Homem encontrado morto: PJ pode mandar exumar o cadáver para apurar a causa da morte

16/10/2013 00:09 - Modificado em 15/10/2013 23:55

local onde Paulo foi encontrado sem vidaFoi encontrado na noite de segunda-feira, um corpo sem vida no local onde se situa a Esplanada Esmeraldas, na zona de Impena, ilha de São Vicente. Trata-se de um indivíduo de 34 anos, de nome Paulo Sérgio Mota que exercia a profissão de pedreiro.

 

Os familiares esperam conhecer as causas da morte de Paulo, mas o provável é que isso venha a suceder quando se fizer a exumação do seu cadáver. Isso porque, devido ao estado de decomposição, o corpo foi levantado pelos bombeiros depois da Delegacia de Saúde e da Polícia Judiciária terem autorizado a sua sepultura no cemitério.

 

A Polícia Judiciária em São Vicente vai prosseguir com as diligências para concluir o caso. Mas este online sabe que a putrefacção do corpo de Paulo Mota foi um elemento que impediu as autoridades sanitárias e a PJ de realizarem exames externos, assim como de recorrerem ao apoio de um médico legista para realizar uma autópsia, para apurar as causas da morte.

 

A este ponto, para os familiares e para as autoridades, as causas da morte de Paulo são uma incógnita que deve ser resolvida nos próximos meses. A Polícia Judiciária não avança datas para a conclusão do processo. Mas assegura que, posteriormente, dever-se-á pedir a autorização judicial para fazer a exumação do cadáver, no sentido de proceder às diligências necessárias para descobrir o que provocou a morte do cidadão.

 

  1. Suzy

    Não sou especialista nem conheço as condições das morgues em CV, mas pergunto: não seria mais fácil e mais fiável a procura de provas (e menos custoso) fazer antes a autópsia e depois o enterro? O legista escolheu a profissão porque quis e acredito que por vezes se aproveitem da desculpa “para o bem da saúde pública tem que ser enterrado de imediato” para não trabalhar em condições menos desejáveis. Noutros países, quando há casos desses, o corpo não é enterrado sem a perícia ser feita.

  2. PJ

    Bem dito Suzy, …. ou é falta de perícia técnica, ou negligência ou falta de conhecimento do Delegado de saúde…
    Sou familiar do Poya, o rapaz que morreu… estava bem no sábado pois ele foi visto na companhia de familiares.-
    No domingo à noite ele foi encontrado morto… segundo dizem as autoridades já em estado de decomposição… JÁ Áááááááááá! 24 horas depois????????????
    Duvido muito q n tenham tido condições de fazer a autópsia ao rapaz… o corpo nem estava em fase de decomposição, enfm

  3. Paulo Jorge Cruz

    Sou irmão de Paulo Mota é primeira vez que eu tou a assistir uma coisa dessas,um corpo a decompor no espaço de 24h é totalmente impossível, tou a residir em Lisboa tenho assistido muitos casos de acidentes de viação em que os corpos ficam pancadeados e não decompõem em 24h.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.