O desafio de criar uma escola de formação profissional

29/08/2013 07:30 - Modificado em 29/08/2013 07:30

desempregoLídia Lima, vereadora responsável pela área do emprego e formação profissional explica que os cursos a serem ministrados na Escola de Formação Profissional foram traçados de acordo com aquilo que a CMSV pensa ser as necessidades dos munícipes

 

O projecto de criação da Escola de Formação Profissional da Câmara Municipal de São Vicente começou a dar os primeiros passos. Um curso de jardinagem e outro de calcetamento artístico já estão a ser ministrados no Centro Social do Madeiralzinho, espaço reabilitado para os formandos receberem as aulas teóricas de capacitação. A prática vai ser aplicada em ambientes de trabalho da CMSV e nas oficinas de instituições que têm parcerias com a Câmara Municipal.

A vereadora do Emprego e Formação Profissional, Lídia Lima salienta que “esta fase é um pontapé de saída naquilo que pretendemos executar porque é possível fazer formação dessa forma. Se não existem centros de formação não podemos ficar de braços cruzados sem fazer nenhuma acção formativa”.

Pesa a falta de apoio financeiro por parte de entidades sediadas na ilha para desenvolver a formação profissional, contudo, parte do Orçamento da CMSV cobre a execução dos projectos para essa área. A vereadora sublinha que a perspectiva é ter no futuro uma Escola de Formação Profissional devidamente preparada para a execução de alguns cursos de formação ”vamos ter que pedir o apoio, se calhar às câmaras geminadas para podermos equipar essa escola. Não vamos abranger todas as áreas de formação, mas queremos apostar em áreas que não estão abrangidas pelos centros de formação que estão a funcionar na ilha”- assegura a vereadora.

Para 2013, a Câmara Municipal programou ainda uma acção formativa que se estende a oito cursos: cozinha, corte e costura, agro-pecuária, refrigeração, canalização, atendimento público, mesa e bar, serralharia para capacitar os cidadãos de uma ferramenta de trabalho para sairem do desemprego.

E a CMSV decidiu que no final do curso de calcetamento artístico, os formandos vão actuar no contexto em que se baseou a formação, na medida que lhes vai ser disponibilizada uma rua para trabalharem a parte prática, onde no final irão apresentar uma obra feita. E na área de jardinagem, os formandos vão actuar, acompanhados pelos formadores, nos espaços de jardinagem que necessitam de uma melhor intervenção.

 

  1. PJOTA

    qual história…. quel parte pratica ja foi fete diazá amdjer… Lidia desde que bô ba pa CM bô pensa bo tita panha ceu c´mom… ba prendê e depos bo bem falá, branca… escola de formação profissional, ondel? isso nao é solução para sair do desemprego pois há inumeras pessoas com essas capacidades e no DESEMPREGO… qual história…. bô ta li ê ta intchi linguiça de vente…. e ta ganhá dnher de borla… batimbora batimborinha!

  2. August Nevada

    O quê q se aprende num curso de jardinagem, Lídia! quem é que dá a teoria, deve ser alguém da Garden center! jardinagem, eu aprendi aos 2 anos! posso ser formador de formadores sem a componente pedagógica! entendo q a ideia de formação profissional é boa, mas jardinagem? por favor, vereadora! se vocês fizerem um curso de varredor eu estarei lá, porque não sei varrer, mas jardinagem! Podem fazer um curso de vendedores de terrenos também porque estarei lá! caramba, essa terra é uma paródia!

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.