Eduardo Bentub dos retalhos para as galarias

31/07/2013 00:32 - Modificado em 31/07/2013 07:27

Eduado BentubChama-se Eduardo Bentub, natural da ilha de São Vicente. Um artista plástico que se desponta, já com algum fervor pelas galerias de arte de alguns países europeus e na Áustria. A mais recente distinção e, até então, a primeira enquanto artista, refere-se à menção honrosa recebida na Eslovénia, país que o acolhe juntamente com a mulher e a filha.

Com temas inspirados na sua terra natal, Cabo Verde, Bentub diz transportar nas suas telas a identidade cultural do país. “Quando comecei a expor inspirei-me muito na nossa música e uma delas foi Dez Grãos de terra e fiz dela o título das minhas mostras. Tenho, de certa forma, passado informações precisas e preciosas sobre a nossa cultura: quem somos, o que somos, o que fazemos, onde nos situamos no mapa. De certa forma, tenho ajudado a promover o nosso país aqui através da minha arte”, explica o pintor sublinhando, no entanto, a sua pretensão de se aventurar por novos temas.

“A pintura nasceu comigo”

Um sonho que se despontou desde tenra idade com pinturas que se revelavam em pequenas telas improvisadas com cenários inspirados em livros de aventuras que costumava ler à luz do candeeiro todas as noites. “O gosto pela pintura nasceu comigo. Lembro-me de aproveitar os restos de tecidos que a minha mãe deitava fora para tentar, de uma forma rudimentar, fazer as minhas próprias telas, para depois pintar com guaches. Nessa altura, uma organização não governamental dinamarquesa apoiava muitas crianças nos estudos em Santo Antão [ilha que o viu crescer]. E eu fui um dos beneficiados com este apoio o que, de certa forma, estimulou a minha criatividade”.

Embora tenha enveredado por outros caminhos, primeiramente pela matemática e depois pela arquitectura, o gosto e aspiração pela pintura “falaram mais alto”. Após as primeiras tentativas nos dois cursos, o primeiro em Aveiro e o outro em Lisboa, os caminhos levaram-no para aquilo que sempre desejou verdadeiramente: revelar-se enquanto pintor. Começou a expor nalguns restaurantes e bares no Estoril onde residia, mais tarde no Art galery em Lisboa e na Casa da Morna, até chegar à Eslovénia, país onde reside actualmente há 3 anos.

“Desde que me mudei para a Eslovénia, parece que tudo está a acontecer muito depressa. Tenho exposições constantes aqui e na Áustria”, conta o pintor que manifesta a sua vontade de retornar a Cabo Verde para expor as suas criações.

 

 

  1. naty

    Parabens Eduardo. corre atras dos seus sonhos. beijinhos

  2. Margarete Lima

    parabens Eduardo. Desejo-te muito sucesso na sua carreira profissional., pois que continuas a valor a nossa cultura caboverdiana.

  3. Hinaldo Faial

    manera mussim de sintontom, desde piknim m oia k bo tinha algo extraordinário na kel cachola, através de box invenção e box brincadera improvisod, sucesso pa bo e bo familia. hfc abraço.

  4. Alberto

    Parabéns Nha Boy, mts sucessos!

  5. edson

    Pensa k Eduardo era de Ribeira Grande Santo Antão?
    Sucessos

  6. Maria Rodrigues

    Votos de muito sucesso e continua a promover a nossa cultura lá fora. Felicidades junto a tua família

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.