O novo rosto da prostituição : do banco da escola para a beira da estrada

20/12/2013 07:54 - Modificado em 20/12/2013 07:54

prostituiçãoTeresa,Mirela, Josi deixaram os ” bancos da escola” porque tiveram filhos ,porque não tinham condições , ou porque quiseram e resolveram dedicar-se a prostituição . Como elas existem dezenas na cidade do Mindelo que não praticam a prostituição clássica .Elas estão a revolucionar o mercado como uma nova abordagem. Vão à procura dos clientes que circulam de carro em determinadas zonas da cidade e praticam preços , considerados baixos.Por isso não são vistas com bons olhos pela concorrência, isto é, são acusadas pelas profissionais de sexo mais antigas da cidade de serem um obstáculo, uma vez que criam-lhes dificuldades para dar o seu expediente. É que para além de serem “sangue novo” nas ruas de Mindelo, pois têm entre 13 a 23 anos, são criticadas pelas prostitutas seniores por fazerem biscates a qualquer preço.

Para estas jovens, o período de crise que assola a ilha veio mudar o modo de operar com os clientes. Na sua maioria têm filhos em casa para sustentar, e a enfrentar dificuldades fizeram-se a vida nas ruas de Mindelo. Na perspectiva de viverem dias melhores, dizem que encontraram no seu corpo, um instrumento de trabalho.

O NN constatou que elasnão ficam juntas as vendedeiras de balaios na Rua 5 Julho e na Praça Nova, como fazem as seniores. Elas circulam pela cidade do Mindelo, e com frequência estão a beira das estradas na Av. Marginal, Av. Alberto Leite, Laginha, Fernando Ferreira Fortes, Rua Matijim e Av Baltasar Lopes da Silva, Praça Estrela.

Sustento

Mirella, de 22 anos, tem dois filhos, e à conversa com o NN explica, o motivo que lhe levou a descer para a “Morada” e ficar nas bermas de estrada a aguardar por alguém que procura ter sexo. “Deixei a escola aos 15 anos, quando surgiu a minha primeira gravidez e fui morar com o pai dos meus filhos. Só que em Novembro 2012, ele foi para a cadeia, e a partir desse momento passei a viver na penúria”.

Por conselho de duas amigas, que vivem da prostituição decidiu experimentar essa profissão, pois lhe disseram que rendia dinheiro. Há dez meses, que Mirella percorre as ruas de Mindelo, e assegura que no início teve vergonha, por causa dos comentários que ouvia sobre a sua decisão. Mas hoje, diz que essa fase passou, e o que importa é que consegue dar de comer aos filhos, pagar a renda onde vive e a propina da escola do primeiro filho.

Engate

Já Josi, de 18 anos e Lucibele, de 16, colegas de Mirella explicam essa política afirmando que “barco parado não ganha frente”, isto é, estar ao pé dos balaios a espera de cliente faz parte do passado. É caso para dizer que as “m inovaram a prostituição em São Vicente, com restruturação nos preços e na forma de prestar serviços.

“Hoje somos nós quem procura por clientes, porque se ficarmos parados a ver navios, eles passam e ficamos sem dinheiro para comer, comprar roupa e sustentar outros vícios. Dizem que a maioria das prostitutas da nossa idade, na maior parte das vezes cobra 500 escudos e menos do que isso. Mas é preciso dizer as mais velhas, que o pouco é que conta, por isso nada se dispensa” sublinham Josi e Lucibele.

Serviços

Teresa, de 19 anos, decidiu seguir as pisadas da mãe, que reformou-se, depois de adoecer. Questionada como fazem o serviço, não tem receio de explicar como conseguem o engate. “Ficamos a beira da estrada, e quando passa um carro acenamos a mão. Há quem para, e têm outros que esboçam algum sorriso, mas depois prossegue a marcha. Quando se consegue um engate, entramos no carro, com um preço cominado, e seguimos com o cliente para um local a beira-mar. É sexo rápido, por menos de 600 escudos, e as vezes há um extra quando fazemos acções, cujo segredo é o sucesso do nosso ofício”.

