Africanos no Mindelo

30/07/2013 00:13 - Modificado em 30/07/2013 00:28

NocheA integração dos nativos do continente africano na cidade do Mindelo traduz-se num problema social que se observa a olho nu: existe uma fraca dinâmica social (saudável) entre crioulos e nativos africanos. Um distanciamento que se sustenta na discriminação racial sofrida por esses imigrantes.

“Um homem negro (desconhecido), visto na sua mais simples forma, com a cor da pele servindo de suporte de leitura que dita o carácter e a essência de quem é. É assim que somos vistos: como se não tivéssemos conhecimentos, se não fossemos seres com inteligência, como se fossemos indivíduos despersonalizados, provindo de tribos que vieram para cá em busca de melhores condições”, explica o ganês David Kwame Amoako.

“A discriminação é sentida em vários lugares, por exemplo, pela expressão com que nos designam (mandjaco), nos transportes públicos, na forma como nos tratam, até em arrendar uma casa encontramos alguns transtornos”, conta o presidente da Associação de Imigrantes Senegaleses Mamadou Ndao.

“Somos mal tratados pelos cabo-verdianos. Já me mandaram ir para a minha terra, já me chamaram de negro. Estou aqui para trabalhar, porque no Senegal é difícil arranjar emprego. Há muitos cabo-verdianos na minha terra, mas eles vivem com dignidade, são tratados com respeito, porque somos todos iguais”, desabafa o jovem Khadim Thiaw, natural do Senegal.

“O Povo de Cabo Verde não conhece a África”

A descriminação racial sofrida por estes imigrantes deve-se, nas palavras de Mamadou, ao facto dos cabo-verdianos desconhecerem o continente africano. “Nada sabem da África, nada sabem das nossas vivências, nada sabem da nossa cultura, da nossa identidade”. Explica que esta separação entre africanos e cabo-verdianos se deve, de entre outros factores apontados, ao posicionamento geográfico do país. “Se existisse uma fronteira directa entre Cabo Verde e o Oeste africano haveria mais comunicação”, explica Ndao lembrando que os próprios meios de comunicação acabam por “aumentar mais” esta lacuna existente com “a forma negativa como divulgam a imagem do continente”.

“A elevação da essência do continente depende também da educação”

A África é um continente desconhecido aos cabo-verdianos, “mas o Governo tem a sua quota-parte de responsabilidade, porque não promove actividades para estabelecer ligações entre a África e Cabo Verde. Para além disso, quase que não ensinam a história da África nas escolas. É necessário inserir nos currículos escolares conhecimentos sobre a África que expliquem aos mais novos a essência do continente: o seu valor, como vivemos, a riqueza cultural existente. Só assim é que se poderá reverter esta situação no futuro”, sublinha Mamadou Ndao.

“Nós continuamos a ser escravos: escravos mentais”

David diz que a questão da discriminação racial não é um problema só dos cabo-verdianos: “há em todo o lado, inclusive no seio dos próprios negros”.

“A Europa sempre inferiorizou o continente africano, sempre viu os nativos como escravos e nós, os africanos, aceitamos essa condição. Nós precisamos de gostar de nós mesmos, mas não gostamos, porque os brancos inferiorizaram os negros de tal maneira que até hoje existe este mal-estar, esta falta de aceitação da condição racial entre os próprios negros. Nós continuamos a ser escravos: escravos mentais de uma consciência identitária que se autoinferioza. Nós não nos aceitamos enquanto negros. Não é só um problema de Cabo Verde”, explica David. No entanto, adverte que “precisamos de nos levantar, precisamos de nos autolibertar. Temos que tomar consciência da nossa identidade e elevar a nossa cultura, porque só assim o negro terá o respeito que merece, só assim poderemos viver com dignidade”.

 

  1. Sem demagogia eles não trazem nada passam a maior parte do tempo sentados em baixo das árvores a importunar as pessoas a perguntar se tem ouro para venderem.

  2. Jandira

    Concordo em pleno com Strela Da Mata. Triste sina a nossa. Nao nos aceitamos como AFRICANOS que somos e os Europeus e Americanos nao nos aceitam como sendo um deles. Ou seja Europeus ou Americanos. Os nossos manos de Africa que até gostam de nos, menosprezamos. Por pura ignorancia. Que temos nos mais do que eles???? NADA!!!! pior, nem sequer temos origem certa. Perdao, mas a verdade é esta. Se conhecessemos melhor o Continente , as suas gentes, a forma de pensar destas gentes…PENA!!!

