Não há biquínis mas raparigas eleitas pelas suas virtudes morais

16/09/2013 01:08 - Modificado em 16/09/2013 01:08
| Comentários fechados em Não há biquínis mas raparigas eleitas pelas suas virtudes morais

muculmanaIndonésia. Na ilha paridisíaca de Bali encontram-se centenas das mais bonitas mulheres, que representam a beleza dos seus países no concurso Miss Mundo. Enquanto, em Jacarta, o concurso é também de beleza mas, sobretudo, de virtudes morais.

 

O concurso chama-se Miss Mundo Muçulmano e é a resposta islâmica ao Miss Mundo. Na próxima quarta-feira, as duas dezenas de concorrentes que participam vão estar completamente vestidas, de forma modesta, em cima do palco. Concorreram cerca de meio milhar de jovens, através da Internet, mas apenas 20 chegaram à final. Além da Indonésia, estarão em palco as concorrentes do Irão, da Malásia, do Brunei, da Nigéria e do Bangladesh, entre outros.

 

O processo de selecção teve como provas a recitação do Corão e partilha de anedotas de como usar o lenço na cabeça, um requisito obrigatório para participar.

 

O evento destina-se a “senhoras muçulmanas” que respeitam as tradições religiosas e é promovido por uma organização de mulheres islâmicas, a Fundação Mundo Muçulmano. Os fatos vão reflectir as “cores do mundo muçulmanos” e a beleza não é o único critério, explica Eka Shanty, da organização ao site Asia News. As concorrentes serão avaliadas segundo três “s” – smartness (inteligência), style (estilo) e sholehah (moral).

 

“Não queremos apenas gritar ‘não’ ao Miss Mundo. Queremos mostrar às nossas crianças que existem opções. Querem ser iguais às mulheres do Miss Mundo? Ou querem ser como as do Miss Mundo Muçulmano?”, justifica Shanty, à AFP.

 

Entretanto, em Bali – onde a maioria da população é hindú – há polícia armada para assegurar que tudo corre bem com as participantes no Miss Mundo. Estava previsto que a final fosse realizada na capital da Indonésia, no dia 28, mas face às dezenas de protestos e ameaças numa dúzia de cidades do país – alguns dos manifestantes chegaram a empunhar cartazes onde declaravam estarem dispostos a morrer para acabar com o Miss Mundo–, a organização do concurso e o Governo decidiram ficar por Bali, em nome da ordem pública.

 

Mas não só: para evitar mais polémicas o tradicional desfile em biquíni foi abolido. Os críticos ferozes acusam o concurso de explorar as mulheres, além de insultar a religião islâmica.

 

 

 

 

publico.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.