Ministério Público está atento aos conflitos entre grupos de jovens na ilha de São Vicente

10/09/2013 00:00 - Modificado em 10/09/2013 01:36

tribunal mindeloO NN apurou que o Ministério Público está atento aos conflitos entre grupos de jovens na ilha de São Vicente, pelo que medidas serão tomadas para devolver o sossego aos cidadãos. É que nos últimos meses, a ilha está a ser assolada por guerras de gangs que já levou moradores dos bairros transformados em campos de batalhas a pedir a intervenção da PN e das instâncias judiciais. E o MP aliado ao Tribunal parece disposto em tomar medidas de prevenção contra os intervenientes.

A Polícia Nacional realizou diligências para entregar participações policiais a Procuradoria de São Vicente a revelar as preocupações dos moradores dos bairros que têm sido afectados pelos conflitos entre grupos de gangs. A PN mantém as investigações para saber as razões que estão na base dos confrontos que já provocaram danos em residências e viaturas, e tudo indica que se trata de ajustes de contas por motivos “fúteis”.

Para os cidadãos, a situação continua a espelhar o “medo e o terror”, uma vez que grupos de jovens transformaram alguns bairros em campos de batalha utilizando pedras e garrafas durante os confrontos pelo que, muitas vezes, pessoas inocentes e viaturas estacionadas na via pública acabam por sofrer as consequências dessas brigas.

Intervenção

Segundo um magistrado contactado pelo NotíciasdoNorte, a Procuradoria de São Vicente está a esta situação, na medida que alguns indivíduos já foram levados ao banco dos réus por participarem dessas guerras, e as medidas previstas na lei foram tomadas porque se tratava de um crime de motim.

“A Polícia Nacional tem sido uma parceira do Ministério Público no combate a criminalidade organizada. Pois não podemos ter jovens desocupados a atormentar pessoas que desejam ter o sossego no seu local de residência. É preciso pôr ordem nesses indivíduos com comportamentos desviantes, e que se organizam para geram conflitos de grupos por mera futilidade” sublinha o entrevistado.

Penas alternativas

Para o magistrado, os cidadãos devem continuar a lutar pela paz nos bairros e denunciar os intervenientes nas guerras à Polícia. Questionado sobre qual o papel do Ministério Público e do Tribunal na resolução das guerras de gangs que estão a renascer em São Vicente, o entrevistado sublinha que estas instâncias judiciais devem salvaguardar a segurança das pessoas e garantir a aplicação da lei contra os infractores.

“Não podemos dar tréguas a quem infringe a lei e que expõem a integridade das pessoas e bens ao perigo. A lei determina penas de prisão quando se escasseiam as medidas de prevenção. E nas circunstâncias dessa natureza, creio que o Tribunal poderá optar por penas alternativas, quando não se pode aplicar a prisão preventiva, porque seria uma forma de inibir o comportamento desviante desses jovens”.

Questionado sobre que penas alternativas, o magistrado conclui dizendo tratar-se de condenar os infractores a cumprir horas de serviço comunitário a favor de instituições ou nos bairros. E ainda a proibição de sair de casa depois das 21 horas, e em último caso a aplicação da prisão de fim-de-semana.

 

  1. Menine de cruz

    Já t na hora d po tud ess bandidos na cadeia! Principalmente kel Stivi fidj de vera e C Djo. Lideres de Gang d cruz. desd k C djo bai mora na cruz, cruz katem sussego.

  2. Carlos Jorge Wahnon

    Bezote pánhá ês mosso de gang e betás lá na Praia dejunto ma badiu, pa mod SONCENTE cá é terra pa gent brabo simá es palhiasse de gang!!!!!!!!1

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.