TIR para homem que assaltou túmulos no cemitério

12/11/2013 07:16 - Modificado em 12/11/2013 07:16

maretlo juizO Tribunal de São Vicente decretou Termo de Identidade e Residência ao cidadão detido pela Polícia Nacional por furto de materiais fúnebres nos túmulos do Cemitério da ilha. O indivíduo conhecido por Manecas vai ser julgado em processo sumário e incorre nas sanções previstas pela lei para esse tipo de delito.

 

A detenção do indivíduo ocorreu na madrugada de domingo quando a Unidade de Piquete fazia patrulha nas imediações do cemitério. Os agentes da PN surpreenderam o homem na posse de coroas de flores que este havia furtado de alguns túmulos.

 

Com as diligências, a Polícia Nacional deteve o indivíduo em flagrante delito para fazer a sua entrega às instâncias judiciais para aplicação das medidas vigentes na lei. Por se tratar de um crime de furto, o juiz aplicou-lhe TIR porque para delitos dessa natureza as normas judiciais determinam a aplicação desta medida de coacção e posterior realização de um julgamento sumário.

 

O Juízo Crime vai proceder ao julgamento para a aplicação de uma pena, mas o certo é que o cidadão deverá pagar uma multa ou será submetido a trabalho comunitário. De realçar que a pena de prisão de fim-de-semana tem sido aplicada em situações de furto, mas que o juiz só opta por esta medida quando há indícios para haver reincidência.

 

Mas por outro lado, o NN apurou que este não foi o primeiro caso de assalto aos túmulos no cemitério da ilha de São Vicente. Nos últimos meses houve o furto de materiais revestidos de cobre destinados ao comércio de metais, bustos com a imagem de Cristo, crucifixos, coroas de flores, entre outros materiais depositados nas sepulturas.

 

Este online sabe que a fraca iluminação no cemitério e a extensão do espaço têm proporcionado “um bom ambiente aos gatunos para alimentar o seu vício por bens alheios”. A situação está a ser censurada pela sociedade mindelense que critica a falta de respeito de algumas pessoas para com os mortos.

  1. Esqui

    Proponho aqui uma pena para o larápio, o mesmo podia ficar a trabalhar como voluntário no cemitério até aos últimos dias da sua vida. O Mesmo passaria a ter respeito pelos mortos.

  2. hl

    Falta apurar a quem esse individuo vai vender as coroas. pq el não vai enfeitar a casa dele com as flores. Ele tem receptador com certeza. Vamos abrir os olhos as casas que vendem as flores.

  3. joao.pt

    Já nem os mortos se escapam aos gatunos

  4. Dje Guebara

    Para castigar este gatuno deveriam que fazer todas as covas cuando morre cualquer pessoa.

  5. CidadaoCV

    É preciso investigar este caso. Com certeza ninguém vai comprar flores mortuários neste Manecas, para colocar na cova de um ente querido. Este Manecas é agente funerário? Parece-me coisa encomendada. Que miséria de vida!!! Porca miséria!!! Tudo é “roubável” Já não há escrúpulos por nada….

  6. Nita Fortes

    Voluntàrio ele nunca serà. O melhor seria OBRIGAR o laràpio a trabalhar no cemitério durante algum tempo. isso além da multa pelos danos materiais que fez porque os morais nada se pode fazer.

  7. Cláudia Do Rosário

    Fico contente por terem preso este elemento que não tem respeito pelos mortos. Mas queria deixar um alerta às autoridades para verem situações de roubo dos dizeres nos túmulos, assim como fotografias e outros elementos que contenham COBRE. Roubaram no túmulo do meu irmão uma fotografia que continha cobre e esteve lá TRINTA ANOS sem perturbar ninguém. Cláudia Do Rosário

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.