A entrevistada não dá o braço a torcer, quando questionada sobre os extras. Mas este online sabe que pode-se tratar de sexo oral, jogos eróticos, ou mesmo anal com os clientes que pagam por esses serviços. O certo é que os engates que fazem numa noite lhes rende dinheiro para sustentar os filhos, a própria barriga e ainda sobra dinheiro para irem as discotecas e comprarem roupas e sapatos nos chineses para “estarem a altura” da concorrência”

O que chama a atenção para jovens, que trocaram os bancos da escola, trabalhos de empregada doméstica, ou uma vida sedentária nos bairros, é a forma como vestem e produzem-se para as noites de trabalho em Mindelo: “são charmosas, sempre com um sorriso no rosto, estão perfumadas, com roupas e sapatos à medida para encantar os clientes, e acima de tudo para a sua prevenção, só fazem sexo com preservativos.

  1. orrivel

    essas meninas as 19 anos ja com 2 filhos é uma vergonha,onde esta a ministra da juventude para dar educação as jovens não fazer filhos naquela idade mas sim estudar ir a PMI onde rudo é de graça. Elas não tenh remorço sustentar os filhos com rendimento assim alcançado. Onde estão os pais ,as instituições ,as propagandas educativas, Estamos perdidos ,muitos filhos e contentes ue somos um pais jovem!!!???Quantas vezes ja uvi a ministra falar contente-somos um país jovem!!Vergonha sra ministra!!

  2. Jose Teixeira

    E triste, esta noticia! ja vem de alguns anos, e pergunto quem fomentou este negocio, claro tem os seus donos certos, os xulos dos governantes que nunca quizeram saber os problemas dos jovens caboverdianos, eles mesmos vao ter com elas a troco de pequenos presentes, lamentavel isso! Queremos turismo sim, mas nao desta forma. 1 porque somos um pais mto pequeno, 2 sao bastantes prejudiciais para as nossas futuras geracoes.

  3. Lena Reis

    as pessoas mudam quando se comprometem e não porque alguema as critica

  4. perdidos

    estamos mesmo perdidos. com opiniões como a tua, estamos mesmo perdidos. achar que o 1º responsável por isso é a ministra, estamos perdidos. PORRA para opiniões como a tua

  5. ACMiranda

    Sr(a) ORRIVEL,penso que a culpa não é da actual ministra de educação nem das anteriores.Que culpa tem a ministra se as adolescentes resolvem a partir dos 12,13, 14 ou 15 anos começar a namorar “Tud Nu Pélod”?A educação dos filhos é da responsabilidade dos pais/encarregados educação.Ao estado/governo compete disponibilizar escolas e professores para a formação dos jovens.Se os pais permitem os filhos (as) menores saírem à noite e só regressarem no dia seguinte de manhã que culpa tem a ministra?

  6. Maly

    Orrivel, acho que não estás ciente das funções de um ministro, neste caso ministra. Não cabe a ministra da juventude fazer isso, se elas assim o quiseram. Porque como visto aqui, elas abandonaram a escola que é um estabelecimento de ensino ou “educação” se assim preferires, onde elas poderiam aprender como “não fazer filhos”, isso se não aprenderam em casa. Acho que ainda não tens filhos e se tiveres não sabes o que é educação sexual no seio familiar nem sabes a responsabilidade dos pais.

  7. Maly

    Acrescento ainda, SR(a) orrivel, vergonha deverias ter por esse infeliz comentário!!! e “remorso” não se enquadra neste contexto… Não critico a vida que cada uma leva, lamento e muito pela menoridade estar envolvida em tal situação.

  8. Paulo F Vieira Gomes

    Sem interesses partidário digo, da forma em que o nosso país está andar não podemos de jeito nenhum por a culpa no governo, e nos ministérios e os seus representantes. 1º peço aos indevidos que oferecem dinheiro para essas meninas que sejam Homens de verdade
    2º peço as essas meninas que vida não ganha fácil assim desse jeito, temos que lutar pelos estudos, pelo trabalho, pela dignidade…. etc só dessa forma que vamos conseguir não só o sustento dos filhos como também a estabilidade na nossa vd

  9. isto nao tem nada haver com a ministra , é uma atitude pessoal deles porque se formos ver porqué qui só em sao vicente qui isso ja foi 100% a tona ? si tem ilhas igual ou pior qui sao vicente como brava maio qui as pessoas vivem no baixo nivel de desemprego, mas nao buscam a prostituiçao como soluçao , eu acho que isso é de uma caracter pessoal sob influéncia exterior e também engloba a hábitos antigos e a sociedade da ilha …

