Manifestação para enterrar os problemas de São Vicente

5/08/2013 00:13 - Modificado em 5/08/2013 10:23

ponto de fugaO Ponto d’Fuga organiza no próximo dia 9 de Agosto uma manifestação tendo como objectivo os problemas e as soluções para a ilha de São Vicente. Isto porque, segundo o grupo, a situação da ilha continua na mesma e é necessário que as pessoas reajam e mostrem o que é preciso fazer para mudar.

A marcha, como explica  Deluca, membro do grupo Ponto d’Fuga, será silenciosa e será um espaço de reflexão. E pede para que todos saiam à rua e participem para que possa existir uma mobilização igual àquela feita à volta da selecção nacional de futebol. “Queremos que todas as pessoas saiam à rua e mostrem, através de uma camisa branca ou preta, o sentimento que têm pela ilha”.

As cores da camisa prendem-se com a intenção da manifestação, ou seja, o enterro dos problemas da ilha. A concentração será feita na Rua 1, em Monte Sossego e seguirá para Ribeira Bote, Avenida Invicta, passará por Cruz João Évora até Fonte de Meio.

No Madeiralzinho no espaço em frente do Mural de São Vicente registar-se-á um dos momentos mais importantes. Neste espaço, vão ser enterrados os cartazes com os dizeres dos problemas da ilha, ao mesmo tempo que serão retiradas as propostas de soluções para São Vicente. E com as soluções, a marcha vai prosseguir até à Praça Dom Luís. Este acto de enterrar e surgir com novas soluções, como retrata Deluca, é a esperança que todo São Vicente possa entrar numa nova fase.

“Vamos dar voz a São Vicente que tem tido pouca reacção tanto do Governo como da oposição e vamos tentar fazer com que a voz do povo chegue à Assembleia Nacional”. Durante a manifestação, um manifesto estará em circulação para recolher assinaturas do máximo número possível de pessoas, para ser enviado à Assembleia Nacional.

O grupo está a trabalhar na mobilização de pessoas através de flyers, facebook e contactos porta-a-porta para que muitas pessoas possam aderir a esta manifestação. E o grupo explica a importância das pessoas estarem presentes para que se possa sentir a força do povo mindelense e a necessidade de uma mudança para o bem da ilha.

 

 

  1. LUIS GONCALVES

    …QUANDO SANVICENTE EH MOTIVADO PARA UM IDEAL,OS SEUS SE ABREM E CABOVERDE VENCE.SE NO PASSADO FOI ASSIM, HOJE TB EH, E SERA SEMPRE ASSIM.O POVO SEMPRE VENCE…SANVICENTE VENCERA…EU AMO ESTA ILHA…GOD BLESS NHA ILHA

  2. LUIS GONCALVES

    …ERRO GRAFICO ….OS CEUS SE ABREM..

  3. Não compreendi bem essa mensagem da manifestação. Porquê enterrar os problemas de S.Vicente e retirar as proposta da ilha se eles existem. Eu não concordo com a mensagem, está muito esquesito seria melhor pensar noutra coisa positivo.

  4. boby

    enterrar os problemas de S.Vicente e so com regionalização mais nada……..

  5. Anónimo

    Muita metamorfose nesta terrinha de Soncente: já foi Grupo Monte Cara (cadé txes desgraçodes?), já foi Unidos por S. Vicente, agora vem ste nome esquisito: Ponto d’Fuga. É mesmo pponto de fuga para fugir. Cambada de desocupados….. Só para animar a malta. Pudera! Soncente ne capital de kultura!! ihihihihi

  6. Aldo

    Sanvicenti ka ta existi. ki ta existi e CABO-VERDE. nu ten un bandera so,e nos e un povo so.nu ten ki manifesta contra o governo,mas nao pa 1 ilha.Cboverde e 10 ilhas,e uma bandeira.viva nos ilhas

  7. Laginha

    E o terrorismo ambiental que estão fazendo na Laginha!! Falta de respeito, no auge do verão, no local onde os sanvincentinos se refugiam do calor para fazerem tamanha barbaridade. Para depositarem a areia que a Enapor não precisa, enganando-nos que é para ampliar a praia.
    Falta pouco para agredirem Monte de Cara!! Esperem para ver. Mas nem assim. Soncent sempreeeeeeeeeeeeeee

  8. Lídia de Brito

    O problema de São Vicente somos nós os sanvicentinos. Senão vejamos: nós, sanvicentinos, vamos para a Praia trabalhar, porque infelizmente eles continuam a ditar as regras nesse jogo desigual de poder para o direito de ter um trabalho remunerado, e esquecemos na semana seguinte de onde viemos e até falamos mal da ilha que nos viu nascer; nós sanvicentinos, armados em elite e nata dos intelectuais, avaliamos as pessoas que se candidatam a um emprego por “quem é a tua gente? és filho(a) de quem?”..

  9. Lídia de Brito

    Nós sanvicentinos, ditos intelectuais, ficamos todos felizes quando os senhores governantes nos dizem que para nós o que é bom é festa: somos uma ilha apenas para diversão e festa, de festival em festival, de carnaval em carnaval, noitadas e mais noitadas de paródias, prostituição de toda a espécie (intelectual também!), afinal isso é cultura e morabeza da ilha! Então queremos fazer manifestação para quê se não queremos mudar o

  10. Lídia de Brito

    (cont.)status quo?

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.