“Desespero” no palco do FESTLUSO 2013

26/08/2013 00:42 - Modificado em 26/08/2013 00:42
| Comentários fechados em “Desespero” no palco do FESTLUSO 2013

fest lusoO Grupo de Teatro do Centro Cultural do Mindelo está no Brasil para participar na 5ª edição do FESTLUSO 2013, festival lusófono de teatro que acontece em Teresina. A ideia do projecto do festival é “atingir um intercâmbio continuado e sistemático, através do desenvolvimento de um projecto que na globalidade da sua actuação, aponta para a aproximação produtiva entre criadores, práticos, produtores e investigadores que utilizam o teatro de língua portuguesa”.

 

O grupo leva para este festival a peça “Desespero”, interpretada pelas irmãs gémeas Rosane Soraia Barbosa e Soraia Rosiane Barbosa. Para o encenador da peça Adilson Spínola, a presença do grupo nesta edição do festival “assume uma grande oportunidade e responsabilidade de representar Cabo Verde com uma imagem positiva junto do povo da lusofonia”.

 

Para o grupo “é uma mais valia estar neste intercâmbio de encontros e experiências entre povos e culturas diferentes que falam a língua portuguesa”. Da participação no festival o grupo já conta com um convite para mais três espectáculos em Fortaleza para apresentar a peça “Desespero”. Esta viagem ao Brasil constituiu a segunda digressão do grupo, a primeira tinha sido em 2010 para participar no FESTLIP, Festival Internacional dos Países de Língua Portuguesa no Rio de Janeiro. Digressões que faz o grupo sentir-se honrado por estar em contacto com outros grupos de teatro da lusofonia.

O festival arranca no dia 26 e vai até ao dia 31 de Agosto.

 

Sobre a peça

 

“Nem toda a ausência é renúncia, nem todo o querer é vontade… Nem toda a luta é estar perto, nem todo o longe é estar longe…”

A peça retrata uma vida abandonada, cujo destino é regido pelo mar.

A peça conta a história de uma mulher que revive as suas memórias e cicatrizes deixadas pelo passado.

A sua narrativa parte, não dos factos, mas das marcas que ficaram no corpo e na alma da personagem. “ANA” embarca pelo mar de lembranças e numa intensa busca pela própria identidade deparando-se com a limitada condição humana.

Um mergulho no inconsciente colectivo de um povo que busca revelar e expressar… que ainda grita e sente na pele dos seus filhos a dor do desespero.

Trata-se de cinco pontos: Partida/Regresso/Amor/Vida/Morte.

Uma abordagem delicada, com o requinte e a subtileza da poesia de Mena Abrantes e Fernando Pessoa.

 

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.