Crime da Craquinha: Agente da PN enfrenta pena de demissão

26/12/2013 08:37 - Modificado em 26/12/2013 08:37

policiaIlaugino Fortes, agente da Polícia Nacional que matou a tiro um jovem em Ribeira de Craquinha enfrenta um processo disciplinar, depois de ser acusado pelo Ministério Público da prática de um crime de homicídio. Para além de vir a ser condenado pela morte de “Chaka”, o agente da PN está a beira de ver o Ministério da Administração Interna decidir pela cessação das suas funções, através de uma pena de demissão.

 

Com o assassinato de “Chaka”, por parte do agente da Polícia Nacional, Ilaugino Fortes, o MAI decidiu abrir um inquérito para apurar as razões que levou o seu funcionário a matar a vítima com quatro tiros. Os factos relacionados com homicídio vão ditar uma decisão final do Ministério da Administração Interna, cujas averiguações são a base de um processo administrativo.

 

Medida Disciplinar

Este online sabe que “esse processo tem uma tramitação muito própria, e há matéria que não podem ter relevância criminal e ter relevância disciplinar. O que acontece sobre este caso concreto, corre um processo disciplinar, onde vai haver uma proposta de sanção a ser aplicada a pessoa”. Os indícios apontam que Fortes teve uma má conduta, que poderá levar a Ministra, Marisa Morais, a validar a sua demissão.

É que Ilaugino Fortes é tido na Polícia Nacional como dependente de bebidas alcoólicas e já sofreu medidas disciplinares por causa do uso abusivo do álcool, pelo que vai agora sofrer as penalizações internas. Com 18 anos de serviço, o agente já teve alguns problemas ao tentar usar a sua arma de serviço para resolver situações pessoais.

 

Homicídio

Porém na noite de 26 Julho, sob efeito de álcool, o agente da PN se envolveu numa discussão com o indivíduo que vivia com a sua enteada. O caso ocorreu por volta das 21 horas, quando uma hora antes, Ilaugino deveria ter dirigido a Policia Nacional para cumprir serviço. Na sequência de um desentendimento, o agente da PN sacou da sua arma e disparou contra “Chaka”.

Baleado com quatros tiros, “Chaka” não resistiu aos ferimentos e faleceu no Hospital Baptista Sousa. O agente da PN foi presente ao Primeiro Juízo Crime para interrogatório e aplicação de uma medida de coacção. Ilaugino Fortes está indiciado da prática de um crime de homicídio, pelo que depois de explicar os factos que resultaram na morte de “Chaka”, o juiz aplicou a medida de coacção mais grave, a prisão preventiva.

 

  1. UVID IMPE

    ESSE SANÇÃO DISCIPLINAR LI Ê NE NOVIDADE PQ NA XTATUTO DA PN TA LA XPLICADINHO,K KEM FOR CONDENADO A MAIS DE 2 ANOS DE PRISÃO EFETIVO Ê LOGO APLICADO A PENA ACESSORIA DE DEMISSÃO DAS FUNCÕES POLICIAIS.MAS UM TT BEM TXA UM PERGUNTA:OS SENHORES OFICIAIS DA PN RESPONSAVEIS POR ESSE AGENTES,K MEDIDAS K TI TA BAI SER TMOD KEXE,SABENDO KEXE OMITI SEXE DEVER AO PERMITI KUM AGENTE TIDO COM ALCOÔTRA PERMANECE ARMADO AO PONTO DE COMETE UM HOMICIDIO?UM CASTIGUINHO PA EXE TB TA FKA DRET ATÉ SERVIA DE EXEMPLO

  2. UVID IMPE

    PA ILAUGINO(LAU) UM T DESEJOB UM BOM PASSAGEM DE ANO,K BO T APROVEITA ESSES ANOS DE REKLUSÃO E BO T RECUPERA E LARGA ESSE VICIO DE BEBIDAS ALCOÔLICAS,MAS TB PA FAMILIA DE XAKA K INFLISMENTE NA POK TEMPO PERDE 2 MEMBRO DE SEXE FAMILIA UM BOM PASSAGEM DE ANO E K 2014 TA SER DIFERENTE,UM DEVE RECORDA PESSOAS K LAU Ê POLICIA E XAKA ERA IRMÃO DUM POLICIA…DEUS ILUMINA TUDO GENTE, BOAS FESTAS….

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.