Cruzeiros recusa jogar prolongamento e “deixa” All Blacks passar a final

11/06/2012 00:00 - Modificado em 10/06/2012 21:30

Os All Blacks marcam pela primeira vez presença no final no regional de basquete em São Vicente. Apesar do jogo ter “terminado” com o empate a 78 pontos, a equipa venceu porque os Cruzeiros recusaram-se a jogar o prolongamento, isto porque os Cruzeiros não aceitaram uma decisão da mesa.

 

No último lance da partida a equipa dos All Blacks estava na linha de lance livre e Van que estava na linha de lance livre marcou e empatou o jogo. Na reposição da bola em jogo os Cruzeiros alegam que Pé fez falta em Ramon antes do apito final e por isso teriam direito a dois lances livres que poderiam dar-lhes a vitória. A equipa de arbitragem e a mesa não deram razão aos Cruzeiros e estes decidiram não jogar o prolongamento. Alheio a confusão os All Blacks celebraram a sua primeira presença na final do regional que está marcada para a próxima semana frente a Académica.

O jogo foi marcado pela intensidade e equilíbrio com um ascendente para os Cruzeiros que no fim do terceiro período venciam por 10 pontos. Com a entrada para o derradeiro período os All Blacks construíram uma recuperação que culminou com o empate final. Zé foi quem deu o mote da recuperação criando um parcial de 7-0. Do lado dos Cruzeiros Sapo foi o melhor elemento nesse período, mas terminaria o encontro expulso por excesso de faltas.

Mas a emoção do jogo ficou reservada para o ultimo minuto e meio de jogo quando os Cruzeiros estavam vencendo por dois pontos de vantagem. Sapo na linha de lance livre não conseguiu converter os lances livres. Na resposta um triplo deu vantagem a equipa dos All Blacks. Na reposição uma arrancada de Sapo ,costa-a-costa, tornou a dar uma vantagem a sua equipa que construiu uma vantagem de quatro pontos.

Uma falta sobre o acto de lançamento de Van ficou com três lances livres a disposição, que converteu. Cruzeiros a falhar no ataque e Van sofreu falta que o colocou na linha de lance livre. Com um ponto a baixo precisava converter os dois lançamentos. Falhou o primeiro e corrigiu o segundo empatando o jogo a 78. Depois com a reposição da bola em jogo deu-se o caso do encontro que levou os Cruzeiros a recusaram jogar o prolongamento por alegada falta sobre Ramon que o colocava na linha de lance livre e com a chance de dar a vitória aos Cruzeiros.

A equipa dos Cruzeiros espera que a associação tome uma decisão e “corrija” o erro que para eles foi cometido. Na rede social do facebook jogadores e dirigentes mostraram o seu desagrado pela decisão esperando que seja “reposta a legalidade”.

 

  1. José Vieira

    A título e esclarecimento adicional, os Cruzeiros não alegam falta, ela existiu e foi marcada pelo arbitro Adelino Duarte. Todos os que se estavam no recinto viram e sentiram, após marcação daquela, ao soar do apito da mesa indicando o término do jogo – quem o fez foi a cronometrista Sofia Silva e ela confirma ter apitado depois do Adelino Duarte ter assinalada a falta. Restam dois lances livres por marcar, porque é que os Cruzeiros terão de jogar o prolongamento sem antes efectuarem os lances?

  2. Ramon Neves

    Outra questão os All Blacks não venceram ninguém, por que jogos se ganham dentro do campo, não como ajudas externas.

  3. ALL BLACKS

    Sr. Ramon Neves, não meta o All Blacks no teu barulho pq o All Blacks nada tem a ver com isso. Critica a ARBSV como quizeres mas te aconselho outra vez a não mencionar o nome do ALL BLACKS.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.