O novo protocolo de sedução

10/09/2013 13:43 - Modificado em 10/09/2013 13:43
| Comentários fechados em O novo protocolo de sedução

viverTerminei uma relação, e agora? Como é que recomeço o jogo amoroso, depois de tanto tempo fora das lides da sedução? Falámos com Margarida Vieitez, mediadora de casal e autora do livro ‘O Melhor da Vida Começa aos 40’, para saber por onde devemos começar.

Faça o luto

 

“Depois de terminar uma relação, não deve voltar imediatamente ao ‘mercado’, porque há um luto a fazer da relação anterior”, aconselha Margarida Vieitez. Ou seja, antes de qualquer outra relação, temos de fazer um trabalho interior de reflexão sobre o que aconteceu. Que aprendizagens há a fazer? “Várias. Por que não resultou, por que é que a rutura aconteceu, se há um padrão, se foi uma repetição de outra relação…”, nota a especialista. “O luto tem quatro etapas: o choque, a raiva, a aceitação e a reorganização. E quando uma relação foi longa, isto tem mesmo de ser feito. Costumamos dizer que um amor se esquece com um novo amor, mas é mentira. Nem a pessoa está preparada para uma nova relação. E depois o que acontece é que as pessoas acabam por cair nas mesmas frustrações.”

 

Procure pessoas

 

Pronto, decidi fazer novos amigos e retomar a ida à discoteca. Primeira dúvida: onde ir. “Há discotecas onde só vão adolescentes, mas a pessoa tem de descobrir os locais onde se sente mais confortável, e fidelizar-se a determinados sítios. É mais fácil ir com uma amiga ou com um grupo de amigos. Não aconselho a que vá sozinha, porque não vai sentir–se bem.”

 

Observe o ‘jogo’

 

Cá estou. Acabei de chegar à discoteca. E agora? O que é que acontece? Os homens começam por olhar, insidiosamente. Depois, abordam (enfim, ou não…). “Por volta das cinco da manhã, as pessoas começam a ficar mais ansiosas, porque há quem esteja efetivamente à procura de alguém, e à medida que a noite avança nota-se a sedução – e a ansiedade – a subirem de nível”, observa Margarida Vieitez. “As pessoas pensam, ‘eu não volto sozinho para casa’.” E aí tudo pode acontecer.

 

Não avance logo para o sexo

 

As nossas avós tinham razão: o mistério continua importante… “Eu defendo que não deve haver sexo no primeiro encontro. Aconselho vivamente as mulheres: quanto mais tempo demorar a haver intimidade, mais sólida a relação. Claro que não há um número de encontros específicos, mas façam durar”, recomenda Margarida Vieitez. Ou seja, recuperem a arte de namorar à moda antiga: vão ao cinema, passeiem, beijem, façam programas juntos, conheçam-se, e aí avancem. “Claro que as hormonas e os 40 anos não ajudam: temos aquela sensação de que já não há tempo a perder. Mas quando a intimidade é imediata, o que eu noto é que geralmente as pessoas deixam de se ver. É como se o sexo impedisse a intimidade emocional. E os homens ainda pensam muito em termos de ‘está conquistada, vamos a outra’. Por isso eu acho que continua a fazer sentido o fazer-se difícil.”

 

prepare-se para lidar com homens inseguros

 

Não espere muitos Don Juans… Se as mulheres estão carentes, os homens estão inseguros. “Não sabem conquistar uma mulher, não sabem o que dizer, não se sabem comportar. Claro que há os engatatões, mas também não é isso que as mulheres querem.” A independência das mulheres assusta-os? “Muito. Assusta-os que as mulheres não precisem deles. E depois, de facto, não as percebem. Não veem o que é que elas querem deles, para que é que elas precisam deles, sentem-se muito perdidos.”

 

Não esteja à espera do Príncipe Encantado

 

Carregamos desde criança a imagem da alma gémea, e tudo o que não se encaixe nesse padrão não serve. “Por outro lado, estamos muito egoístas, muito virados para nós próprios, qualquer contrariedade nos afasta. E depois, aos 40 anos já não estamos para aturar certas coisas. Já não queremos lidar com controlo, ciúme, conflitos. Isso é bom. Mas também temos de ser tolerantes.”

