melhor: um povo alegre, amante da paz. A terra onde Deus derramou a Sua alegria. Mindelo Cluster da sabura? Sim, mas não só.

 

 

Ao cair da noite, as ruas são invadidas por grupos de crianças, adolescentes e adultos que vão de casa em casa, munidos de instrumentos musicais ou de um simples “recordai” – um pau em forma de palmatória com pregos espetados onde são metidas tampinhas de lata que chocam umas contra as outras, produzindo vários sons, conforme o compasso dos batimentos. Cantam, tocam as Boas Festas.

 

As portas abrem-se e o dono da casa, após ouvir a música e os desejos de Boas Festas, manda entrar os tocadores e estes são servidos: bolos, pontches, grogue, sumos e/ou oferece uma quantia em dinheiro. Hoje, apenas os tocadores conhecidos são convidados a entrar em casa. À meia-noite começa-se a ouvir o apito dos barcos que estão na baía do Porto Grande e os mindelenses saem à rua: abraçam-se, desejam Boas Festas, Feliz Ano Novo e dirigem-se para a Av. Marginal. Aí, a festa prossegue nas águas da baía: homens, mulheres, crianças, atiram-se ao mar, os apitos dos barcos silvando na cidade, o fogo de artifício iluminando a baía, abraços, beijos, cervejas, afagos, grogues e Boas Festas e “que Deus nos dê um Bom Ano”.

 

No dia 31 de Dezembro, na passagem de Ano, Mindelo é de facto a terra onde Deus derramou a Sua alegria, como escreveu o trovador Manuel D’Novas.

 

Depois do banho na baía, as pessoas regressam a casa. Vestem-se a rigor e partem para as inúmeras festas que animam a cidade. Rodam de festa em festa até muito tarde. Um pequeno descanso e quando cai a noite começa tudo de novo. Se consegue aguentar… está convidado a passar o próximo Fim de Ano, aqui, na cidade do Mindelo.

Eduino Santos

  1. José F Lopes

    A todos os amigos e leitores que tiveram a oportunidade de estar comigo neste jornal online comentando, a favor ou contra, votos de um BOM ANO 2014. Que seja um ano da marcha rumo ao progresso de S. Vicente para a resolução os seus problemas e a felicidade da sua população,
    Um agradecimento ao NN e à sua direcção pela cobertura jornalística da ilha e do Norte de Cabo Verde, contra ventos e marés
    Bem haja NN
    GOD BLESS SÃO VICENTE AND CAPE VERT

  2. José Manuel de Jesus

    Posso estar enganado mas penso que muitas vezes o sanvicentino canta para espantar as suas males. Ele não inventou nada e so quem é invejoso ou “renfronhode” é que é contra.

  3. kk

    “fomos o alicerce da intelectualidade cabo-verdiana; o caldo de cultura onde germinou o nacionalismo e onde Cabo Verde se fez pátria, nação independente”

    Quantos combatantes da liberdade nascidos em Mindelo ? Quantos no mato na Guiné ? A basofaria e o bairrismo para terminar esse ano…

  4. Adriano Miranda Lima

    Felicito o Eduíno Santos por este editorial escrito com as letras da verdade e com o perfume das horas solenes. Efectivamente, os mindelenses são assim mesmo, e sê-lo-ão sempre pelo tempo fora, porque por mais escolhos e transtornos que encontrarem pelo caminho da vida, a autenticidade da sua alegria e a fortaleza do seu ânimo jamais permitirão que a sua alma colectiva se vergue ao infortúnio.
    A hora é de unir esforços, todos os esforços, em torno dos problemas que a ilha enfrenta.

  5. Eduino Santos

    Caro kk
    Se considera que a nação , a pátria , independência cabo- verdiana nasceram apenas nas matas da Guiné estamos a falar de países diferentes , pois vc. defende a tese do PAIGC gloria e luz do nosso povo que Cabo Verde nasceu com a luta armada de libertação . O q nao é verdade.Mas nas matas da guine jorrou o sangue mindelense , e muitos deles, Silvino, Abílio, Tchifon,Amâncio , Daneil Monteiro , Sotero,entre muitos estiveram nas matas da guine .os mindelenses tb participaram dessa guerra,

  6. Filipe Brito

    O articulista tem toda a razão. Quer-se passar a ideia de que o S.Vicentino só quer é festa quando a verdade é bem outra. Criticam e mais tarde copiam, mas como toda a cópia é falsa! Logo após o 25 de Abril, S.Vicente teve um papel preponderante na afirmação da vontade de C.Verde em ser independente. Recordo-me quando o General Spinola deslocou-se ao Sal propondo uma federação com Portugal, foi daqui que partiu um barco com pessoas que foram ao encontro dele para manifestarem-se contra essa

  7. Filipe Brito

    ideia, daí ter nascido a coladeira: “Bá que bo federação pu diabo”!!! Outro marco importante foi a tomada da Radio Barlavento, que marcou uma viragem nas negociações com Portugal. Foi daqui do Mindelo que tambem partiram os primeiros sindicalistas para implantarem na Praia e noutras ilhas o sindicalismo, o que significa que havia cá uma importante actividade comercial e industrial, coisa que não existia noutras ilhas.