  3. Jocilene

    É uma pena toda essa tamanha ignorância por um povo que é um dos nossos, submetendo aos europeus por hipocresia desprezando aquele que é nosso.Não sejamos mais ignorantes ……………não somos melhores que eles nós tambem queremos melhores condições de vida

  4. Bom andei lendo esse comentario e acho que a historia não é bem assim . vive muitos anos na ilha do sal onde se concentra a maior população africana(nigerianos, ganeses, guinienses e pessoas de serra Leoa.convivemos e sempre nos damos bens com eles principalmente os de serra Leoa e os da guine são como os caboverdianos são mais abertos e são boas pessoas convivia mto com eles.os outos são mais fechados e são mais dificeis de conviver.

  5. Naiss

    A própria Camara Municipal cedeu um espaço para os imigrantes se reunirem que diz: “Espaço de convivio para os Afro Descendentes”! Está lá na Alfandega Velha e eu costumo questionar-me se NÓS tambem não seremos Afro Descendentes!

  6. HL

    Que descriminação? Eu conheço senegaleses que estão trabalhando na Educação, na saúde e que são profissionais que são acarinhados e respeitados pelos seus colegas e a população em geral. Agora como é que se vai respeitar alguém que esta nas ruas e muitas vezes a importunar as pessoas, ou em actividades ilícitas. como a droga e outras mais. Estamos a falar de pessoas que passam por comerciantes e que estão dispostos a a fazer qualquer coisa para enriquecerem, sem escrúpulos e tentando burlar todos

  7. Josimar da Cruz

    Sinceramente nos Cabo-verdianos é bons racistas k nos irmãos e dpos no t bem fca t da p santim..discriminação t cmeça des a muito e sem esquecer k comunicação social tem se cota parte tb ne influências raciais. No devia pensa e comporta de maneira diferent pk nos tud é humanos nos tud é semelhantes, e enquanto nô continua t discrimina ques de nos raça nos tud tbem ser discriminod. Oke k t tchem trist é uvi mut criol t fala de nos irmom de africa continental t discrimines, ( nos tud é d africa).

  8. Carlos Jorge Wahnon

    Tud mandjack qe ca ta sab li na Soncent podé ba pa Praia, e sés ca ta gostá de Praia, és podé ba de volta pa ses terra pa mod ningem mandás bem pra li!!! Mandjacjk ca ta tchá falta na Cabo Verde até pa mod já no tem badiu á vontad!! És tem é abuze demás ness terra!!! Dá milha, pa mod tud criol na mund é conhessid como trabalhador e lutador na Vida de forma honest e limp. Já mandjack nem nas sés terra cré trubaiá…. VIVA SONCENT!!!!!

  9. Da Rosa Vany

    N Soncente no t lembra k nox é Africano é so n Carnaval é “Mandiga” d’li “Mandinga” da la, no t pinta d’oleo d corre, no t bsti saia d soc. Se no t gosta tonte d “Mandiga” no começa t interagi mas ques imgrante pq maioria desh é “Mandinga” e nao “Mandjaco”!!!!!

  10. Kalu

    sou Cabo verdeano,andei quase toda a Africa,pois sofri racismo em varias paises,pois sou Mulato e para varias etnias Africanas os mulatos nao pertecenm nehuma raca.O primeiro racista sao os negros,pois tem complexo da sua cor negra e depois fica ai escondendo atraz deste muro.Mas deve ter atencao ao dizer que os Cverdeanos nao conhecem africa,eles tambem nao conhecem a nossa historia e nunca nos compreendera .

  11. vania

    es te ba pe cabo verde espia ses vida moda cabo verdiane tbm te faze pe mundo fora tem mas cabo verdiane fora cv do k dente cv ,,,,fogo ses te vive mal passa mal ke no ca te das opurtunidade ne nox terra ,,,,fogo es é gente moda nos no para kes cosa ,,,,,moda »no» te maltratas ne os terra tbm no pe pagal na pel tbm ne terra gente #ficadica#

  12. Sara

    Realmente nós cabo-verdianos é racistas ku nos propia raça…
    Na europa ou na America nu tem coragem de fla ma nu ta sufri racismo?
    Cabo verdianos é bando de puxa sacos de brancos ki ta trata negro moda um lixo, mas també si nos africanos nu tem preconceito ku nos raça, ku nos continente imagina pessoas de países fora de africa.

  13. Pedro Barbosa

    Mete memo nojo. Quando eh que Cabo Verde deixou de se situar na costa de Africa?
    O Norte-Americano de Origen Africana orgulha-se de ser Afro-Americano memo sendo natural dos EUA; mas o caboverdeano nascido num pedaco de terra que por erupcao vulcanica se separou do resto de Africa nega ser Africano. Eh triste e humiliante para que se orgulha de ser caboverdeano.

