Alunos de curso de enfermagem apadrinham famílias

8/11/2013 00:44 - Modificado em 8/11/2013 00:44

uni mindeloO programa de saúde e da família está inserido no curso de enfermagem da Universidade do Mindelo. Os alunos do 3º ano têm no seu currículo a disciplina de Enfermagem Saúde da Família, onde aprendem “tudo o que está relacionado com a saúde da família” e, no âmbito dessa disciplina, os alunos apadrinham uma família de São Vicente durante seis meses.

 

O objectivo do trabalho, como explica Suely Ramos, docente na universidade, é adoptar uma família durante um semestre e utilizar essa família para fazer educação para a saúde”. Acrescenta que também faz parte dos objectivos “avaliar a família e fazer uma intervenção para ajudar a família a ter uma mudança” positiva nos aspectos relacionados com a saúde. A coordenadora do curso, Mireya Cáceres, explica que o “aluno, com o conhecimento que tem, ao ganhar a confiança da família, serve como um mediador de informações certas e, assim, consegue mudar o estilo de vida de algumas famílias”.

 

As intervenções miram a ajudar as pessoas a terem um olhar mais atento para a saúde e saberem como podem fazer para cuidarem dela. Mas também, ajudar as famílias a adoptarem algumas alterações nas famílias como nos casos de envelhecimento, nascimento ou doença crónica que mudam a dinâmica da família. Cáceres explica que têm de “ensinar que faz parte da vida e que têm de mudar os seus hábitos para darem resposta a estas situações”.

 

As famílias são escolhidas pelos próprios alunos, mas não devem ser um conhecido ou familiar. As famílias são conseguidas através dos centros de saúde e outras instituições que trabalham ligadas às famílias. A preferência, se assim se pode dizer, “são as famílias vulneráveis com problemas onde os alunos possam ter uma intervenção activa”.

 

Os resultados na óptica destas responsáveis pelo programa são positivos. Suely que como estudante participou no programa fala das mudanças ocorridas na família que apadrinhou. Neste momento, são 50 as famílias apadrinhadas pelos estudantes. O programa já vai no seu terceiro ano e já beneficiou mais de 150 famílias. Para Mireya Cáceres, além das intervenções nas famílias, ficam também os laços criados durante o tempo de serviço.

  1. espero k a UM, cumpre com os seus objectivos sem prejudicar ninguem com eu foi prejudicada,porque elas sabem somente meter os estudantes as mãos no bolso, e facilitar as sua bonequinhas.

  2. UM de Certeza

    oh senhora k te descontente, o ke bo anda te feze k bo ca consegui bos objectivos??? k estudasse mais e aproveitasse kuando ê tempo. Se universidade te mete gente mon na bolso, ca bo estuda se bo ca ta pode paga e bo esprimenta vive ne ignorância e depois bo te oia kual des ê mais cara …. ficou a dika… LS :p

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.