Nove meses para um acordo de paz israelo-palestiniano

31/07/2013 12:36 - Modificado em 31/07/2013 12:36
| Comentários fechados em Nove meses para um acordo de paz israelo-palestiniano

Kerry Israel Palestina AcordoSecretário de Estado dos EUA anuncia prazo para as negociações entre israelitas e palestinianos. “Não temos muito tempo”. “Não há realmente muito para falar”, brincou o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, no início do jantar que na segunda-feira juntou israelitas e palestinianos para as primeiras conversações formais desde 2010. Kerry anunciou que espera que os dois lados cheguem a acordo num prazo de nove meses. “Não temos muito tempo”, sublinhou.

 

As primeiras discussões centraram-se em questões como o formato, calendário e localização das negociações. Ficou marcada uma segunda reunião dentro de duas semanas, a ter lugar em Israel ou na Palestina.

 

Ontem, os representantes israelitas (Tzipi Livni e um conselheiro do primeiro-ministro) e palestinianos (Saeb Erekat e um conselheiro do presidente) foram recebidos, na Casa Branca, pelo Presidente, Barack Obama.

 

Kerry tinha pedido a ambos os lados que refreassem as declarações públicas sobre as negociações. No entanto, tem havido discórdias públicas desde logo sobre o timing e a sequência das discussões – Israel quer todas as questões faladas ao mesmo tempo, os palestinianos querem começar com fronteiras e segurança. E ainda na segunda-feira, Mahmoud Abbas, o líder da Autoridade Palestiniana, falou de uma das suas expectativas para um acordo: “Numa resolução final, não vemos a presença de um único israelita – civil ou soldado – no nosso território.”

 

Mas Kerry não desanima. “Se fosse fácil, já o teríamos feito há muito”, concluiu.

 

Vozes pessimistas sublinham os perigos, em especial a oposição interna de ambos os lados: os colonos em Israel (qualquer concessão territorial determinará a oposição de um partido na coligação do Governo e assim a sua queda) e o Hamas no poder na Faixa Gaza. Mas também há vozes optimistas, dizendo que toda a turbulência no mundo árabe e o desejo dos líderes deixarem a sua marca na História poderá levar a resultados.

 

 

dn.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.