Polícia admite meia centena de mortos na explosão de comboio no Canadá

11/07/2013 11:45 - Modificado em 11/07/2013 11:45
| Comentários fechados em Polícia admite meia centena de mortos na explosão de comboio no Canadá

explosão canadaA polícia canadiana admite que chegue a 50 o número de mortos na explosão de dezenas de vagões com combustível provocada pelo descarrilamento, no sábado, de um comboio, no centro da pequena cidade Lac-Mégantic, no Quebeque.

 

Foram até agora encontrados 20 corpos e Michel Forget, inspector da polícia do Quebeque, já disse, segundo a BBC, que as 30 pessoas desaparecidas estão “muito provavelmente mortas”. Pelo menos 30 edifícios da cidade de cerca de dois mil habitantes foram atingidos pelas chamas causadas pela explosão.

 

A polícia informou que só um dos 20 corpos recuperados foi até agora identificado. As autoridades pediram aos familiares de desaparecidos escovas de dentes, lâminas de barbear e outros objectos que permitam obter amostras de ADN que contribuam para o processo de identificação.

 

As autoridades já disseram que alguns corpos podem ter sido reduzidos a cinzas, devido à violência da explosão.

 

A empresa proprietária do comboio responsabilizou na quarta-feira um engenheiro da companhia pelo acidente de sábado, afirmando que não terá cumprido todas as normas de segurança.

 

Ed Burkhardt, presidente da Maine, Montreal and Atlantic Railways, visitou a localidade e enfrentou a fúria da população, ainda em choque com o grau de destruição. Disse estar “completamente devastado” com as consequências do descarrilamento e apresentou uma primeira explicação para o que poderá ter acontecido.

 

O engenheiro – disse – foi chamado para dar apoio aos bombeiros que combatiam um pequeno incêndio que deflagrara, por razões ainda não apuradas, numa das cinco locomotivas da composição que estava estacionada em Nantes, aldeia situado a sete quilómetros de Lac-Mégantic. O maquinista tinha cumprido o seu turno e aguardava no hotel a chegada do colega que o deveria substituir.

 

Extinto o incêndio, o engenheiro deixou o local, assegurando que tinha accionado os “11 travões manuais”. “Pensamos que ele terá accionado alguns travões manuais, mas a questão é que não os accionou todos”, disse Burkhardt, citado pelo jornal Toronto Star. Pouco depois, as locomotivas e os 73 vagões da composição, carregados com centenas de toneladas de combustível, entraram em movimento e foram ganhando velocidade à medida que desciam a encosta até que descarrilaram em Lac-Mégantic.

 

O funcionário em causa foi suspenso, sem direito a salário, e está a ser interrogado pela polícia, adiantou Burkhardt, acrescentando que não há suspeitas de sabotagem nem de negligência por parte dos bombeiros que, durante o combate ao incêndio em Nantes, desligaram a única das cinco locomotivas que o maquinista deixara ligada para garantir que os travões continuavam accionados.

 

 

publico.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.