800 pessoas resgatadas no Mediterrâneo numa única noite

25/10/2013 10:19 - Modificado em 25/10/2013 10:19
| Comentários fechados em 800 pessoas resgatadas no Mediterrâneo numa única noite

guerraMais de 800 pessoas foram resgatadas na noite passada de embarcações em dificuldades no estreito da Sicília, revelaram as autoridades italianas, na mesma altura que, em Bruxelas, os líderes da União Europeia discutem como lidar com a chegada de cada vez mais refugiados às costas do Sul da Europa.

 

Segundo a edição online do jornal La Repubblica, dois dos navios da Marinha italiana que participam na operação Mare Nostrum – lançada na semana passada por Roma para evitar novos naufrágios trágicos – resgataram 400 pessoas durante a noite de quinta para sexta-feira no canal que separa a Sicília das costas da Tunísia. Outras 250, incluindo dezenas de mulheres e crianças, foram acolhidas a bordo de duas vedetas da Guarda Costeira que foram ao encontro de um barco em dificuldades a 25 milhas da ilha de Lampedusa.

 

A Guarda Costeira resgatou ainda 95 eritreus que viajavam numa embarcação detectada a mais de cem milhas a sudeste da pequena ilha italiana e um navio mercante com bandeira do Panamá recebeu ordens para desviar a sua rota e resgatar 80 imigrantes de um barco em dificuldades numa zona próxima.

 

O diário italiano adianta que parte dos resgatados foram levadas para Lampedusa, mas as autoridades decidiram levar de imediato algumas centenas para outros destinos – uma decisão que tende a ser tomada cada vez com mais frequência devido à sobrelotação dos centros de acolhimentos na pequena ilha.

 

O La Reppublica dá conta da enorme tensão que se vive ali há várias semanas e adianta que a situação tende a piorar, quer por causa do fluxo constante de recém-chegadas quer por causa dos procedimentos “absolutamente inadequados” de resposta aos pedidos de asilo. Exemplo disso é o facto de continuarem na ilha, alojados em condições precárias, os 157 sobreviventes do naufrágio de 3 de Outubro, apesar de quase todos terem perdido familiares ou amigos na tragédia, a pior de que há registo com 339 mortos confirmados.

 

A notícia dos salvamentos sublinha a urgência de uma resposta da União Europeia ao apelo lançado por Itália, com o apoio dos países do Sul, para a partilha de responsabilidades no combate à imigração ilegal e no acolhimento dos refugiados (uma parcela cada vez maior dos que arriscam a vida na travessia do Mediterrâneo).

 

Na cimeira que decorre em Bruxelas, deverá ser discutida a proposta da Comissão Europeia de reforço dos meios ao dispor da Frontex, para que a agência europeia de fronteiras possa organizar uma “missão de salvamento de Chipre à costa mediterrânica de Espanha”. A Comissão espera também o aval dos Vinte e Oito para reforçar a cooperação com os países de onde os barcos partem, em especial da Líbia. Mas a questão é espinhosa, numa altura em que vários governos endurecem as leis de imigração para responder ao crescimento de vários partidos populistas e de extrema-direita.

 

 

publico.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.