Subsídio de desemprego: já vem tarde

25/09/2013 00:03 - Modificado em 24/09/2013 22:36

desvio dinheirodinheiroA possibilidade da criação do subsídio de desemprego é vista com bons olhos por parte dos mindelenses. Júlio Ascensão Silva, secretário da UNTC-CS afirmou que só aceitará discutir a flexibilização do código laboral nos termos apresentados pelo Governo “se, paralelamente, for discutida a questão da implementação do subsídio de desemprego”. A taxa de desemprego no país é elevada com maior incidência nos jovens. Os dados recolhidos até agora demonstram que a tendência é que haverá cada vez mais um desemprego especializado.

 

Com a situação preocupante do desemprego no país os mindelenses sentem que é justo e apoiam a criação do subsídio de desemprego. A criação deste subsídio é defendida na perspectiva de ajudar as famílias que ficam desempregadas, ajudando-as em períodos de dificuldade e também para os jovens que se esforçam mas que não conseguem encontrar trabalho no fim da sua formação académica.

Na perspectiva de Vera Lopes “o subsídio de desemprego pode ser uma mais-valia para as pessoas no sentido que irá ajudá-las nas suas despesas diárias enquanto estiverem no desemprego”. Na mesma linha de pensamento, Vânia da Luz acredita que este subsídio será bem-vindo e ajudará muitas pessoas. Suzileida Neves acrescenta que quando as pessoas estão desempregadas e sem trabalho e quando se é licenciado “gasta-se muito dinheiro para se tratar de papéis”, e isto poderá ser uma ajuda e incentivo.

 

O Presidente da República aquando da sugestão deste subsídio de desemprego durante as comemorações do 35º aniversário da UNTC-CS, afirmou que o “trabalhador cabo-verdiano, quando desempregado, não possui qualquer amparo”. E é nesta mesma perspectiva de auxílio e de ajuda por parte do Estado às famílias, que os entrevistados apoiam a criação deste subsídio “que pode ajudar muitas pessoas”, como acrescenta Anildo Delgado.

A única questão colocada é sobre a duração do subsídio, com os entrevistados a dizerem que deveria durar um certo período de tempo. Vera Lopes afirma que “as pessoas não devem tornar-se dependentes desse subsídio, mas esforçarem-se para arranjarem um emprego e terem o próprio salário”. A possibilidade de criar uma dependência leva Toni Delgado a salientar que deve ser por um certo período de tempo. E Suzileida ainda acrescenta que se assim não for, muitas pessoas poderão abusar dele.

  1. CANDIDO SALOMAO

    Bezote cré gora, é págá pa gent malandre ca fazé NADA!!!! Tenha dó!!!

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.