Kleiton Borges : o estudante que queria ser policia e virou stripeer

1/10/2013 00:22 - Modificado em 1/10/2013 00:22

KelytonKleyton Borges, 21 anos, foi para Portugal em 2011 para concluir o secundário e voltar para Cabo Verde para entrar na polícia. No entanto, Kleyton viu que a vida de emigrante não era fácil e optou por procurar trabalho. Porém, esta procura também se revelou difícil, mas Kleyton adianta que entrar no mundo do strip tem as suas dificuldades.

 

Kleyton conta ao NN que quando chegou a Portugal viu “que a vida não era tão boa como a que tinha em casa dos meus pais” e teve que arregaçar as mangas e procurar emprego. Esta busca não foi direccionada para o Strip, porque entrar neste mundo não é fácil como as pessoas pensam, diz Kleiton.

 

Kleyton que já tinha alguma experiência como modelo, tentou entrar no mundo da moda. Todavia, esta tentativa falhou, isto porque, os agentes de moda disseram que “tinha um bom físico mas estava um pouco exagerado e se perdesse uns quilinhos talvez desse certo. Mas desisti porque perder peso é o meu maior inimigo e sempre foi, detesto perder peso”. Sendo assim, Kleyton que não estava com um bom físico para modelo, estava em excelente forma física para stripper. O estudante que queria ser polícia e tentou ser modelo, aproveita os seus requisitos completos e optou por ser stripper, ou seja, escolheu então despir-se da farda e de preconceitos.

 

Mundo do Stripper

O Stripper cabo-verdiano conta que conseguiu chegar aos sítios certos para apresentar o seu trabalho como “dançarino da noite”. Kleyton confessa que “adoro o que faço”. Para além dos sonhos de ser polícia por enquanto perdidos, Kleyton diz que sempre sonhou em ser stripper e que estava à espera da oportunidade e que nunca se viu a trabalhar num escritório.

Confessa que está a viver um sonho e que vai aproveitar até quando for possível. Mas Kleyton tem a consciência que “o strip nunca será uma profissão do futuro”. Por isso, o jovem cabo-verdiano que foi a Portugal estudar e de estudante tornou-se Stripper, também agarrou numa outra profissão que ama de paixão como diz Kleyton, a profissão de bombeiro.

 

Stripper e bombeiro

 

Kleyton conseguiu entrar nos bombeiros voluntários de Penela-Coimbra. Adianta que “é uma coisa que sempre sonhei, adoro fogos e adrenalina”. A sua motivação é poder ajudar as pessoas. Mas com alguma tristeza desabafa que bombeiro voluntário também não é uma opção, porque não é remunerado. Mas garante que a experiência é muito gratificante e fará de tudo para enquadrar no Corpo dos Bombeiros. Porém, afirma que ”sempre que possa ajudar nos bombeiros ou fazer um strip de vez em quando, vou continuar a fazê-lo, porque adoro dançar”.

 

 

Curiosidades sobre o Kleyton:

 

Gostas de quente ou frio?

Para mim tem de ser quente. Frio não gosto porque assim vou ficar com roupa. E como sou stripper não gosto muito de estar com roupa.

 

 

Loira ou morena?

Para mim uma mulher não precisa de ser loira nem morena, mas sim ter uma cabeça responsável

 

Romance ou paixão?

Não gosto de paixões… Não duram. Prefiro mais um romance que dura mais um pouco.

 

Música preferida?

Música preferida não tenho (risos), podes colocar qualquer uma que eu danço… mas gosto de ouvir músicas instrumentais.

 

Mulher dos teus sonhos?

Mulher dos meus sonhos? Sim já encontrei a “minha ursinha”. Mas para mim não existe a mulher dos meus sonhos. Se aparecer uma que me respeite e me admire já é a mulher dos meus sonhos… Tem de confiar em mim, só isso

  1. Kleyton Borges

    Obrigado pela entrevista. Agradeço imenso pela simplicidade vossa. 🙂

  2. Pateta

    És mesmo um preguiçoso que gosta de vida fácil, seu panaca de m…!Isso só podes ser sampadjudo.

  3. Carlos Jorge Wahnon

    Se luviandade ta págá iva, ess kleitao, era só estampa!!! Tem juízo moss e espiá traboi de HOMEN!!!

  4. Emigrante gressive

    Inveja mata, não ligues Kleithon, a maioria dos caboverdeanos ainda não esta preparado para certas evoluções. è o problema da mente fechada, e depois, quando nos emigrantes chegamos a terra com novas ideias começam a mandar bocas que é intchadura li, menias de grandeza…bla bla bla, afinal, somos pobres financeiramente e mentalmente (alguns).

  5. Para o Pateta

    Não é questão de vida facil ou não… se fosse vida facil de certeza que estavas aqui tambem certo? E tu sabes o que é que eu faço da minha vida para estares a falar de mim? devias sentir orgulho do que eu faço na minha vida.. Procurei trabalho não encontro… isso só mostra que eu sou um CABOVERDEANO com muito orgulho … Em vez de fazeres criticas construtivas, estás ai a criticar me por eu ser uma pessoa batalhadora?? Isso só mostra que não és caboverdeanO

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.