Direito de Resposta: Direcção Geral da Solidariedade Social

15/11/2013 00:03 - Modificado em 15/11/2013 09:18

direito de respostaDirecção Geral da Solidariedade Social

Centro de Desenvolvimento Social de São Vicente

 

 

 

Direito de Resposta

 

 

 

Exmo. Senhor Director do Jornal Online NOTÍCIAS DO NORTE,

 

 

O Jornal Online “Notícias do Norte” publicou, a 11 de Novembro de 2013, uma notícia intitulada “Promoção Social quer colocar para fora do Lar Nhô Djunga 70 crianças do Centro de Recuperação Nutricional”, que sugere alguns equívocos e não esclarece pontos essenciais de todo o processo de requalificação do espaço pertencente ao Ministério da Juventude, Emprego e Desenvolvimento dos Recursos Humanos.

 

Assim sendo, convém esclarecer o seguinte:

 

O processo de requalificação do Centro Juvenil Nhô Djunga foi iniciado em 2010, com o intuito de concentrar, no mesmo espaço, todos os serviços sociais afectos ao então Ministério do Trabalho, Família e Solidariedade Social (CDS, Centro Juvenil e ICCA), tendo em conta a complementaridade das valências e, assim, ter os serviços mais próximos da população, rentabilizando os recursos e dando respostas sociais de forma mais articulada.

 

Desde então, tem-se mantido diálogo com os parceiros que, também, estão instalados no Centro, mostrando-lhes a necessidade do Ministério reaver os espaços que os mesmos ocupam. No caso concreto do Centro de Recuperação Nutricional, pela natureza do trabalho prestado e pelo tempo que já lá estão (desde 1991), o Ministério pôs à disposição o espaço da creche anexo à Casa da Criança, situada na Avenida Capitão Ambrósio.

 

Em 2010, o Ministério aventou a possibilidade de beneficiar o espaço cedido, visto que o mesmo está há mais de 10 anos sem uso. Esta possibilidade dependeria de outras parcerias para o financiamento das obras.

 

Porém, até este momento não foi possível mobilizar os recursos que permitem fazer as tais obras.

 

 

 

Convém salientar que em início de Outubro passado, os responsáveis do CDS e do ICCA em S. Vicente, seguindo orientações superiores, e em reunião, informaram os parceiros envolvidos da necessidade de libertarem os espaços, se lhes garantindo, uma vez mais, um espaço para o Centro de Recuperação Nutricional na creche anexo à Casa da Criança, mas ficando claro que, não seria possível, infelizmente, e nas actuais circunstâncias, proceder à requalificação do espaço, às expensas do erário público.

 

Pelo exposto, fica claro que o Centro de Desenvolvimento Social não está a colocar para fora do Lar Nho Djunga as crianças do Centro de Recuperação Nutricional, mas sim a propor a sua transferência para um outro espaço que, com uma beneficiação básica, sugerida pela própria Dra. Adelaide, estará em condições mínimas de segurança e funcionamento.

 

Assim sendo, o Ministério continuará a ser parceiro do Centro de Recuperação Nutricional, que conta com este apoio há 22 anos, entendendo, contudo, que a mesma deverá poder ser conciliada com as suas demais incumbências e a necessidade de procurar dar respostas eficientes aos seus diversos públicos-alvo.

 

Agradecemos a publicação desta nota de esclarecimento e solicitamos que a mesma seja dada o mesmo destaque que a notícia publicada no vosso site.

 

Com os nossos melhores cumprimentos,

 

 

S.Vicente, aos 13 dias do mês de Novembro de 2013

 

 

A Coordenadora do Centro de Desenvolvimento Social de S. Vicente

 

 

Nota da redacção : da nossa parte temos a dizer que esta resposta que não se enquadra no direito de resposta seria desnecessária , visto que contactamos a responsável do Centro de Desenvolvimento Social e não foi possível porque estava de licença .Mediante a nossa insistência para ouvir o contraditório fomos informados ” que este não era um assunto para ser tratado na comunicação social”. Assim o NN agradece e publica com agrado os esclarecimentos da parte visada na noticia. Agora, sim a nossa noticia ficou completa. Obrigado!

  1. fernando fortes

    Estranho.O Centro de recuperação,é uma instutuição do povo Sanvicentino.Obra social de grande envergadura que,com apoio das pesssoas tem ao longo desses 22 anos trilhado um caminho exemplar.Esta obra que é financiada com constribuições pequenas dos cidadãos e de muitos emigrantes,uns com um saco de arroz,outros com 1000$00,outros com um cartão de oléo,algumas empresas com dádivas de valor não elevado,tem permitido,desenvolver uma obra social que só pode ser comparada, aobra socila da igreja.

  2. fernando fortes

    Continuando.
    A sociedade mindelense reconhece na Dra.Laidinha,uma força moral grande.Um exemplo do que é que um ser humano deve ser para o seu semelhante.Um exemplo do que deve ser o serviço.O estado só tem que reconhecer o papel dessa cidadã.Pode haver quem faça trabalho social,desabenegado como ela,mas mais do que ela não.Os funcionários da promoção social,deviam fazer espelho nela e ganharem amor ao seu trabalho e talvez mais crianças estariam protegidas.Por favor não nos mexem com o C.R.N.

  3. CÁTIA LIMA

    O GOVERNO PODIA, SEM DÚVIDA APOIAR MUITO MAIS O TRABALHO QUE O CENTRO DE RECUPERAÇÃO NUTRICIONAL VEM DESENVOLVENDO PARA SÃO VICENTE PORQUE OS SERVIÇOS SOCIAIS QUE O GOVERNO TEM EM SÃO VICENTE ESTÃO BEM LONGE DE SEREM COMPARADOS COM O QUE A DRª ADELAIDE FORTES VEM FAZENDO EM 22 ANOS. O GOVERNO NÃO ESTÁ INTERESSADO EM AJUDAR CRIANÇAS. BEM QUE PODIAM DISPONIBILIZAR MENOS DE 250 CONTOS PARA A REQUALIFICAÇÃO DA CRECHE JUNTO A CASA DE CRIANÇAS E AJUDAR MILHARES DE CRIANÇAS QUE ALI VÃO PASSAR.

  4. CÁTIA LIMA

    E DIGO MAIS. O GOVERNO NÃO PAGA ALIMENTAÇÃO DAS CRIANÇAS DO CENTRO JUVENIL NHÔ DJUNGA AO BENTO S.A. DESDE O MÊS DE ABRIL/2013. A BENTO S.A. TEVE DE SUPENDER O FORNECIMENTO DE ALIMENTOS AO CJND. NÃO PAGA À JOLÚ LDA PÃES QUE AS CRIANÇAS CONSUMIRAM DESDE O MÊS DE JULHO/2013. NAO PAGA GÁS À ENACOL DESDE SETEMBRO/2013. NÃO PAGA MATERIAL ESCOLAR À INAC DESDE O ANO LECTIVO 2012. E MAIS E MAIS… AQUELAS CRIANÇAS AINDA NÃO MORRERAM DE FOME GRAÇAS AO ESFORÇO DA COORDENADORA.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.