PR defende a criação do subsidio de desemprego

24/09/2013 07:49 - Modificado em 24/09/2013 07:49

Jorge Carlos fonseca 1Num país como Cabo Verde onde a taxa de desemprego é elevada, segundo o Presidente da República Jorge Carlos Fonseca, dever-se-ia ter em conta que o “trabalhador cabo-verdiano, quando desempregado, não possui qualquer amparo”. E isso pode pôr em causa as metas do país. Com este facto em mente, pondera-se a implementação de um subsídio de desemprego.

 

Esta ideia é defendida por Júlio Ascensão Silva, secretário da UNTC-CS. O sindicalista afirma que só aceitará discutir a flexibilização do código laboral nos termos em que estáa ser apresentado pelo Governo “se, paralelamente, for discutida a questão da implementação do subsídio de desemprego”. É que segundo este líder sindical, as reformas propostas pelo Governo sobre a legislação laboral prejudicam “gravemente os interesses dos trabalhadores”.

Falando das consequências do desemprego, o Presidente da República expõe que o desemprego situa-se a níveis muito elevados, principalmente na camada jovem. Para Jorge Carlos Fonseca, os efeitos estão-se a fazer sentir na deterioração das condições de vida dos trabalhadores e das famílias, também com a elevação do custo de vida em consequência do aumento dos preços dos produtos dos serviços de primeira necessidade.

Estas declarações foram feitas durante o seminário de comemoração do 35º aniversário da UNTC-CS.

 

  1. Achei muito bem, é un pensamento nobre
    mas já sabe que tudo é constrido, farto ca tem dor di fomento.

  2. JC

    UMA OPINIÃO TOTALMENTE IRREALISTA EM APLICABILIDADE EM CABO VERDE. QUEM IRIA “FINANCIAR” ESSE FUNDO DE DESEMPREGO ??? O ESTADO, DIGNO DE POUCA CONFIANÇA EM MATÉRIA FISCAL (REEMBOLSOS ATRASADOS, IMPOSTOS POR COBRAR, ETC) NÃO PODERIA SER !!!! NO MAIS, O ESTADO DE CABO VERDE ESTÁ TÉCNICAMENTE FALIDO, SEM RECURSOS FINANCEIROS QUE NÃO SEJAM AS “ESMOLAS” ENTREGUES PELA COMUNIDADE INTERNACIONAL A TITULO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO (OU SEJA, PARA NÃO SE MORRER Á FOME). ETA AÍ, CABO VERDE NO SEU MELHOR..

  3. José Rui Soares

    Quanto amim, o grande problema que se põe é o financiamento do fundo que se propõe… Por vezes, as pessoas falam sem pensar…. Parece ser o caso. Se não, analisamos: Quanto tempo, terá um trabalhador que descontar, de modo a sustentabilizar quem o irá subsidiar, e, consequentemente usufruir de meses ou anos de subsídios de desemprego? Terá a instituição social, a capacidade para subsidiar em Cabo verde específicamente, tantos desmpregados, mesmo que tenham descontado dois anos seguidos sem ter direitos? Qual é a importância suficiente, a ser mensalmente paga pelos trabalhadors, á instituição social, que o permita ser subsidiado passado algunm tempo? Com isso, queria dizer que, os ordenados muito baixos, como é o nosso caso, não suportam decontos necessários a sustentabilidade finaceira da instituição social, de modo a garantir subsídios, cujas importâncias suportam mínimamente as necessidades do subsidiário/meês… Não se pode criar, instituições financeiras falidas, ou falir as que já existem, com politicas insustentáveis, e ou populistas…..

  4. Djon

    Agora temos um Presidente e isto quer dizer também estar junto das pessoas sem recursos sobretudo.

  5. Um grande ideia defendido pelo Presidente, porque ha muitas pessoas a viver na extrema miseria, no entanto ha muito poblicidade do governo que tudo esta bem, é preciso sim criar o subsidio de desemprego em Cabo verde, para acompanhar todas as taxas, o desemprego, e resolver os problemas de todos os desempregados, se andamos a copiar todos os impostos e regras que é implementado em Portugal, porque nao copiar o Subsidio de desemprega que é dado aos desempregados em Portugal e o resto da Europa?

