PN da Boavista diz que atropelamento não foi intencional

14/11/2013 01:46 - Modificado em 14/11/2013 01:46

carro PNA comissária da esquadra da Boavista, Firmina Melício em declarações à RCV, diz tratar-se de um acidente e não de um atropelamento de forma intencional, como afirmou o irmão de Tuny. O atropelamento sucedeu na passada segunda-feira, 11, envolvendo a PN e um jovem santiaguense. O caso já foi entregue ao Ministério Público.

 

A comissária Firmina Melício declara que os contornos desse atropelamento apontam para um acidente: “foi um acidente, eu não estou a falar de colegas de trabalho, nem do agente mas sim de dois militares que se faziam acompanhar durante a missão. O acidente deu-se numa via escura, a caminho do bairro da Boa Esperança, por chamamento enquanto ronda de rotina. Junto ao bairro que se diz bairro da polícia, apareceram dois indivíduos dentro da via, o condutor apercebeu-se desses dois indivíduos, desviou a viatura automaticamente e ali, consoante ele também afirmou, perdeu o controlo e foi embater na vítima, que se fazia acompanhar pela esposa”.

Gomes irmão do jovem atropelado tinha afirmado à RCV que o atropelamento foi intencional e que ia avançar com uma queixa pois, a “polícia bateu com o carro para matá-lo mesmo, há que tomar qualquer medida, isso não pode ficar assim”. Testemunhas oculares confirmam a versão da esposa e do irmão de Tuny”; o carro da polícia vinha a alta velocidade”.

Firmina Melício adiantou à Rádio Nacional que “de qualquer forma, o processo foi imediatamente entregue ao Ministério Público e cabe-lhe fazer averiguações e, portanto, os familiares terão os resultados do inquérito desse atropelamento”.

O jovem pescador sofreu um traumatismo craniano e teve de ser evacuado para o Hospital Agostinho Neto na Praia. O NN sabe que o jovem de 25 anos está estável e a recuperar bem.

Na hora do atropelamento envolvendo a viatura da Polícia Nacional da Boavista, a vítima seguia na companhia da mulher para comprar gasolina para abastecer o seu bote.

  1. Escola secundaria

    Ja fiquei confuso?? o irmão diz que foi “intencional” mas que vai avançar com uma queixa, a policia diz que foi intencional..afinal, ja viram no dicionario o significado da palavra intencional?? se foi intencional para que avançar com queixa??? se calhar eu é que sou leigo e não percebi nada

  2. Carlos Rodrigues

    Por mais triste que seja esse acontecimento e por mais que desejemos que alguém seja responsabilizado, nunca poderemos, jamais, acusar os agentes de tentativa de homicídio, afinal eles não têm motivo para tal. É claro que a PN vai ajudar a vitima no que puder, afinal sempre ajudou, mesmo em casos que não envolvem directamente a PN, pois esta nobre corporação tem a honrada missão de proteger o povo e servir a lei.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.