Brava pretérito peala comunicação social

26/08/2013 18:28 - Modificado em 26/08/2013 18:28
| Comentários fechados em Brava pretérito peala comunicação social

carlosIncomoda-me e muito, ao constatar enquanto cabo-verdiano que consciente ou inconscientemente algumas das nossas ilhas são descriminadas pela nossa comunicação social, em termos de cobertura noticiosa.

 

Sou um sanvincentino de gema e assumido, mas antes de o ser, sou cabo-verdiano, sou defensor acérrimo desses dez grãozinhos de Terra, situado no atlântico e que compõem esse maravilhoso país que é Cabo Verde. E, é neste contexto que sinto no direito de manifestar a minha opinião sobre qualquer Ilha, de Santo Antão à Brava. Hoje, vou exteriorizar o meu desagrado pela forma como a ilha das Flores, vem sendo descriminada, a meu ver, negativamente pelos mídia. Esta Ilha, depois de viver largos anos isolado das restantes ilhas por falta de transportes, hoje, resolvido esse problema a sua população continua a estar ilhada pela nossa comunicação social, visto não existirem um representante sequer da RTC, quanto mais de Jornais impresso, para em tempo útil, fazerem a cobertura noticiosa do quotidiano da Terra de Nhô Eugénio Tavares. Ilha que aprendi a querer e a respeitar depois de conviver com a sua gente batalhadora e que na sua maioria, faz parte do meu dossiê político e cultural. Aliás, não há nenhuma actividade dos bravenses em Rhode Island que não farei presença.

 

A grande verdade é que este Cabo Verde global de hoje, não tem nada a ver com o de outrora. Foi há bem poucos dias que senti um grande orgulho da evolução da nossa RTC, ao assistir pela primeira vez, em directo, aqui dos Estados Unidos a várias partidas de futebol, do torneio inter-ilhas, realizada na minha Terra, mais precisamente na ilha do Fogo. A minha satisfação foi imensa que de forma emotiva desafoguei com um amigo, “o nosso futebol está ao mesmo nível que o dos países da Europa”! É claro que naquele momento, o meu desabafo foi gozado por esse meu amigo, que dias depois veio a dar-me razão quando a FIFA atribuiu a nossa selecção, trigésima sexta posição no ranking a nível mundial e sexta em África.

 

Mas em tudo isso, a grande verdade é que hoje, este pequeno Cabo Verde, consegue levar uma partida de futebol, em directo via televisão e rádio aos nossos patrícios espalhados pelos cinco continentes. E isto é caso para parabenizar a evolução da nossa comunicação social e ao nosso governo pelo esforço despendidos para que os nossos atletas possam evoluir e aprimorar as suas técnicas em campos relvados, fazendo-nos, os mais velhos esquecer ou melhor, relembrar os pelados de terra batida onde jogávamos.

 

Por isso, neste momento, não é aceitável, com a avanço demonstrado no parágrafo anterior, que a nossa imprensa continue a dar pouca atenção ou melhor a omitir a Ilha Brava nos seus blocos noticiosos. É de salientar, que a notícia sempre foi e é hoje mais do que nunca um veículo importante para informar e dar a conhecer ao mundo os acontecimentos importantes de uma determinada região ou país, como também avaliar o estado social, económico e humano desse mesmo espaço. E quando a ilha Brava assiste diariamente em espaços noticiosos a cobertura de realizações consideradas corriqueira e irrelevantes em outras ilhas, em detrimento de acontecimentos de muita importância e interesse na ilha das flores, é claro que as suas gentes se sentem intencionalmente descriminadas.

 

Para ser mais esclarecedor sobre esta questão, vou ser mais explícito, narrando o que aconteceu, por mera coincidência, quando na companhia de alguns bravenses durante um convívio, assistíamos on-line uma bloco informativo que de entre outros assuntos, noticiava o desaparecimento de pessoas nas ilhas de Santiago, São Vicente, Sal etc. etc., sem se referir à ilha Brava onde também, nessa mesma altura tinha acontecido a mesma desgraça e que, por desespero dos familiares, amigos e conhecidos como sempre, vieram a tomar conhecimento, do caso por bocas alheias, porque infelizmente essa ilha é normalmente esquecida pelos órgãos de comunicação sediadas no país, com o agravante que, neste momento, o Bravanews, jornal on-line que une Brava ao mundo, transmitindo todas as notícias dessa ilha maravilhosa, encontra-se desactivado.

 

Estou em crer que este caso isolado, tem solução, basta que a nossa RTC meio comunicação social pertença do Estado de Cabo Verde, portanto de todos nós cumpra o dever e a obrigação que lhe é imposta por lei, em criar as condições mínimas para que toda as ilhas deste arquipélago tenha a cobertura jornalística necessária em momento próprio e em tempo útil.

 

Carlos Tavares

 

 

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.