  6. Fiat lux

    Não é boa ideia Sr. Presidente. O homem precisa é de cana e não de peixe, para não alimentar o ócio. Esse subsídio é um autêntico convite à malandrice. Aumenta-se o nr. de postos de trabalho de limpeza pública e criam-se outras actividades de carácter cívicas e paga-se o salário mínimo. Isso resolveria grandemente o problema de desemprego especialmente na camada juvenil e não qualificada.

  7. Inacio Lopes

    Para ter um subsidio,como propoe o PR basta saber fazer as contas.Temos 1º que gastar menos em muitas coisas. Comprar viaturas de estado menos carros, nao usar viaturas de Estado Fim de semana. Nao viajar desnecessariamente, pôr as embaixadas a funcionar convenientemente,Auditar e pedir contas a todas instituiçoes do Pais que usam fundos publicos etc enfim sermos apenas racionais e dinheiro ha de surigir para todo mundo desempregado

  8. José Rui Soares

    Sr. Inácio Lopes….Desculpe dizê-lo, que em nenhuma parte do mundo, o subsídio de desemprego, é pago com o dinheiro do estado…… Para beneficiar do subsídio de desemprego, o trabalhador terá que descontar para o efeito, durante um certo tempo determinado na lei, para que este possa ter direito ao subsídios de desemprego….. Quer dizer, que o trabalhador, recebe como subsídio de desemprego, o dinheiro que descontou ao longo dos tempos…. Abraços…..

  9. Fernado Delgado

    Vamos deixar de brincar com coisas sérias.
    1º O Presidente acha que tem pouco dinheiro para as suas viagens
    2º Passa a vida a defender direitos, num país de tesos e que vive de ajuda.
    3º Agora para caír nas boas graças, vem com esta de ajudar essa tolice de subsidio de desemprego.

    Sabem uma coisa?Precisamos de um subsidio para o emprego e não para o desemprego,porque teso esse país já está há muito.Por favor não brinquemos com coisas sérias!

  10. Predilecto

    Como disse Fernando Delgado este país está teso e o PRESIDENTE está é de cabeça para baixo sem querer levantar-se da tesão.Cabo Verde está na moda mas subsidio de desemprego nem no ano 2030.Haja saco para esse passeador sem noção da economia que o país atravessa.

  11. HELDER

    Copiem o sistema americano (lay off) em que a empregadora contribui, depois de analizados todos factos. Deixem de comentar sem nunca conhecer o mundo ca fora.
    pessimos analistas!

  12. Nicolau

    Estamos a viver numa sociedade moneterisada e, como tal, cada um precisa do seu “tiston” ou, “cimbrom”, como dizia o saudoso Renato Cardoso atraves do outro saudoso Ildo Lobo, para sobreviver. O subsidio de emprego é uma obrigatoriedade nas sociedades que se monetisaram pois, ninguem consegue viver sem dinheiro senao roubando e fazendo outras vigarices…

  13. Inacio Lopes

    Sr Jose Rui soares concordo contigo parcialmente. estou a falar do Estado em sentido lato. Ali inicialmente tem que haver um espirito de solidariedade.O fundo pode ser , inicialmente constituido com algumas poupanças. uma vez estruturado o fundo minimamente pode acontecer a tua proposta de se iniciar o direiro na base das obrigaçoes à montante. Nós temosque iniciar certos processos independetemente de outras experiencias. se o estado poupar para se solidario pode ser boa iniciativa.

  14. CABRAL

    Tendo em conta a formação do noso PR, a proposta pelo mesmo apresentada é, pura e simplesmente, gozar com a sociedade. Bem sabe este senhor ser impossível atender tal propósito. Proponho porém uma alternativa: que o mesmo disponibilize o seu vencimento para integrar um fundo de apoio aos desempregados. Isso sim, seria uma atitude digna e meritória. Vamos ver se existe coragem para tal (o que muito dúvido). Mande noticias Sr. Presidente. Este país espera a V/atitude.

  15. Jorge Pedro Coelho

    Penso que já é hora de gente com altas responsabilidades como o senhor PR terem um pouco de juízo. Aonde é que o Estado de Cabo Verde vai arranjar dinheiro para pagar subsídio de desemprego a trabalhadores, grande parte deles malandros e preguiçosos? Isto de subsídio de desemprego em Cabo Verde é palhaçada, ideia de quem é complicado por natureza. Parece que a intenção é criar problemas ao MpD, porque se formos poder como esperamos ser em 2016, o Governo do Ulisses é que vai pagar as favas

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.