Força africana já está instalada na Guiné-Bissau

30/05/2012 07:51 - Modificado em 30/05/2012 07:51

Uma força de militares e polícias que os países da África Ocidental enviaram para a Guiné-Bissau, na sequência do golpe de Estado de Abril, instalou-se no campo de Cumeré, 35 quilómetros a norte da capital.

 

O desembarque de cerca de 600 elementos, maioritariamente nigerianos e senegaleses, foi concluído no domingo. “Os nossos efectivos estão instalados”, confirmou à AFP um responsável da CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental).

 

O passo seguinte, que terá começado ainda nesta terça-feira, é a saída do país da Missang, missão militar angolana, que esteve no último ano na Guiné. “Pode demorar quatro a cinco dias”, declarou Ansumane Ceesay, representante da CEDEAO em Bissau.

 

Os militares que afastaram o primeiro-ministro e vencedor da primeira volta das eleições presidenciais, Gomes Júnior, e o Presidente interino, Raimundo Pereira, justificaram o golpe com um alegado acordo entre o chefe do Governo e Angola para aniquilamento das forças armadas da Guiné. O efectivo angolano, objecto de informações contraditórias, foi quantificado entre duas centenas e as seis centenas de militares.

 

Após o golpe, por acordo entre a CEDEAO, golpistas e partidos da oposição foram nomeados um Presidente, Serifo Nhamadjo, e um designado Governo de transição. O PAIGC (Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde), principal força política do país, liderado por Júnior, e a generalidade das organizações internacionais reclamam o regresso do Governo constitucional.

 

Um ex-chefe das Forças Armadas, Zamora Induta, um ministro e o presidente da comissão eleitoral, que estavam refugiados nas instalações da União Europeia em Bissau e, no fim-de-semana, saíram para a Gâmbia, via Casamansa, estão sob custódia das autoridades deste país.

 

Induta, afastado em 2010 por António Indjai — considerado o líder do golpe do mês passado —, Fernando Gomes, que ocupava a pasta do Interior, e Lima da Costa, que conduziu o processo eleitoral, “estão retidos por razões de segurança e prestes a ser ouvidos”, disse à AFP um porta-voz do Ministério da Imigração.

  1. FF Rotcha Nú

    Dess bes GOLPISTA panha mau, embora com algum apoio da Org.Regional, CVerde deveria aproveitar desse embrogleo e pedir a sua retirada da CEDEAO!!!!!!!!!!!!!!!

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.