  14. kekê

    É lamentável. Nós Cabo Verdeanos, reclamamos que somos vítimas de discriminação!
    Acabamos por fazer a mesma coisa e pior, junto da nossa raça…
    Haja bom senso para nós!

  15. abram a pestana

    ca nhos abri odju cabboverdianao ma nhos ta panha mau

  16. Mário Dias

    Essa mania de viver e pensar a branco nos mantem ainda na condição de escravos e so nós mostramos senhorio diante de um MANDJACO,que nos deram um pouco de tudo,ex.a Indepêndencia Nacional e os primeiros quadros da função Pública.

  17. Silvério Marques

    O grande problema é que Cabo Verde é pobre para ser um país de emigração. Um deles diz : ” No Senegal é difícil arranjar emprego “. E em Cabo Verde é fácil. Comparem as riquezas de Senegal com as de Cabo Verde. Onde é possível arranjar mais facilmente trabalho por conta própria ? num país rico ou num país pobre como Cabo Verde. Ele procuram Cabo Verde com objectivos que depois não se realizam. Este africanos aceitam ganhar 15.000$00 por mês para alimentação, alojamento, saúde e higiene. Chega ?

  18. Silvério Marques

    Na Praia vivem ás dúzias numa mesma casa ou então na rua. Isto é vida digna ? Por mim eles procuram Cabo Verde á procura de riqueza fácil e depois chegam á conclusão que afinal este país é mais pobre do que julgavam. Depois vem todo o resto. Devo dizer que Na costa ocidental africana há poucos cabo verdianos. Os do Senegal emigraram há muitos anos. Na Guiné Bissau idem. Na Guiné Conakry há cabo verdianos que foram investir. Na Serra Leoa não há. Idem Gâmbia, Libéria, Gana e Nigéria ou Camarões.

  19. paulo duarte

    sinceramente, quem descrimina geralmente são aqueles que tentam superar as suas falhas, fracassos, e refugiam na discriminacão, racismo para auto superarem. o que é uma autentica burice!!!! a educação e o respeito pelos outros é a maior vertude de um ser sociável!!! nhos dexa de bacandeça, cre o nhos ca cre nos tudo é africano. ami é caboverdeano de cor de pele clara, más n tem orgulho de ser africano e de ser chamado de preto ou mesmo negro em qualquer parte do mundo!!!!

  20. some off his gripe is true but he said they go to cv. for work! there is no work for capeverdeans. if you not happy go home!!!!

  21. Silvério Marques

    Na Costa do Marfim há uma emigração muito antiga. Vejam esta situação do ponto de vista económico e não pelos resssentimentos que pessoas, que sentem uma grande e natural frustação pelas rudes condições de vida que têm de suportar. O pior disto tudo é que na terra deles há quem os engane e cobram um balúrdio para os fazer chegar a Cabo Verde, contando com dinheiro fácil. Por exemplo, no Sal a prostutuição é feita pelas nigerianas. É HORRIVEL. ESTA É A VERDADE DE UMA EMIGRAÇÃO QUE NÃO SERVE A NIN.

  22. os senegaleses vivem a imagem deles,porque vivem em facatruas aqui em cabo verde.

  23. aldita

    eu sou cabo verdiana africana i orgulhosa de ser filha africa.africa my heart

  24. stancha

    A própria matéria já vem carregada de preconceitos , o simples fato de designar e diferenciar essas pessoas de africanos nativos já expressa uma segregação , pois parece que nāo somos africanos nativos da mesmíssima forma que os emigrantes do nosso continente que vivem em Cabo Verde.

  25. viajado

    Mesma historia de sempre na tudo lugar…cada qual luta pa defende si cabeca.

  26. ….Gostei da parte onde se diz qui nos caboverdianos nao soubemos nada da Africa,pura verdade, nao nos ensinaram na escola,

  27. Jam fla

    We are all black Africans. The discrimination is economic and not racial. Please people get a grip.

  28. kwame Kunde

    Cabo-verdianos e ka so pobre di requeza nau…E tambe pobre di espirito. Por isso nu ta kontinua sempre si, miseravel, ta stendi mo pa branco ki no fundo ta usamos y dipoz ta disprezanu. HAJA VERGONHA. Noticia en si ten tambe un cariz racista, discriminatoria, afinal Mindelo e Brasil ou Cabo Verde?

