Assembleia Municipal: cidadão exige restituição de terrenos pertencentes a sua família há mais de 100 anos

10/10/2013 01:09 - Modificado em 10/10/2013 01:09

Augusto Neves e AM São VicenteEm São Vicente existem vários cidadãos que há anos que reclamam junto da CMSV ou do Governo a restituição da posse de terrenos que legalmente lhes pertencem. É o caso de Ugo Carlo, cidadão nascido na cidade do Mindelo, que procura junto das autoridades encontrar o melhor caminho para recuperar terrenos pertencentes à sua família situados na zona da Ribeira de Julião. Mas o certo é que a resposta que tem recebido da CMSV é o silêncio e o fazer orelhas moucas .

 

Para romper o silêncio e procurar quem não orelhas moucas Ugo Carlo decidiu levar a sua questão ao plenário da Assembleia Municipal que esteve reunida em sessão ordinária. O cidadão pediu o apoio da Câmara Municipal de São Vicente e dos eleitos municipais para ultrapassar a situação, na medida que os terrenos que a família possui há mais de 100 anos na Ribeira de Julião anos constam na matriz da CMSV com 0 metros quadrados ou pouco mais.

 

“São anos que a minha falecida tia, Celeste Pereira e agora eu, instamos a Câmara Municipal para actualizar a matriz camarária de acordo com o registo predial e a certidão da Repartição das Finanças fornecidos para esse fim juntamente com os títulos de propriedade. Sãos anos que a única resposta que nos é dada é um absoluto silêncio” explica Ugo Carlo.

 

O cidadão sublinha que decidiu recorrer à Assembleia Municipal no intuito de receber instruções sobre aquilo que deve fazer para ultrapassar a situação. E que o único interesse da família é, através de um diálogo sério entre as partes, encontrar uma solução de forma rápida. Isto porque “a geração herdeira dessas propriedades não tem conseguido desfrutá-las devido a este, chamemos, incidente de percurso com as matrizes camarárias”.

 

Reacções

 

A presidente da AM, Celeste Fonseca reagindo ao apelo de Ugo Carlo defendeu que se existe esse problema, a edilidade deve agir o quanto antes para apurar os factos e resolver a situação. Por sua vez, o presidente da CMSV assegurou ter conhecimento do caso, depois de ter conversado com o cidadão pelo que está aberto a ajudar, mas esclarece que as extensões de terreno podem estar nas delimitações de terrenos pertencentes ao Governo.

 

“Digo que é um terreno que hoje, de acordo com as delimitações, deverá estar contido no espaço do Governo pelo que são aspectos que devem ser estudados. A CMSV está sempre disposta a ouvir os munícipes e buscar a solução, que não é de todo fácil. Essas questões não são fáceis, pois são antigas, mas terão de ser resolvidas obviamente” explica o edil.

 

Augusto Neves conclui dizendo que a Câmara Municipal e a AM participarão no mesmo parâmetro. Mas o Governo terá de ter uma intervenção para resolver o problema enfrentado pelo munícipe Ugo Carlo.

 

  1. HELDER JOSE DE BRITO

    Sou neto de Gualdino Jose de Brito (conhecido por Chincin) os melhores filhos d…de Cabo verde venderam todo nosso terreno adquerido ha mais de cem anos inclusive ate a igreja catolica (fonte de Chinchim-Ribeirinha) algum dia alguem ha de pagar uma vez que esta terra nao tem justica nem sentido de pertence que os terroristas que vieram da selva, PAIGC/CV implantaram nesse no nosso torao natal. Amicar Cabral e Cia Lda que se desfacam no inferno. Meia palavra e basta.

  2. Gerry Ferreira

    Esta Camara não consegue resolver o problema de terrenos ocupados fora de Lei como os clandestinos que são um problema de hoje, quanto mais, os de há 100 anos. É triste dizê-lo mas este senhor vai ter que preparar os seus tetranetos para virem resolver esta questão.

  3. HELDER JOSE DE BRITO

    PARA QUE COMENTAR…

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.