Homem suspeito de violar uma mulher no Maderalzinho fica em liberdade

5/11/2013 02:29 - Modificado em 5/11/2013 02:29
| Comentários fechados em Homem suspeito de violar uma mulher no Maderalzinho fica em liberdade

violencia_sexual1O Juízo Crime mandou investigar um caso de uma agressão sexual que terá ocorrido na zona de Madeiralzinho. No âmbito de uma diligência policial, a Brigada de Investigação Criminal cumpriu um mandado de captura contra um indivíduo de 24 anos. E por decisão judicial, o suspeito vai aguardar o desfecho do processo-crime em liberdade. Isto porque, os factos apurados em primeira instância não revelaram indícios “fortes” de que o arguido tenha violado uma jovem de 24 anos.

 

O NN apurou que no sábado, por volta das seis horas da manhã, a Polícia Nacional foi accionada para se inteirar de um caso que apontava suspeitas de ter havido uma agressão sexual nas imediações da empresa Costa & Costa, na zona do Madeiralzinho. As queixas recaíram sobre um jovem que trabalha como segurança num espaço de diversão nocturna no Lazareto.

Este online soube que o indivíduo foi acusado de ter violado uma jovem que reside na zona de Plateau, bairro de Chã D´Alecrim. O certo é que a vítima foi atacada por um homem que a agrediu com pedradas na cabeça, nas mãos e ainda sofreu uma agressão sexual. A jovem foi transportada para o Hospital Baptista de Sousa para realizar exames e receber tratamentos médicos.

Por sua vez, o suspeito foi detido pela BIC que fez a sua apresentação às instâncias judiciais para a aplicação de uma medida de coacção. O Juízo Crime aplicou-lhe a apresentação periódica à polícia e Termo de Identidade e Residência.

O NotíciasdoNorte soube que esta decisão do juiz valorou o artigo 1 do Código do Processo Penal que determina o direito fundamental à presunção de inocência do cidadão enquanto o tribunal não o declarar culpado pelos factos que lhe são imputados. É que os factos descritos no auto de detenção e a versão do suspeito deixaram dúvidas se este agrediu sexualmente uma mulher.

Quanto ao processo-crime, este foi enviado para a Procuradoria da República para se apurarem os factos que culminaram na detenção do indivíduo e para que as autoridades criminais realizem investigações para apurarem se, de facto, houve prática de um crime de agressão sexual.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.