“Africanos no Mindelo” : discussão “acesa” por parte dos internautas

31/07/2013 07:21 - Modificado em 31/07/2013 12:12

facebook5A reportagem “Africanos no Mindelo” trouxe a tona o problema da integração dos emigrantes de originários de África, e a descriminação que podem sentir durante a sua estadia no Mindelo, ou qualquer parte do país. As afirmações dos entrevistados evidenciam o racismo sofrido por estes emigrantes. Nas redes sociais o artigo tem sido alvo de “discussão acesa” por parte dos internautas sobre a verdadeira dimensão do racismo sofrido pelas emigrantes da África continental, o nível de racismo que pode caracterizar o povo mindelense e cabo-verdiano, assim como a verdadeira identidade do povo destas ilhas, e associam ao debate a necessidade de uma melhor educação para evitar estes problemas.

“Nosso povo é o povo mas misturado do mundo, e mesmo assim tem ignorância suficiente para criar ambientes de racismo”, escreve um internauta que mostra-se incrédulo com atitudes racistas que existem. As formas de racismo para com os nativos africanos são amplamente condenadas nos comentários dos leitos do NN. “ Claro que temos que criar essa capacidade de eliminar esse sentimento racista”, escreve outro internauta mas como avança “sem escomateamento”, já que confessa ser alvo de racismo dos emigrantes africanos. “Somos uma nação aberta, inteligente, de pele negra, de gente bonita, lutadora e sobretudo AFRICANA! Então, se somos todos iguais, todos irmãos, para quê inferiorizarmos uns aos outros?”, é a questão deixada no ar por um leitor do NN.

 

Ao que é evidenciado a disposição geográfica de Cabo Verde não tem ajudado a criar uma mentalidade aberta. “Cabo-verdianos precisam de viajar, conhecer outros povos, outras culturas, porque conhecimento é lastimável!”. Alerta para a necessidade de uma melhor educação para melhorar a atitude em relação aos emigrantes. “Sinceramente acho que parte disso começa na educação, na escola aprendemos que Cabo Verde não é África, mas o fato é que somos todos iguais”, escreve outro internauta alertando para que possa aprender mais sobre o continente e os seus costumes nas escolas.

 

Mas existem os que acham que não existe descriminação por parte dos sanvicentinos e questionam : Perguntem aos povos da costa ocidental da Africa ,que se reclamam de ser o berço da negritude , o que pensam dos mulatos , perguntem aos mulatos na Guiné com são tratados pelos mandjacos , fulas e papéis , assim ficam a saber o q é descriminação , depois não entendo porque é que um mandjaco fica ofendido de ser chamado de mandjaco ,eu n fico quando me chamam de crioulo”

 

 

E a sugestão é que se Cabo Verde fizesse fronteira com a África continental não teria estes tipos de problemas porque teria uma “mente aberta”. Um exemplo da afirmação acima é demonstrado por uma internauta depois de uma viagem realizada ao Senegal. Conta que teve um choque com Senegal não por causa do país mas com a sua pessoa “ por ter feito uma imagem tão negativa de Senegal e talvez da África negra” e aconselha que os cabo-verdianos devem sair da sua área de conforto e observar melhor a nossa volta”

Mas de todo o quadro feito outro comentário postado alerta para ver o outro lado da moeda. “Quem emigra/imigra tem que respeitar a cultura e sociedade do país de escolha”. Fala não a actividade que desenvolvem mas a forma como abordam e insistem com as pessoas nas ruas para adquirir os produtos que vendem.

Depois de toda a discussão é deixado o convite. “Aos meus conterrâneos e imigrantes! Abracemo-nos e recebamos os imigrantes em nossa terra pois somos um povo emigrante, por África, Europa, América, pelo mundo. Sempre dissemos que outros nos discriminam. Não cometamos o mesmo erro. Estamos juntos!”

 

  1. ouvinte_s.vicente

    Pelo que fizeram com os nossos patricios na Guiné Bissau , seja o que for que fizeram, vou ficar com mais raiva ainda do povo da africa em cabo verde principalmente aqueles que vendem drogas.