  8. Djê Guebara

    Gostei muito e todo è verdad,São Vicente è o coraçäo de Cabo Verde por isso näo deixo de elogiar a minha querida ilhinha do encanto.(Säo Vicente meu berço, minha terra, minha amada, donde o meu cordäo umbilical foi emterrado.Säo Vicente dos meus amores a minha querida ilhinha do encanto)Desde da Florida: Djê Guebara.

  9. É evidente que São Vicente não é só festa, senão vejamos: Mais de 90% dos produtos expostados por Cabo Verde são produzidos em S. Vicente; S. Vicente tem cerca de 17% da população do país, e a contribuição de S. Vicente para o PIB de Cabo Verde é de 25% (dados do INE)! É uma questão de se fazer as contas para se ver quem produz em Cabo Verde, apesar das nossas festas. Arte de viver consiste precisamente em produzir e ser-se alegre! Seria bom se as outras ilhas fizessem o mesmo…

  10. Mílton Rodrigues

    Excelente artigo.
    Faltou apenas completar esta outra originalidade e peculiaridade da Morabeza da Linda e Cosmopolita Mindelo que são as Boas-Festas e os votos de Bom Ano Novo dadas / tocadas pelas ruas da cidade pela Banda Municipal no primeiro dia do novo ano, logo de manhã cedo. Viva Mindelo / São Vicente

  11. Maria de Lourdes Mon

    Obrigada Eduíno por te lembrares do meu irmão Daniel Monteiro que teve a infelicidade de morrer em 1974, aos 23 anos dando a vida pela sua pátria Cabo Verde como tantos outros.
    São Vicente é na verdade isso e tudo mais.
    Não pecisa briga . Os sãovicentinos só têm que dizer bem da sua ilha e nada impede que as pessoas das outras ilhas enalteçam a sua ilha natal.
    Viva Mindelo/São Vicente minha ilha querida
    Viva Praia onde resido há 23 anos e que também passou a ser minha cidade.
    Viva Cabo Verde

  12. Mindelense

    Excelente artigo do Eduino Santos.

    As pessoas que dizem que em São Vicente só queremos parodias e que reclamam de bairrismo, estãos todos com dor de cotovelo. Bom 2014 a todos

  13. Aprofiss

    Muito bem Mindelensses , eu gostaria de là estar para festejar com vocês.

  14. Du

    Gostei muito.Esta crónica, de forma natural, espelha a realidade da nossa Bela Cidade. o seu povo e, essencialmente a sempre e presente morabeza do Mindelense.

  15. rodrigues do rosario

    Meu deus tive como a impressao que uma parte da minha infancia desvanecia no momento que eu visionava o filme pois pessoalmentei vivi duas experiencias a quando adolescente que me marcou, participei a uma peca teatral em que o Tito Paris fazia parte do elenco jogando a bataria ainda nao era um artista conhecido mundialemente mas sim o inicio da carreira que se desencadeava, nao esquecendo uma outra prova que vivi nesse recinto cultural a quando da estreia do film ” TAXI DRIVER”

  16. rodrigues do rosario

    filme interdito aos menores de dezoito anos e nesse dia acompanhava a minha mae ( sendo seis filhos a cada vez ela se fazia acompanhar dum filho(a) e nesse dia era a minha vez) so que sendo menor , era um domingo nao me deixaram entrar retorquindo sendo um filme bastante violento, sabendo que que as minhas irmas deviam ir a praca nova nesse dia a minha pediu me para ficar na dita a espera das minhas irmas, mas uma vez que a minha mae entrou no recinto contornei os obstaculos depois de uma

  17. rodrigues do rosario

    longa imploracao do guarda do lado da “bancada” la consegui ver o filme tranquilamente mas a dez minutos antes do fim do filme sai de fininho e fui a praca estoria de dse que un tava ma nhas irmas. Quando a mae saiu do cinema disse para mim com aquele ar de preocupada” AINDA BEM QUES CA TCHOBE INTRA” fiquei como se assim fosse mas uma vez adulto relatei tudo a minha ela so respodeu “bsode era uns filho da mae” hi hi por isso nao posso esquecer o nosso EDEN PARK. Bonne chance

  18. Carlos Silva - Ralão

    Parabéns a toda a equipe do NN que continua nos deliciando com excelentes matérias, desde já Boas Entradas e Feliz Ano Novo. Como disse a “Sra. Maria de Lourdes Mon” vamos enaltecer as nossas ilhas em vez de virmos aqui manifestar sentimentos de inveja. Eu só tenho a enaltecer a todos os povos das ilhas que já fui e vivi, porque fui muito bem tratado: Sal, Boa Vista, S. Nicolau, Maio, Santiago e S. Antão, e de todas estas ilhas sinto um carinho muito forte pela última aqui mencionada.