  29. kwame Kunde

    Spera moderason ? Di quenha, di kez analfabetos ki ta screbe nhoz noticia? NHOZ BA MOKA NHOZ MAI

  30. caboverdiano e mesmo racista principalmente, sampadjudos pamode nta vive na portugal, nta vive num bairro ki ta mora mas sanpadjudos, esta dispresa nos ke badiu,esta ngraxa brancos, nos tudo e kel me,nu ama nos prosimo.

  31. maria

    sou caboverdeana nasci em são vicente até aos 10 anos de idade.vivo há mais de trinta anos em portugal e infelizmente senti na pele atitudes racistas, quando aqui cheguei. por isso tenho a lamentar a atitude das pessoas de são vicente.
    é por causa destas atitudes mesquinhas de gente com pouco ou quase nada na cabeça que o mundo está como está. de um branco para um negro já é triste mas de um negro para outro é repugnate.

  32. amiga

    Sr. Carlos Jorge quanta ignorância!
    Eu pergunto e voce será que já se esqueceu com ganhou a vida durante muito tempo?
    Voce eo seu irmão!
    Tome muito cuidado com os seus comentários!

  33. Abigail

    O próprio título do artigo, sugere discriminação. Está “na veia” a atitude discriminatória dos Caboverdianos que se julgam superiores.
    Será que MINDELO….CABO VERDE…não é ÁFRICA?

  34. Pe di pitxoca

    Caboverdianus e tao racistas i maus.Qi dja cumesa mata cunpanheru .Ta bendi carni.

  35. flordaluz

    A DISCRIMINAÇAO É CARACTERISTICA DAQUELES QUE PRENDEM ELES MESMOS ATRAZ DE RAÇA,COR,RELIGIAO,CLUBISMO E OUTRAS MANIAS QUE INVENTAMOS PARA NOS DIFERENCIARMOS UNS DOS OUTROS,ISTO É CADA UM QUER SER MELHOR DO QUE O OUTRO ,SE ACHA MAIS BUNITO DO QUE O OUTRO MAS MINHA GENTE TUDO ISSO É O QUE NOS SEPARA E NAO DEIXA-NOS SERMOS IGUAIS;NINGUEM PEDIU PARA NASCER ONDE NASCEU OU SER FILHO DE QUEM É, POR ISSO SEJAM O MAIS NATURAL PUSSIVEL E DEIXEMM A NATUREZA TRABALAR…UM BEM HAJA A TODOS ..

  36. tavares

    Bem Triste, Então Os Caboverdianos são europeus ???? pergunto estão a dizer Africanos no Mindelo ???? Um Povo sem Cultura e sem a Identidade ! bem burros todos vocês são africanos pah

  37. CV di hoji em dia

    Gent de son cent e tud racista. es ka gosta nen di badiu ki fari di mandjaku, kel noia la ta contici so na SV. na praia tem mas pokin.

  38. criola

    Concordo c HL e Kalu. Eles se fazer sentir discriminados e dp é culpa dos outros . Por acaso eses nossos irmãos do continente tb conhecem cabo verde?pq ofender tanto c designeção MANDJACO? Por acaso todos os asiaticos s ofendem com designação CHINES? Antes de virem p cabo verde procuraram conhecer a nossa cultura e nossos costumes para verem s adaptavam bem? Conseguem mudar a nossa historia? foram colonizados p ingleses, franceses, … e caboverde p portugueses e tivemos sorte d ser menos escravo

  39. criola

    cabo-verdiano é racista como qq outro povo, inclusive o africano do continente tb é. por isso os comentários q estão a falar mal de cabo-verdiano não tem nenhum sentido. TEMOS DE LUTAR CONTRA O RACISMO? TEMOS. Mas tb temos de ser coerentes e os nossos irmãos, negros ou brancos tb teem de ajudar com a parte deles. de certeza q os caboverdianos na africa continental tentam inseriri nesses países com respeito para o povo natural e adaptar e respeitar a forma de vida, cultura e costume desses povos.

  40. Africano de origem

    Racismo existe na tud parte de Mund,ma kel di Caboverde é di mas.Ma un kusa Caboverdianos ten ki Sabé ma 75% di Caboverdianos sta fora di Caboverde,I la undi kez sta la i ka caboverde,la i terra di Gent i também pa ez po un kusa na cabeça UM PAIS KA PODI DISENVOLVI sem Imigrantis.
    Como todos nós sabemos,Os Imigrantes para os Caboverdianos sao Brancos(Europeus)os AFRICANOS sao Chamados de MANJACOS.afinal Caboverde faz parte de que continente?é uma pena pessoa que nao conhece origem dele.

