Praia trata Bissau com ” paninhos quentes”

19/07/2013 00:54 - Modificado em 19/07/2013 00:56

Marisa MoraisPraia continua a tratar Bissau com “panos quentes” no caso dos dois agentes do serviço de fronteiras presos na Guiné. A ministra Marisia Morais está á espera que um país que não cumpre as leis e resolve os seus problemas à bala cumpra , desta vez, a lei.

O Governo de Cabo Verde mostra-se preocupado com a situação dos dois agentes da Polícia Nacional detidos na Guiné-Bissau. A Ministra da Administração Interna, Marisa Morais, em conferência de imprensa afirma que o Governo tem acompanhado a situação esperando o melhor desfecho possível da situação e que seja reposta a legalidade internacional. Morais afirma que o governo ainda está à espera de saber “as condições e os fundamentos da detenção destes cidadãos”.

 

A Ministra informa que os agentes estavam em missão de serviço, isto é, escoltavam uma cidadã guineense. No dia do regresso foram detidos pelos serviços de segurança e informação da Guiné. E até ao momento, afirma que “não foi formalizada qualquer acusação”.

 

A Ministra deixa transparecer algumas ilegalidades na forma como o processo está a ser dirigido pelas autoridades guineenses. Além da não formalização de nenhuma acusação, afirma que foram apresentadas as instâncias judiciais mas a detenção “não foi promulgada por qualquer juiz de acordo com as leis guineenses”. Sabe-se que foi apresentado um pedido de habeas corpus, mas que foi rejeitado pelas autoridades daquele país.

A Ministra promete que o Governo continuará a seguir o caso e espera que o mesmo “termine da melhor forma”.

  1. Carlos Ferreira

    Continuo a insistir para que seja erigida uma estatua, perpetuando a memória do maior estadista que a Guiné já teve, camarada Nino Vieira, um dos poucos que nas matas da Guiné sabia ler e escrever. Foi ele contudo cuja visão profética conduziu o golpe que nos livrou duma grande palhaçada , alias duma grande catástrofe nacional, a Unidade de Guiné/Cabo Verde.O povo caboverdiano tem a fama de ser ingrato.Se tal nao fizermos a História nao nos perdoara como também nao perduou a Guiné por ter barbaramente assassinado um “verdadeiro filho da sua Terra, luz e guia do povo guineense” coisas que infelizmente faltam por aquelas bandas.

  2. LENA REIS

    bem aja a justica

  3. Teoidora Barbosa

    Que história mais bizarra é essa? Os dois APN levam uma Guineense extraditada, depois de ter cumprido a pena de prisão aqui, mas no entanto esta Guineense se volta fantasma, logo ao pisar os solos da sua terra natal, é isso q aconteceu? As autoridades da GB não têm conhecimento e nem sequer viram a dita Guineense, que tal os dois agentes da PN irem mostrar onde está a referida Srª e a quem entregaram? Coisa de tão fácil solução, mas que no entanto esta a servir para continuação de lavagem de rou

  4. Carlos Jorge Wahon

    Lidá ma mandjakaria é no qe tá dá!! Tchás prá lá ma ses macoke!!!

  5. Lino Públio

    Não entendo nada disto. Expliquem-me por favor.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.