Caso Miguel Corr d´aga: Condutor envolvido em atropelamento mortal acusado de homicídio negligente grosseiro

25/07/2013 00:16 - Modificado em 25/07/2013 00:16
| Comentários fechados em Caso Miguel Corr d´aga: Condutor envolvido em atropelamento mortal acusado de homicídio negligente grosseiro

maretlo juizO condutor da empresa de transportes Bento Forrador que atropelou mortalmente o cidadão Miguel da Luz, conhecido por “Miguel Corr d´aga” na zona da Galé, ilha de São Vicente, está a ser acusado da prática de um crime de homicídio negligente grosseiro. De realçar que a família da vítima recorreu ao Tribunal para pedir uma indemnização de 1000 contos pelos danos causados com a morte de “Miguel Corr d´aga”.

 

Na tarde de segunda-feira, 8 de Abril, um indivíduo de 26 anos, condutor da empresa de transportes Bento Forrador, realizou uma manobra perigosa com uma carrinha de caixa aberta na zona da Galé, ilha de São Vicente e acabou por atropelar o cidadão Miguel da Luz que caminhava na berma.

 

A vítima que residia na zona de Dji D´ Sal sofreu traumatismo craniano grave, fracturas nas costelas e teve morte imediata porque foi abalroado pela viatura e projectado a vários metros do local onde ocorreu o atropelamento.

 

“Miguel Corr d´aga” era condutor de um autotanque e tinha-se deslocado a pé até à fábrica de calçados ICCO, no Lazareto, para receber o dinheiro de um serviço prestado. Por sua vez, Humberto Teixeira que estava na companhia da vítima, escapou ileso ao acidente porque ao se aperceber do atropelamento saltou para o lado da praia da Galé.

 

Com a finalização do processo de instrução, o Ministério Público acusou o condutor da prática de um crime de homicídio negligente grosseiro. O Tribunal da Comarca de São Vicente realizou a audiência de julgamento e, reunidas as provas, vai decidir se o condutor teve culpa na morte do cidadão.

 

De realçar que o jovem pode incorrer no cumprimento das medidas cautelares do artigo 126º do Código Penal cuja pena máxima de prisão é de cinco anos, a inibição de conduzir por um período de tempo definido pelo Tribunal e ainda sofrer as sanções indemnizatórias pelos danos causados à família da vítima.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.