  19. Carlos Silva - Ralão

    Acrescentando ainda o meu último comentário, assim como cada ilha tem as suas potencialidades económicas respetivas, em vez de algumas pessoas destruírem a imagem de S. Vicente como ilha de paródia, poderiam apresentar ideias aqui, e mesmo investir na indústria de eventos, lazer, shows, etc…, de certeza o PIB do nosso país aumentava cada vez mais e todos sairíamos a ganhar. VAMOS UNIR E DESEJAR QUE CADA ILHA SE DESENVOLVA E TENHA SUCESSOS NO QUE DE MELHOR SABEM FAZER.

  20. Sistema1

    Sinceramente, quando ta termina es cuzas di Bairrismo. Senhor jornalista, senhor sa ta poi mais lenha na fogeira, ta parci ma nhu gosta di discussão acessa entre Praia e Mindelo. Es discussão é tipico di um complexo di guentis di Mindelo. Mi m tem um grupo di amigos di mindelo k ta sta tudo hora ta flam: Mindelo tem isso, Praia ca tem, Mindelo tem kela, Praia ca tem, mas mi nunca m ta fazes nenhum comparação. As vezes pa m para es conversa k m ca gosta del m ta responde:

  21. Sistema1

    Santiago é um dog argentino, e SV um chiwawa k ta sta tudo hora ta incomodo kel dog argentino, k ta sta sempre na se tranquilidade e ca ta busca chiwawa.
    Nos tudo nos é um Cabo Verde, SV tem se encantos, Brava tem di sel, SN tem di se, ago sta li ta fazi artigos ku objectivos arruaceiros ca sta ku nada!!!!!! Devia era fazeba um artigo k ta embeleza Cabo Verde no seu todo.

    Haja harmonia entre criolos!!!!!!!

  22. Sistema1

    M ta concorda e parabeniza artigo na sentido k ta retrata kel alegria di povo di Mindelo, mas m ta reprova kel parte di : “O que incomoda muita gente que acha que só gostamos de paródia.” e “Se não temos um motivo para festejar, inventamos um, claramente, e onde está problema?”.

  23. Sistema1

    E pa termina, ami é di Praia, mas m ta gostaba di staba na Mindelo na final de ano pa m passa sabi!!!! m ta adora Mindelo, tem bons amigo la, m ta odora nha ilha, e tudo otus ilha d CV. Mi é CV sempre, não so Santiago.

  24. Carlos Silva - Ralão

    Pois é Sistema 1, partilho a mesma opinião do que você no tocante a valorização de cada ilha em particular e no Cabo Verde como um todo, mas se o Editor deste jornal online resolveu enaltecer Mindelo – S. Vicente, e ainda escreveu que alguém se sente incomodado, de certeza que não é você, portanto não lhe leve a mal. Sou dos “sampadjudos” que gosta de Praia – Santiago, sempre que vou lá, sou muito bem tratado e me preocupo em deliciar com o que Praia tem de melhor a me oferecer.

  25. Francisco Ramos

    Um ecossistema é tanto mais rico e robusto quanto maior for a sua diversidade. A nossa diversidade é uma riqueza por isso é um património que devemos acarinhar e que deve nos unir. Viva CV na sua diversidade!

  26. 100% Norte

    A alegria e o saber festejar dos mindelenses incomoda muita gente do Sul. Dizem que em São Vicente é só festa e em Santiago? As dzenas da festas de NHU SANTO ma NHA SANTA????? Sem contar com as tentativas de imitação do Festival da Baía. A diferença é que nós sabemos festejar. Nós nã cultivamos a ideia de que para um fest ser boa tem que ter FACADAS, TIROS, como em Santiago. Enquanto no Sul a cultura é de violência, no NORTE a cultura é de curtir a vida que é curta, passá sabe.

  27. Maurino C B Delgado

    Para que S. Vicente possa conservar essa mesma alegria, nós que vivemos em Mindelo, devemos assumir o firme propósito, neste início do ano, de promover o seu desenvolvimento porque o desemprego nesta ilha está a assumir proporções que podem pôr em perigo a estabilidade social. O desemprego, sem qualquer subsídio, é um problema social grave, que cada um, de acordo com a sua disponibilidade, deve contribuir para encontrar possíveis soluções. Sugiro ao NN para lançar esse debate.

  28. Zezinho

    Muito obrigado 100% Norte. No norte somos todos uns santinhos, enquanto que no sul são todos uns “catanas”.

  29. Sonia

    Minha boa gente, somos todos cabo – verdeanos, não importa de que ilha se trata. Vamos espelhar apenas coisas boas “amizade, carinho, respeito, ….” Encontramos em todas as ilhas pessoas excelentes e os de mau carácter tb. Temos é que juntas com os excelentes para poder ajudar os outros. Portante !”Viva Cabo Verde e sua gente sem excepção”. Fazendo isso Cabo Verde será melhor para todos. Um abraço de São Vicente para Cabo Verde inteiro !

  30. NUNO FERREIRA

    Parabéns Eduino. Um bom artigo

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.