César Freitas Arquitectura apresenta uma visão do Mindelo

21/08/2013 01:44 - Modificado em 21/08/2013 01:44

César-FreitasCésar Freitas, da César Freitas Arquitectura, apresentou aos responsáveis da Câmara, da Assembleia Municipal e também aos eleitos nacionais e regionais um projecto que pretende revitalizar a ilha.

 

Denominado “visão para o futuro e proposta de acções para o presente”, o projecto pretende contribuir para o desenvolvimento da ilha de São Vicente melhorando a qualidade de vida das pessoas. Esta apresentação pública serviu, para além de dar a conhecer os projectos, estabelecer também contactos públicos ou privados para que possam ser materializados.

 

César Freitas explica que possui “uma visão de desenvolvimento para a ilha cujos projectos apresentados, são a parte da concretização dessa visão”. Um dos projectos apresentados e que considera estruturante, é o plano para a Baía do Porto Grande. Com este projecto, a César Freitas Arquitectura pretende reorientar o desenvolvimento da cidade ao longo da Avenida Marginal. “Temos reparado que a cidade está-se a desenvolver para o interior, o que foge à sua vocação e aquilo que é o potencial da cidade e da ilha”, explica César Freitas, acreditando que com o projecto apresentado, a cidade pode ganhar com a optimização da sua própria vocação.

 

Entram nos planos a regeneração urbana do Mindelo com uma sinergia entre a Marginal e o interior da cidade. E a empresa conseguiu identificar algumas prioridades de projectos que podem ser desenvolvidas por iniciativa pública ou privada, ou mesmo público-privada. Não se exclui a importância para a ilha, da Cidade do Mindelo como parte relevante para o desenvolvimento de Cabo Verde.

 

Entre as propostas estão o ordenamento do Porto Grande, a construção de um Centro Comercial, a requalificação da área da CV Telecom e a reconversão da área da Electra, com projectos âncoras para a cidade.

 

César Freitas afirma que há sete anos que estão a desenvolver estes projectos, fruto da observação que têm feito da cidade do Mindelo.

  1. José F Lopes

    Bom já temos um nível de descaracterização da cidade bem importante pelo que todo o cuidado é pouco com novas visões para a cidade. Aquilo que recomendo a esses jovens ou tarimbados arquitectos que não inventem a roda, ficando isolados do mundo fechados em cabo Verde, produzindo ideias brilhantes que depois redundam em ‘pirraças’. Têm que estudar, muito viajar muito para países de arquitectura moderna (Novo Mundo) e clássica (Velho Mundo) e com olhos de ver. Em todo o Sul da Europa (França, Itália Espanha, Portugal) está repleto de modelos de desenvolvimento arquitectónico onde se valorizou o património e a traça original (tirando as zonas ondem os projecto horríveis de torres de betão que transformaram áreas turísticas em autênticos desertos modernos). Nos anos 80 uma jornalista francesa comparava as potencialidades do Mindelo com as da zonas nobres da Cote De Azur que foram preservadas pelo boom turístico. Portanto esta cidade tem uma riqueza intrínseca e não se pode mexer da ca aqula palha sem um plano com pés e cabeça.
    Pois que esta ideia de demolir arrasar o Velho, por exemplo demolir a casa Adriana ou deixar cair de podre o Eden Park, para construir tudo de Novo é uma política nova riquista kitch de que um dia arrependeremos amargamente. Pois o que é que um país tem para oferecer senão a sua paisagem, as suas gentes, a sua arquitectura. As modernices vêm-se em todo o lado e não será cabo Verde o sítio ideal para ver isso. As grandes cidades renovam-se constantemente como é o caso das cidades francesas tentando preservar o coração que projecta a sua história e criando áreas novas modernas, até com aranhas céus desafiando o firmamento.
    Mas um turismo de rosto humano não é o turismo do ‘betão para rebentar’. Por exemplo no caso do Mindelo a requalificação urbana de toda a baixa da cidade (Praia de Bote e toda a área circundante) exigia a preservação do traçado colonial beneficiando as casinhas que podiam ser trunfos para a ilha no quadro de um turismo de qualidade, animação cultural da cidade, animava a economia da ilha, e daria emprego a muita gente etc. Portanto a revitalização urbana de Mindelo deve ser um problema político (talvez inserido no âmbito do debate público sobre a regionalização ocorrendo na Ilha e o futuro da mesma) não podendo mais cair do céu ou de boas intenções.

  2. Varredor

    Onde está o projecto? Onde posso ver este projecto?

  3. Mindelo

    Que Ridículo. Esse César não aprende e cada vez mais a passar por uma ignorância de como as coisas têm os seus trâmites normais.
    Além do mais, sabe-se perfeitamente que o Próprio Arquitecto César não tem especialidade nem curriculum para um projecto desse calibre. Ou seja, não possui nem a especialidade de Urbanista e nem nunca elaborou um plano urbanístico em toda a sua carreira profissional. Espero que a CMSV não caia na ladainha desse oportunista incompetente com ambições desmedidas.
    A Camara se quizer mesmo a nossa ilha ordenada, que faça um concurso e sim os Gabinetes competentes concorrem para apresentarem propostas.
    Toma Juizo Sr. Bota.

  4. Ariana Rodrigues

    Totalmente de acordo com o Sr. José F. Lopes que, de forma clara e objetiva, elucidou a questão de revitalização urbana da pacata cidade do Mindelo. Aproveito para sublinhar que não podemos “apagar” a nossa historia e o patrimônio histórico material ou imaterial é precioso e que deve ser preservando, passando pelos vestígios arquitetônicos colonial e dos ingleses, bem como pela nossa língua portuguesa. Caboverdeanamente …

  5. Cândida Leite

    César, onde estiveste antes de deitarem abaixo o Fortim, a Casa Adriana e o Cinema Eden Park?
    Não estou a fazer como muitos que criticam por criticar. Critico os que não se aderem a grupos constituidos e se lembram de constituir mais outro grupo. No entanto, boa sorte e que sejas ouvido, quanto mais não seja, pela Câmra Municipal que continua a não fazer o seu dever

  6. Almeida

    é de louvar esta iniciativa, que demonstra um ato de cidadania.
    Mas a ideia de construir um grande centro comercial pode traduzir num grande erro. Dado que pode constituir um golpe rude para o comercio tradicional, alias existem bastante cidades de países mais desenvolvidos que tem vindo a abandonar a ideia centros comercias = desenvolvimento. Cidade do Mindelo ja é um mega centro comercial ao ar livre precisa é de ser dinamizada envolvendo todos os sanvicentinos nesse processo.inovar

  7. Almeida

    Certíssimo Sr. Jose F. Lopes.

  8. José F Lopes

    Já agora e terminando, Senhor arquitecto o que é que pensa da notícia colocada aqui ao lado neste jornal:
    ‘Bilheteira do Éden Park transformada em lixeira’
    A verdadeira visão para o Mindelo deve começar por desmascarar a política de abandono da ilha e da descaracterização da sua cidade

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.