  41. Severino Manuel

    Há dias, um italiano entrou no meu local de trabalho, retalhando o crioulo, falamos um pouco sobre a sua estadia em Cabo Verde (está muito bem pq é empresário). No decorrer da conversa, falamos da relação entre a Europa e Cabo Verde. Eu disse-lhe; afinal somos sermos humanos e nada mais. E voltou para e disse em crioulo: tudo é gente, má ex mandjak não é gente… Quis expulsá-lo do meu local de trabalho, mas só que cliente é cliente, tive de aturar aquela insanidade. Mais confesso que fiquei mal com o Homem. É verdade que os nossos irmãos do continente são discriminados em Cabo verde. Não pela maioria, mas há pessoas de mente perversa, que os discriminam sim. É muito triste. Se fazemos isso, não passamos de assimilados. E muitos de nós Cabo-verdianos, pensamos que somos superiores aos continentais. Pelo contrário. E isso é mais burrice do que outra coisa.

  42. Irina

    É realmente lamentável…caboverdiano povo emigrante… A ter coragem de discriminar e querer mandar embora?
    Passamos a nossa vida na terra do outro à procura de melhores condições que a nossa terra não nos dá e ainda temos a audácia de criticar quem faz o mesmo, mas na nossa terra????
    Haja paciência, mente aberta e sobretudo respeito pelo próximo.
    Todos nós já sofremos racismo, mas isso não nos dá o direito de fazer o mesmo!
    Somos todos seres humanos e com direitos iguais!

  43. Arlinda

    Que vergonha acredito k nunca aprendemos a historia da Africa na escola mas lamento tanto a ignorancia Caboverdeana ,pois sou orgulhosa de ser de CV mas infelizmento os outros paises tem rasa e nos nao.E aparte isso somos todos seres humanos filhos do mesmo Deus.Nos de CV temos menos cultura k os outros pais Africano mas uma coisa somos ricos de ingnorancia e atrevimentos.Lamento muito essa situacao

  44. José Santos

    Perguntem aos povos da costa ocidental da Africa ,que se reclamam de ser o berço da negritude , o que pensam dos mulatos , perguntem aos mulatos na Guiné com sao tratados pelos mandjacos , fulas e papeis , assim ficam a saber o q é descriminação , depois Nápoles entendo poque é que um mandjaco fica ofendido de sr chamado de mandjaco ,eu n fico quando me chamam de crioulo

  45. Jose F Lopes

    Meus senhores o problema não é ser mandjak ou não. Este tipo de emigração africana não serve Cabo Verde. Um país pobre como cabo Verde não pode ter africanos desocupados ou envolvidos em esquemas. Este gente não tem em geral os mesmos hábitos que os nossos pelo menos no barlavento
    Cabo Verde deve selecionar o tipo de emigrantes africanos que quer. Se escancarar as portas é a invasão total e depois no futuro será um problema insolúvel. Quanto menos emigrantes africanos houver melhor se integram

  46. Joel Mouran

    Tud es racismo e herança que no herda d nos colonisador pe mante nos sempre escrav e ignorant… Sr Carlos Wahnon, bo perde grand chance de fka kalod

  47. dany ramos

    Os meios socias tem responsabilidade de fornecer as massas noticias de qualidade sendo que neste artigo FALHARAM REDONDAMENTE. O facto de nós criolos termos a pele um pouco clara não faz de nós brancos logo nunca poderemos ser racistas em relação a pessoas vindas de outras nações africanas. o que está acontecer em cabo-verde é xenofobia ou seja discriminação de cidadãos estrangeiros.

  48. UVID IMPE

    ha nhas menininhas bsot ê k sabe cosa ehm!!! pau de 2 bic curti mandjak por causa de kexe tripé e curti bronk por causa paus!!! será k bsot k tt descrimina bsot kriolim tb…agora ta na moda ê racismo mas bsot bai devagar qdo exe começa t exigi poder tb e kmeça t bo nôs t usa vestidos e elas burkas ou gurkas bsot t dze ” ai se eu soubesse”.mim ê caboverdiano nunca mas nunca na nha vida um tt bem assumi como africano pq mim k sabe nada de africa…e nem kero saber!!!!

  49. Jay-mon

    So podia ser sampadjudos de sao vicente pamodi es é atrevidos. Ka nhos skesi ma nod tudo é africanos ku atrivimento tcheu…caboverdianos é mesturado ku munti porcarias de europa mas simé nu cadexa de ser africanos. ó nhos casta odja ubicasom geografica, cabo verde nada catem de recurso nhos bai otus paises de africa nos ta odja cuzé de recursos kes tem ki cabo verde ta dizeja tem ki nu ta fica ta pide europa migalas de ajuda pa nu ca morri! Ku atrivimento tcheu.