 

Ou seja, a dificuldade é encontrar esse equilíbrio entre aquilo que queremos e o ideal inatingível. “Não temos de encontrar a alma gémea. Temos de perceber se conseguimos formar uma equipa com aquela pessoa, se existe um projeto de vida em comum, interesses convergentes, se aquela pessoa nos faz feliz e se contribui para o nosso crescimento.”

 

Navegue no Facebook

 

Ora bem: se sobrevivemos à discoteca e até conseguimos encontrar, se não a alma gémea, alguém com quem simpatizámos, segue-se o passo seguinte (que pode ser o primeiro passo, para quem não for muito dançarino) – a rede social. Tornamo-nos ‘amigos’ e começamos a falar. E aqui basta uma frase ou duas para uma mulher perceber com o que conta. “A frase típica de todos eles é: ‘Vamos tomar um café’ (risos). Que falta de imaginação!”

 

Então o que propõe? “Vamos tomar o pequeno-almoço, vamos tomar chá, vamos cear, qualquer outra coisa! Os homens precisam de melhorar as suas técnicas de sedução e abordagem, porque as mulheres estão sedentas de algo diferente!”

 

Confie na intuição

 

Pronto, lá aceitou o tal café (ou chá, ou ceia). Estão frente a frente. Conselho: se há coisas que a deixam com urticária nos primeiros minutos, passe a outra vítima – a sua intuição está a dizer-lhe que não vale a pena ir por ali. “Por exemplo, uma coisa muito referida pelas mulheres é esta: estão com um homem num primeiro encontro e ele não para de mandar mensagens pelo telemóvel. Claro que isto pode ser insegurança e nervosismo. Mas acima de tudo é falta de.” Falta de?” “Falta de. Lá está, não sabem como conquistar uma mulher. Querem satisfazer as mulheres, mas não se concentram em tentar conhecê-la. Não sabem os primeiros passos da conquista, o que perguntar, o que não dizer. Há coisas que não se dizem num primeiro encontro. Não se fala sem parar de si próprio. Não se fala das ex-namoradas. Não se conta a vida toda.” Além disso, o luto da relação passada, a maioria dos homens não o faz. “Terminam uma relação e passam à frente sem saber o que correu mal. E depois repetem os mesmos erros.”

 

Perceba em que etapa estão

 

Muitas vezes, o problema é que os dois se encontram em etapas diferentes da vida. As mulheres têm de perceber em que patamar está cada um: ele quer um caso e ela quer um casamento? Ela só se quer divertir e ele quer a mulher da sua vida? “As mulheres têm de estar atentas aos sinais que indicam aquilo que os homens querem, em vez de entrarem em negação. E não devem esperar que eles as esclareçam, porque eles não esclarecem.” Então, se ele não esclarece como é que eu sei? “Tem de perceber pela conversa. Perceber como ele se dá com os pais, por exemplo, que é fundamental. Má relação, falta de afeto, distanciamento, conflitos? Temos ali um homem problemático. Depois falar sobre as relações anteriores, tentando perceber que homem está ali.” Há muitos homens casados na noite. Há pessoas casadas, ou malcasadas, ou em relações, que estão ali para conquistar alguém. E inclusive, se conhecem alguém, continuam a investir nas duas relações ao mesmo tempo.

 

Não esteja sempre disponível

 

O café correu bem? Relaxe. Vá namorando sem criar ilusões. “As mulheres pensam logo ‘que bom, arranjei namorado!’ e desatam a pôr fotos dos dois juntinhos no Facebook. Relaxem, conheçam-se, deixem rolar. Não stressem, não forcem, não queimem etapas.” Ele manda-lhe um sms? Não responda logo. Ele envia-lhe um smile? Não mande dez de volta. “Eles têm de sentir que estão a conquistar, senão perdem o interesse.” Ó céus! Isto não é um bocado pré-histórico? “Continua a ser assim. Elas não devem estar logo disponíveis. Tornem-se difíceis… Não, não facilitem muito. Alimentem, mas em minidoses.”

 

 

 

 

activa.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.