“Decisão não teve intenção de beneficiar o basquetebol”

19/09/2013 00:27 - Modificado em 19/09/2013 00:27
| Comentários fechados em “Decisão não teve intenção de beneficiar o basquetebol”

kulaO campeonato nacional de basquetebol foi jogado suspenso devido ao facto das equipas da Académica de São Vicente, Preguiça do Sal e Seven Stars da Praia se terem recusado em jogar as partidas da final do terceiro lugar. Isto devido ao protesto que deu entrada na Federação de Basquetebol de Cabo Verde de uso irregular de um jogador por parte da equipa do Bairro. As equipas alegaram que o jogador não estava devidamente inscrito na hora do jogo.

 

A Federação remeteu na altura a decisão sobre em que termos jogaria a final. Em conferência de imprensa o presidente da FCB, Kitana Cabral, afirmou que o jogo da final será jogado entre as equipas do Bairro e do Seven Stars.

 

Esta decisão é contrária ao que a equipa da Académica do Mindelo esperava, ou seja, uma decisão que lhe possibilitava jogar a final, já que segundo Kula Monteiro, treinador da Académica, a razão estava do seu lado.

 

Para Kula esta decisão “prejudica seriamente o basquetebol nacional”. Para ele a posição da Federação tem de ser verificada porque “tudo aponta que esta situação não foi feita com uma ideia clara de defender o basquetebol”. Avança que em momento algum queria que o campeonato chegasse a esta situação e que fizeram de “tudo para que a situação se resolvesse normalmente”.

 

Kula afirma que: “Houve irregularidade, a inscrição não foi feita na data que mostraram e outros mostraram documentos que o jogador não poderia jogar. E deixamos aqui claro que em nenhum momento a Académica queria ganhar a todo o custo”.

 

Kula também refuta a acusação que foi indelicado no momento que lhe foi entregue a resposta do protesto. Explica que houve um documento que lhe foi entregue na hora em que entrava no carro para ir para o jogo. Isto porque, como afirma, estava convicto que iria disputar a final. E tendo sido informado do conteúdo da carta recusou-se em recebê-la num primeiro momento mas acabou por aceitá-la, documento que ainda conserva.

 

“Fui para a Praia mostrar o futuro do basquetebol e apresentei um basquete ao mais alto nível e vou continuar a trabalhar a nível de projectos e o projecto é levar para todos os cantos de Cabo Verde”. O trabalho da Académica segundo Kula não termina já que é um trabalho que quer levar para todos os lugares de Cabo Verde.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.