  50. alberto tavares

    Comecem pelo principio e vejam o contexto.
    Em qualquer parte do mundo quando um estrangeiro (digo bem estrangeiro) aparece para comer o pouco que se tem hà reacção e geralmente é de xenofobia. Sou cabo-verdiano, africano, preto e sem complexos mas se branco, preto, amarelo ou vermelho aparecer para me privar do meu pouco tenho de reagir. Vejam isto sem rancores e verão
    Ninguém ataca quem não ataca. Infelizmente os nossos irmãos continentais vêem à cata e não temos para todos.

  51. Pedro José Lima

    Acho que muitos não estou reagindo coerentemente. O que sucede é como quando o badio se enerva e diz ao sampadjudo para sair da Praia. Xenofobia? Racismo? Bairrismo? Ê mais um reflexo de defesa e isso é corrente em qualquer lugar do planeta. Quando estive na Guiné Bissau ouvi isso. Acalmem-se e concentrem-se na defesa para uma vida melhor e de trabalho para todos.

  52. o espião que espia

    Será que há realmente aqui discriminação para parte dos Sanvincentinos, dos Mindelenses e ou dos Caboverdianos de um modo geral para com o pessoal do Continente Africano, ou Oriundos do Continente Africanos como quiserem chamá-los? Ou será que esse pessoal auto-discriminam, quando isolam-se do convívio social com os Ssnv/Mid, vivendo em guetos?! Será que estão interessados numa integração,socialização, inserção social plena?! Esse pessoal sabe muito bem o que vieram cá fazer.

  53. o espião que espia

    CONTINUAÇÃO: Eles não estão interessados no convívio social e nem estão interessados em conhecer os padrões sociais e culturais que norteiam esse país, a ilha e ou cidade que lhes acolheu.Não respeitam os valores sociais enraizados no povos das ilhas. Eles tem lá os seus negócios obscuros e querem lá saber se estão a ferir e a destruir a imagem social ética e moral das pessoas das ilhas?! Gostam de viver isolados para as pessoas não perceberem que estão em negócios ilícitos: Venda de drogas,

  54. o espião que espia

    CONTINUAÇÃO: lavagem de capitais, falsificação de notas, branqueamentos de capitais, ameaça e tortura psicológica, e moral da pessoas que conseguem dominar e por do lado deles, nomeadamente mulheres, correios e passadores de drogas, Burla qualificada, destruição de alguns lares familiares (originado da cultura negra que acreditam e fazem os outros acreditar na feitiçaria). É interessante como são todos ricos em Cabo Verde! será porque são trabalahdoreeeeeeeeeeeeeeeesssssssssssssssss!!!!!!!!??????

  55. o espião que espia

    CONTINUAÇÃO: após isso peço que reflictam muito bem antes de por paninhos quentes nesse pessoal que de gente boa muita pouca coisa têm. Vejam lá o que fizeram e o que continuam a fazer com os nossos jovens em cada Bairro que entram! Enquanto não destruírem a zona não estão satisfeitos, eles estão todos felizes com a onda de assaltos e de crimes no país porque sabem que são os únicos beneficiários com os resultados dai adveniente. Eles instruem os jovens em como realizar assaltos, vendem-os,

  56. o espião que espia

    CONTINUAÇÃO: emprestem-os e aluguem-os armas de fogo. Há jovens que são escoltas das suas casas de venda de drogas. “dizem (um ta trabaia pa kem mandjaco)” Há jovens presos por causa deste, são as suas (testa de ferro) preferem ir a cadeia para não dar conta da verdade, e estes são pagos mesmo dentro da cadeia para manterem calados.
    Estamos pois perante irmãos pois não? gente boa não é? gente com coração de anjo não acham? gente a procura de paz não acham? cultivando a insegurança e a

  57. o espião que espia

    CONTINUAÇÃO: e a instabilidade social, desvirilizando a nossa juventude, incutindo neles o espírito da vida fácil, do dinheiro fácil, do imediatismo e o resto que se lixa. quantos jovens já perderam a vida por causa deste e ou estão nas vias de perde-lo por causas deste destruidores sociais. Acreditam que Cabo Verde é um bom destino migratório para esse pessoal? Cabo Verde tem assim tanta oportunidade de emprego e de negócio que os caboverdianos não conseguem ver mas eles conseguem????????