  10. Eduardo Oliveira

    A Juventude é o Futuro de uma Nação e o dirigente que não se preocupa com a sua ela (juventude) não merece cargo nenhum nem sequer a estima do seu povo. Temos dirigentes que nem merecem ser presidente de juntas de freguesia.
    Que não venham fazer comparações absurdas, condenando tal ou tal partido politico. Condenemos antes quem, na hora de votar, dà carta branca a incapazes que so sabem prometer para nunca cumprir.
    Hipotecar o futuro por uma camisola é um crime imperdoàvel

  11. Rui Dias

    É uma ignorância pura falar que a culpa e da Ministra ou mesmo dizer que culpa é dos pais, porque nem sempre os pais têm culpa. estamos no sec. XXI e há que ter mais precisão para julgar actos desta natureza. Há pais que sacrificam e muito para educar os filhos mas nem sempre os filhos correspondem ao sacrifício deles. Eu fico triste por ver adolescentes a passar por uma fase que é tão dolorosa, penso eu, para sustentar um filho. Mas há jovens que fazem isso só pq querem aparecer.

  12. Irene Fontes

    Comprendo o(a) sr(a). ACMIRANDA porque cabe aos pais zelar pela educação dos filhos criando a melhor estrutura possivel para os educar. Se os meninos de 12, 13 anos pensam como adultos, vestem-se como adultos, é que os pais deixam e os mestres fecham os olhos quando não tentam a chance.
    Os pais têm de participar na vida da Nação pressionando os Dirgentes com folia de grandeza e preocupação com disparates quando deviam dar prioridade à Educação.

  13. também acho

    concordo com a sra. ACMIRANDA tenho , 25 anos ainda não tenho filhos ( por opção) , namoro há já 10 anos , tenho a minha responsabilidade, meus pais não são ricos e nem nunca foram , são pessoas humildes , o meu pai é condutor de juvita e minha mãe doméstica , teem 5 filhos , e sempre zelaram por eles , estudámos enfrentando todo e qualquer tipo de dificuldades , mas nunca os nossos pais nos permitiram abandonar a escola , por muitas vezes foi dificil mas consegui-mos porque foi da responsabiid

  14. Logica

    Cabe a cada um decidir o que fazem do seu corpo, ou seja todo mundo é livre para fazer o que bem entender da sua vida, vocêis que estão aqui a reclamar disto e mais aquilo, arragem uma vida melhor para essas mulheres!! Fica a dica.

  15. É o governo de JMN que promoveu o desenvolvimento de Santiago e o que oferece às outras ilhas é isso: mendigância e prostituição!

  16. Ana lopes

    Tb acho que a Sr. Ministra ,nada tem a ver com essa problemática,cada um faz da sua vida o que bem entender,e se tem alguém a quem responsabilizar,sem resta de dúvidas, não será a Ministra.Tratando-se de «ADOLESCENTES»…É triste mas a vida é feita de escolhas,e sinceramente não sou eu quem vai julgar essas jovens,nem atribuir culpas a ninguém!!!

  17. Esclarecem

    Es “escrevedores” de NN t estod muito bem informod des cenas de prostituição 😉

  18. anomino

    concordo com rui dias,irene e tambem acho

  19. Mario

    Primeiro,elas tem necessidade do dinheiro,e bota necessidade nisso.Segundo,tal pratica/expediente rende algum dinheiro e surge como uma tabua de salvaçao.
    A soluçao é encarar o problema de frente e investir seriamente na criaçao de empregos
    especificos para a classe femenina.Nao vai ser nada facil,mas é preciso fazer alguma coisa…

  20. fernando fortes

    Essa situação encontra-se em qualquer parte de Cabo
    Verde.Que ninguém venha com essa de ser uma situação de
    S.Vicente.Conversa.Prostituição, a mais velha profissão do
    mundo,existe em todo o Cabo Verde,praticado por novas,
    velhas,menores, maiores,gays,etc.Também existe em todos os cantos
    deste planeta.Da rica Europa ao mais pobre país Africano.Cada um é
    livre de dar um rumo a sua vida.Sobre a falta de trabalho de facto
    elea existe.Mas optar pela prostituição, muitas vezes resulta num
    expediente.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.