Águas estagnadas: Mosquitos atormentam moradores de Dji D´Sal e Campim

23/09/2013 00:12 - Modificado em 23/09/2013 00:12

aguas estagnadas em Dji D- Sal_2Os moradores de Dji D´Sal continuam a sofrer na pele o problema das águas das chuvas estagnadas no ex-campo do futebol daquela localidade e num espaço utilizado para a prática de hipismo, ao lado da estrada cidade/São Pedro. É que uma praga de mosquitos está a importunar os moradores de Dji D´Sal que viram os vizinhos do Campim serem afectados também pelas picadelas dos mosquitos.

 

Os moradores da zona do Dji D´Sal contactaram o NoticiasdoNorte para alertar sobre uma praga de mosquitos que está a afrontá-los, tudo por causa das águas das chuvas que ficaram estagnadas nas imediações dessa localidade. E o certo é que esta situação está a aterrorizar a comunidade desse bairro.

A fonte de mosquitos é um espaço com cerca de cinco metros de largura e cinquenta de comprimento. É um autêntico “rio” que se prolonga ao lado da estrada para o aeroporto e o local onde era o campo de futebol de Dji D’Sal, cercado para a realização de uma obra que até à data não foi edificada.

Devido à estagnação da água, o mau cheiro tem sido uma preocupação dos moradores, mas o problema maior são os mosquitos que afrontam os moradores de Dji D´Sal e Campim. Antónia Lopes afirma que “há anos que esperamos por uma solução para este problema, porque é difícil de lidar com as picadelas dos mosquitos. Compram-se repelentes e fecham-se portas e janelas, mas continuamos a não ter sossego, porque não há nada que acabe com os mosquitos”.

Sandro Graça partilha da opinião de Antónia e acrescenta que “não há insecticida que chegue para os mosquitos. A minha mulher já gastou dinheiro para comprar incenso para afugentá-los. Mas aos poucos surgem para afrontar a nossa comunidade, sendo certo que alguns contribuem para esta situação, pois deitam o lixo em locais inapropriados”.

As moradoras, Artemísia e Raquel apresentam marcas no corpo das picadas e asseguram que juntamente com outros moradores atiraram produtos químicos para minimizar a situação nos locais com águas estagnadas, porque o “problema complica-se de dia para dia, porque o número de mosquitos é maior do que o de costume”.

Para erradicar os mosquitos, os moradores de Dji D´Sal e Campim pedem a intervenção da Câmara Municipal de São Vicente e da Delegacia de Saúde. Mas este online soube que as autoridades sanitárias e a CMSV vão executar um plano de pulverização anti-larval no local para diminuir os problemas causados pelas águas estagnadas

  1. Gladstone Germano

    O método mais barato e eficaz de acabar com a praga de mosquitos em águas estagnadas é proceder à petrolização das mesmas águas. No caso da lagoa de Dji de Sal basta 2O litros de petróleo vulgar.Este espalha-se na superfície das águas e afoga as lavras de mosquitos quando respiram na superfície da água.Também serve os óleos queimados das centrais eléctricas e do vulgar óleo doméstico de fritar’. É fácil e barato.
    Em 1979/1980 houve uma terrivel praga de mosquitos e foi combatida dessa forma.

  2. Gladstone Germano

    Para combater as picadas de mosquitos há uma receita antiga e barata.Como as fêmeas dos mosquitos atacam só de noite poe-se nos quartos de dormir uma pequena tigela ou prato fundo meia de leite e cortam-se rodelas de cebola branca e alho cortado para dentro do leite.Põe-se num canto do quarto e todos os mosquitos vão ali morrer. Serve de loção para os cotovelos e tornozelos zonas preferidas pelos mosquitos picarem. È só
    experimentar. É bom e barato e não entoxica. Vamos experimentar.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.