  2. Pedro José Lima

    O mestiço, por ser infefinido (sem raça) é mundialmente conhecido por ser “racista”. Mas por mim (e não sou o ùnico a dizer) é antes uma forma de se defender.
    Aos “continentais” que reclamam digo-lhes que o problema deles é o mesmo dos mingrantes na Europa: – Não querem adptar-se. Querem que os nativos sejam como eles. P.e.: na terra deles as mulheres não podem conduzir e na Europa quem conduzir com a cara tapada.
    Por mim não hà problema se se adaptarem à nossa vivência.

  3. Severino Manuel

    O que vi na sondagem nesse online, é uma vergonha… A esmagadora maioria dos que votaram nessa sondagem, afirma que os Mindelenses não são Africanos. Que vergonha! Na qualidade de Mindelense, sinto-me profundamente maltratado com essa forma de pensar das pessoas – pessoas que estão a votar. Se bem que, é um nº ínfimo, em relação a população real desta Ilha. Contudo, não deixa de ser vergonhoso…

  4. Mira

    Acho k esses imigrantes é k tem k se adaptar aos nossos costumes, tradições, aprender a lingua, e respeitar a nossa cultura. Na zona do Madeiralzinho ha um sapateiro imigrante k se chama Dani, ele é uma pessoa excecpional, simpatica e sempre com um sorriso no rosto. Adaptou-se perfeitamente a Sao Vicente.

  5. JOHN-MAR AZUL

    Pelo que vejo na sondagem, a inteligencia existe ainda na ilha de S. Vicente, por isso mesmo deixem África para os mandjacos, e Cabo Verde para os Cabo Verdeanos. Bom e bonito!!! Quem quizer ser mod a africano pode ir para a Praia ou melhor ainda lá para Guiné!!!… Aqueles papagaios que falam de áfrica e africanos nunca lá estiveram a nao ser via novela!!…

  6. maria da luz lima

    caros amigos !!!!!!!!!!
    sou uma caboverdiana que vive fora,e o que se passa entre nos e os africanos é uma questao de integraçao,Nos nao podemos esquecer que temos a nossa lingua , a nossa cultura,a nossa tradiçao,os nossos valores, mas, que os africanos tambem tem as suas.O que quero vos dizer que nao so eles tem de adaptar a nos como nos tambem temos de adaptar a eles,respeitando a cultura deles,tentando-se compreender uns aos outros,respeitando os direitos uns dos outros,abrindo uns aos outros

  7. Cândida Leite

    A pergunta sobre se o mindelense se consira ou não africano està mal feita.
    O mindelense não quer ser tratado como o continental o que é uma realidade. E se puserem a pergunta se é europeu, cabo-verdiano ou africano verão o que vai sair.
    Ê estùpido mas é assim

  8. Os africanos tem um comportamento diferente do povo de cabo Verde que e vender merda para para projudicar o povo caboverdiano.
    Nao solos europeus nem africanos somos um povo caboverdiano que luta para o seu sobrevivencia,e mais nada ponto final.

  9. UVID IMPE

    SR SEVERINO MANUEL BOÇE KRE SER AFRICANO,SIMPLES VIVE MODA EXE(CME K MOM,LIMPA POLPA K MOM,TRAFICA DROGA,VENDE GENTE,FAZE CIRCUNCISÃO NA BOCHE FILHA,FAZE GUERRA E MATA TXEU GENTE,TXERE SUOR MODA SE Ê UM BITXE MORTO,XIXI NA RUA SEM RESPEITO MA MENINOS OU GENTE + VELHOS,FALSIFICA MOEDAS,BURLA GENTE,CONVERTE A SEXE RELIGIÃO ETC,,,),ESSIM BO SINTI + AFRICANO…MIM Ê CABOVERDEANO E + NADA UM NASCE LI UM T MORRE LI MIM KA TEM NADA HAVER K AFRICA…

  10. Carlos Jorge Wahnon

    Uvid impé, Bo É DAKEL BOM!!!!!!!!!!!!!! FORSSA MAN!!!!!!!!!! FORSA SONCENTE!!

  11. dercy

    acho que o problema esta mais na dificuldade que eles tem de adaptar a nossa cultura, nao conseguem se integrar na nossa sociedade, porque querem viver da forma como eles viviam nos seus paises, e isso gera toda essa situaçao de desconforto e descriminaçao. primeiro eles tem de mudar as suas atitudes, e so depois reenvindicar os seus direitos. não podem chegar aqui e impor a cultura deles, mas sim aceitar a nossa, se sao descriminados pelos caboverdianos, eles tb tem parte de culpa

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.