  58. o espião que espia

    CONTINUAÇÃO: é com dois cintos, dois óculos e duas telemóveis que se consegue viver num país como cabo verde onde o custo de vida é cada dia mais caro?!!!???, é esse o negócio desse pessoal? acreditam? É vendendo em média 1500$00 diários na Barracas da praça estrela que conseguem honrar os seus compromissos com renda, luz, comunicação, água, conforto, família, alimentação, luxo, sustentar o negócio, pagar empregados??? Verificam as suas mochilas diariamente e verão o que têm dentro destes!

  59. o espião que espia

    CONTINUAÇÃO: livros, cadernos, lápis de carvão borracha, apara-lápis simmmmmmmmmm, são todos estudantes, bons rapazes coitadinhos a procura de uma oportunidade de viver dignamente. Muitos gostam tanto de ser Africanos e são orgulhosos de o ser que até quando chegam em Cabo Verde destroem os seus documentos, para no caso de serem deportados não se sabe de que país pertencem e nem dizem. Até falsificam a identidade como nomes de santinhos Alex etc. os Nigerianos são os maiores nisso,

  60. JOHN-MAR AZUL

    CARLOS JORGE WAHNON, SUBSCREVO INTEIRAMENTE AS SUAS PALAVRAS, E TODOS OS OUTROS PAPAGAIOS E PAPAGAIAS QUE AQUI DIZEM O CONTRÁRIO, OU SAO BADIOS OU ENTAO ESTAO JUNTOS MA MANDJOKES. PAREM DE OIÁ TANT NOVELA E LUTÁ PA S. VICENTE!!! S.VICENTE ORGULHOSAMENTE SEEEMMPPPRREEEE!!! Forssa NOTICIAS DO NORTE

  61. Ffernandes

    Ora, bem… Todos criticam, todos dão opiniões, tudo e todos são racistas…….tudo e todos são condescendentes, todos fazem vista grossa, a verdade é que somos todos

    (AFRICANOS) senão vivíamos noutro Continente………….

    Muita atenção aos comentários do ESPIÃO QUE ESPIA, , pois aí está toda ou quase toda a verdade. SERÁ QUE QUEM DE DIREITO INTERESSA?……………………………………………

  62. felisbina

    Todos os cumentario tenen sentido cada cual com o seu criterio e deficil tener uma opiniao c certa porque no fundo todos tenemos um poco de racismo a un que nao queremos aceitaropior na minha opinion nunca vi pessoas mas racista do que a raca negra. Quanto os de S.vicente nen falar parece que continuen no seculo 20 visto que fazen racismo cim su propria gente porque passan vvida a falar mal de P

  63. felisbina

    Cont..Praia e nos chaman de mandjaco sinto muita tristeza porque mesmo menusprezandos siguen vivendo das migalhas di Capital na minha opiniao e estao tao incomodo com esse imigrantes e porque agora ja tenen compitencia visto que os S.vicentinos nao gosta de trabalhar o melhor juntarmos e buscarmos uma solusao para todos eu sou imigrante e nao gostaria que fosse tratada assim no Pais onde actualmente resido a pessias boas e malas en toda parte do Mundo…

  64. CANDIDO SALOMAO

    O maior apoio ás opinioes do Sr. John Baptista dos Santos – Mar Azul. Parabéns pela clarividencia.

  65. SONCENT

    Felisbina ,migalha de praia??é ess ideia k bsot de praia tem de soncent??ba esperond…soncent ke meste de praia pa nada ne ess mund txam dzeb.ess pe bo oia manera k pessoas de praia tem um imagem de soncent completamente errod essim com no tem de praia ma don de kel situação la ne soncent tud gent sabe kem ke don,além k soncent é de kes ilha de maior potencial ne cab verd se nao a maior,iss te mostra k txeu cosa ne cab verd meste muda

  66. esse noticia cmeça mariod e nos sem pensa ja no mete badiu na meio, no fala de integração e racismo na soncente: quis mandjaco que trabaia na saude ka tem reclamação de ses paciente,nem colega; quis é que te trabaia educação que tem reclamação nem de ses aluno nem colega prof. ques comerciante honest tambem ca tem reclamação, ques que mafioso, traficante, bandido, ta da dred ma ques bandido de soncente; e ja agora obrigado e parabens pa quis dos mandjaco que te integrod na seleção de soncente.

