Professores do ex-Instituto Pedagógico “sentem-se ameaçados” por reivindicarem horas extras

11/07/2013 00:18 - Modificado em 11/07/2013 00:18

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO NN sabe que um grupo de professores que trabalha em regime de acumulação no Instituto Universitário de Educação, ex-Instituto Pedagógico, na ilha de São Vicente, continua sem receber o seu salário pelos serviços prestados à instituição. Sem ver a cor do seu dinheiro há nove meses, os funcionários pediram esclarecimentos e uma resolução para o problema. Os responsáveis do IUE prometeram regularizar a situação, mas até esta data, os professores não receberam qualquer centavo.

Depois de ponderarem a realização de uma greve, os professores decidiram aguardar pela instituição que prometeu pagar o que deve, esclarecendo que os atrasos foram provocados por “um mal-entendido no sistema de pagamento”. Volvidos um mês, a situação não se alterou, pelo que o NN apurou que os docentes entraram em contacto com a direcção no Mindelo para encontrarem uma resolução para o problema.

Mas este online sabe que agora o caldo entornou, porque o presidente do IUE, Florenço Varela enviou uma nota aos professores, onde sublinha que “No ano lectivo 2013/2014, saberemos acautelar-nos e o IUE vai aperfeiçoar o sistema de selecção, recrutamento e pagamento de professores, ao mesmo tempo que resguarda a atitude de professores a serem contratados em regime de acumulação, evitando ameaçar com avaliação e notas estudantes que, neste caso, são também professores”.

E para os professores que dizem apenas estar a reclamar aquilo a que têm direito na medida dos serviços prestados à instituição, a posição do presidente do IUE é entendida como uma “ameaça”, uma vez que se realizarem uma acção de luta no próximo ano correm o risco de não serem seleccionados para leccionarem no Instituto Universitário de Educação em São Vicente.

 

Esclarecimentos

 

Por outro lado, Florenço Varela reconhece que o IUE teve problemas de tesouraria nos meses de Janeiro a Maio pelo que, com a recuperação desse problema, mandou pagar todas as dívidas relativas às horas extras e os compromissos que a instituição tinha pendentes.

Mas o presidente esclarece que “Indaguei e soube que tratando-se de horas extras e não de salário, o Tesouro coloca esses pagamentos no plano B. Por exemplo, alguns ficaram no sistema, na fila, desde finais de Maio. Outro pagamento ainda está na fila desde 29 de Maio”.

Florenço Varela acrescenta que “Entendemos o aperto dos professores. Porém discordamos da atitude. Como aliás se verifica em todo o lado. Trata-se de horas extras”.

 

 

 

 

  1. LIMA

    BSOT DESCULPAME NHA FRANKESA MAS 99,9% DE PROFESSORES DE CV Ê PAICV,BSOT TT PROVA DE BSOT PROPRIO VENENO…QTO A ESSE XEFE LI Ê + UM K BEM DE MATO TB…E EXE K T RESPEITA DIREITO DE NINGUÊM…

  2. ANALFABRUTO

    O Instituto Univesitário da Educação , é uma autêntica porcaria. Um coktail de professores incompetentes , alunos deficientes , Presidente incompetente e corrupto. A transformaçõ do IP em IU, é uma estratégia do Ministro , António Correia e Silva, que não tem nada por fazer, quer mostrar trabalho. Daqui a pouco, uma enxurada de vulgaridades, vai sair daquela instituição com grau de doutor.Doutor da mula russa, digo.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.