Interpol procura idosa de 81 anos natural do Porto Novo acusada de tráfico de droga

27/11/2013 00:16 - Modificado em 27/11/2013 00:16

HemersonO NN apurou que na lista dos procurados pela Interpol, Organização Internacional de Polícia Criminal, figuram vários criminosos foragidos procurados pelas autoridades dos países onde cometeram o crime. E na lista dessa organização figuram quatro cabo-verdianos, com destaque para Hemerson da Luz, natural de São Vicente e Maria Tereza Gomes, de Santo Antão.

 

Os dois cidadãos do Norte do País figuram na lista dos procurados pela Interpol, a central de informações para que os Polícias dos países associados possam trabalhar no combate à criminalidade. Este online apurou que a Polícia Judiciária em Cabo Verde conhece os dois casos, mas desconhece os meandros desse dossiê, na medida que a autoridade criminal não foi contactada directamente para prestar informações.

Hemerson da Luz

 

Hemerson da Luz, de 34 anos está a ser procurado pela Polícia da Islândia, onde deverá cumprir uma pena de prisão por prática de um crime de agressão sexual. Por seu lado, Maria Tereza, de 81 anos, natural do concelho do Porto Novo foi indiciada pelas autoridades criminais do Brasil, por suspeitas de pertencer a uma rede internacional de tráfico de droga.

 

A Polícia Judiciária assegura que “pouco sabe sobre os factos relacionados com estes dois casos e que desconhece o paradeiro dos dois cabo-verdianos procurados pela Interpol. Mas que com o alerta vermelho, o que as autoridades estão a querer dizer é que se alguma Polícia Criminal se deparar com essas pessoas, que as detenha”.

  1. porto portonovo

    é assim que querem deter pessoas?

  2. Dario Livramento

    NN apurou? Apurou junto de outro jornal digital….

  3. Luis Filipe Wahnon

    Ma ess lista ka tem badiu??????… Como é possível?????…

  4. José Manuel de Jesus

    Com 81 anos a traficar droga? Penso que ninguém é trouxa. A desgraçada não sabia o que tinha e encomendinha que a mandaram levar mediante um presentinho.
    Melhor seria deixar passar e “goitar” para saber a identidade do receptor. E assim muitos iam para os calabouços.
    E a velha encontra-se no seu pardieiro onde viviam, sem saber que andam à sua procura.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.