  67. o problema ta na racismo o integração cada um ti ta integra moda el te otcha mdjor
    o povo de soncente ta que pé atras comporta ta dred no te integrob, asiaticos pode que estod integrod ma is ka ta da nos chetiço

  68. tonyboy

    se li tem 1 comentario k’1 t’ dze 100 % dret é Carlos Jorge Wahnon pk é simplesmente verdade o resto é so tretas .Mesmo kes sabe k’ é pura verdade es t’ fka ta da pa doide. Soncente ta forte d’ kes gente la 1 abraço p’ Carlos Jorge

  69. Dú Mako Djaló

    Ao refletir sobre o debate do artigo intitulado “Africanos no Mindelo: do outro lado de muro existe gente com nome noticias do norte”. Digo simplesmente que a ausência e o silêncio da África entre nações africanas, resultaram de um viés da “colonialidade do saber”, que esse continente sofreu e continua sofrendo, só que desta vez, com seus próprios nativos. Em meio da visão eurocêntrica, a África figura apenas num papel secundário, que passa despercebida, muitas vezes mencionada como um apêndice misterioso e pouco interessante de outras temáticas e que na maioria de vezes é regado pelos seus nativos. Torna-se evidente que, quando o silêncio é desvendado ou quebrado, esse silêncio que reflete anos e anos de dominação, carregadas de eurocentrismo, criam significativos, obstáculos para uma leitura menos imprecisa e distorcida sobre a ausência e o silêncio da história da África nos ensinos de algumas nações africanas, como aponta o artigo. Neste sentido, pode-se dizer que o saber ocidental construiu uma consciência planetária constituída por visões de mundo, auto-imagens e estereótipos que compõem um “olhar imperial” sobre o universo. Pois as teses coloniais levaram à interiorização do “negro”, do “selvagem”, do “tribal”. As teorias modernas e liberais outorgaram à ciência o papel central no pensamento europeu, o distanciamento entre África e a Europa era tido como a “verdade”. A cultura e a natureza, o civilizado e o selvagem, o tradicional e o moderno. Então, estas “verdades às vezes inconscientemente passamos a reproduzi-las como “escravo mental na aceitação de condição racial” – termo usado no artigo. Portanto, esses estereótipos fabricados pela condição racial dominante, o dominado tende a interiorizar como se fosse inerente a sua própria “natureza”. Negar a negação gerada pela essa ideologia dominante, é o primeiro passo para afirmar-se positivamente, e então se inicia o processo de construção de uma consciência crítica. A negação da sua negação, neste movimento dialético, significa, a um só tempo, a afirmação da sua identidade e a negação da identidade do outro. Parabenizo o responsável que jogou a artigo para a comunidade africana para o debate e com demais debatedores que incrementaram mais pimenta no debate. Pois, é esse espirito de intelectualidade que devemos aproveitar com essa comunidade.

  70. Silvério Marques

    Estou de acordo com os comentários de José Santos, José F. Lopes, Dany Ramos, Alberto Tavares e principalmente ESPIÃO QUE ESPIA. Esta questão é económica. Cabo Verde vai pagar bem caro esta aventura. Cabo Verde que o mais pobre de todos os países de CEDEAO, que por falta de postos de trabalho vê os seus filhos emigrarem não tem postos de trabalho para todos os africanos do continente que quiserem viver em Cabo Verde. Já quase 20.000 pessoas que não pagam impostos, vivem na rua, tomam banho no ma.

  71. Silvério Marques

    Esta emigração interessa a quem. O jornalista vem com esta questão como se fosse racismo. Não a questão é que a miséria já está a apertar esta gente que gastou muito dinheiro com intermediários para vir até aqui ganhar dinheiro fácil. à moda da vida deles que querem implantar aqui. Na terra deles vivem de esquemas e venda de drogas.

  72. Iva

    A minha pergunta e: o que e que os nossos compatriotas tem feito no sentido de se integrarem na sociedade cabo-verdiana? E muito fácil apontarmos os defeitos do que procurarmos juntos soluções para certos problemas, falando em concreto do racismo. sei que não e fácil lidar com isso mas o cabo-verdiano corre atras do que quer e passa por cima desse sentimento de inferioridade que muitos africanos tem. Sou casada com um alemão e vivo na Alemanha, e faço questão de dizer Sou Africana.

  73. UPIC-DC

    Gent di saocente é atrevido, armado em Tuga colonialista! Bsot dexa nós irmaos africanos em paz!

  74. joão bernardo

    Acredito nos jovens caboverdianos quadros . Mentalidade diferente , a quem deposito a inteira confiança de que saberão lidar com a questão em debate . construir um Cabo Verde …..ORGANIZADO. Sobretudo ,com a amizade que temos no nosso coração .
    Por Fim , descordo absolutamente de algumas opiniões mas ” defenderei até a morte o Direito de dizê-las ”

    Abraços , viva Cabo Verde!!!!!!

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.