Mister Djinga – Um Figura Salense

26/05/2012 01:30 - Modificado em 26/05/2012 01:30

Hoje ês storia tita bem tem um gostin epecial fora á parte de tude quês ote que tê gora ‘m tem contode, quê el ê dedicode a um grande amigue salense de gema, por nome de Henrique Estrela más cunchide e butzode pa sê pove de Ti Djinga (Deus dal céu), tal era custume na tradiçon e respeite de terra. Basta mi, ês butzame de Ti Figas, dá fecá pa sempre gravode na nôs coraçon.

Quonde ‘m tinha bode pa primer vez pa Dja D’Sal, estagiá na Meteorologia, ‘m tinha bode era na naviu Neptuno de Capton Herculano Vieira.Ma depôs, ‘m tive de voltá pa Soncente tma lugar de Dinha de Nha Concha que bai pa Brasil. Enton, sô três one depôs quonde ‘m substituide pa Ilidio de Toi Pombinha, ê qu’um torná voltá pa Dja D’Sal, ma dês vez e pa primer vez d’avião, ondê qu’um ca podê gatcha tude nhas emoçon.

Basta naquel dia plumanhã, nôs era uns dez imbarcode na borde daquel bedje quadrimotor Dove Havilland de TAGCV que tava na época fazê quel viaja tude fim de semana, Bissau / Sal / Praia / Soncente / Sal /Bissau.

Na sê cockpit c’porta aberte, Pilote Gardette de vez inquante tava crepitá na sê microfone c’voz olte quel Tango Charlie 104, pa contactá Control de Sal, pal podia dal sê posiçon e tude quês elemente de tempe quel tava ta bai t’otchá na sê rota, útil pa Sirvice de Meteorologia de Cab Verd.

Derapente, um motor de lode esquerde pará ês pol log em bandera, ês mesme, pará log quel ote de lode direite pa equilibrá avião e c’sô dôs motor quel bedje “coucou” de Dove Havilland pude cuntinuá sê rota c’tude parcença dum vôo normal tê Dja D’Sal.

Ninguém ca tava sustode quê pilote dzene cma n’era nada de grave. Ma, quonde no aterrá na Dja D’Sal na lode de pista tava corre de bomber já lá de “stanby”pa o que tivesse pa contecê, ma felizmente nada ca tive e amdjor assim.

Depôs nôs tude desimbarcá, n’ Aeroporte bedje (fotografia) fête pa Talione dês de 1939, quê d’Aeoroporte nove, na época, nem ca tava falode n’ar de tempe quontamá. Enton, tude quel malta salense bem recebene c’sês morabeza de custume, quê moda jam tinha dzide naquel stora dantes, lá já tinha tcheu malta cunchide qu’ijdone mute na rancar de nôs principe de vida.

Na mei daquel confuson de desimbarcá, braça e más braça, lá tive um “amigue da Onça” qu’um ca mistide nem mentá sê nome, quê malta sabê quem ê, que vrá pa mi e dzême:  –   Bô divia estode c’um cagace de gaita dentre daquel avião que dôs motor parode em bandera c’mede del caí hum???

Log ês Senhor, que tê inda ‘m ca tava conchê e que ca tava gostá de cosa mariode  vrá pa el c’voz olte pa tude quem tava lá uvi e, perguntal: – E s’era bô que tava lá hum? Oiá, tmá cuidode quê ês ê cosa podê contecê c’nôs tude! Basta tude gente concordá qu’ês Senhor que n’era nem más nem menes Henrique Estrela nôs (Ti Djinga).

Depôs dum ter el, gradecide, el levome pa nha quarte na “Pavilhão Maravilha” de tude incarnode pintode ta lembrame sô nha Club Sportiv Mindlense na Soncente e cma nôs quarte era perte um d’ote lá nô vrá amigue fixe e pa mi, el passá ta ser Mister Djinga e ‘m tita bem tentá explicá bsote pamode quem.

Mister Djinga c’sê ar descontraide era um home dum estile mute original, daquês personaja que na época que na Dja D’sal ca tinha mute gente (1200 a 2000 pessoa) se nha mimória ê bom, el era um figura que tava intchi quadre d’Ilha assim cma tcheu d’otes bem cunchide de malta.

Moda nôs tude, el tinha sês virtude e sês defeite que natureza dal o que nunca tava impedil de ser boa criatura. Pamode quel solidão talvez, sobretude de fim de semana num Ilha moda Dja D’Sal que na época ca tinha nium divertimente moda “boite”quê amdjer era bem poc.

Assim quês qu’era funcionário, tude sexta-fera depôs de traboie tava bai juntá lá na Pavilhão ondê que tava parcê sempre quel garrafa de “Cognac Espanhol Pedro Domec” pagada, cada um sê vez pa diverti.

Mi na época ‘m ca tava bibê, ma ‘m sabia apreciá espectacle quê ta tinha sempre quês super pastilim de malagueta (non stop) recomendode pa bafa, binde de casa de Tchutcha (Margarida Spencer) tude quintim inda ta estalá saide de frisdera pa quel fistinha de sexta-fera que tava sirvi p’intchi quel baziu salense d’época.

Grupe de cóc, era formode pa Tanche de Nhô Marcel Leitão, Dulfin de Nha Djinha, Agustim Fortes (Ti Gutanga), Mister Djinga (Ti Djinga), Luis Olave, Celso Estrela, Egas de Nhô Baz(Pelingrinhas) etc…etc., Depôs dês cóc cada um tava reagi de sê manera, ma nunca c’storia nem guerra ô malcriaçon o qu’era dvera d’adimrá, quê quel malta era tude cool tude nice e responsavel.

Ti Gutanga, tava dal era pa drumi e ninguém ca tava podê cordal, ‘m ta lembrá de Celso c’um trompete derriba d’el ta mandal son p’uvide, el lá detode sem mexê um sô capela ô pestana d’oie. Depôs tava fectchode quel porta de funde de Pavilhão e malta tava cumeçá ta quebrá garrafa num “frenesi” que ninguém sabia explicá… Basta um vez quaz quês escapada d’espancá Dr. Ramire, que tinha side tchmode pa bai espiá Egas que tava num estade quase de coma, c’um garrafa.Ma malta pará log e bai pedil desculpa e tude entrá na orda.

Nh’amigue Mister Djinga,“devidamente aplicado”qu’era sê expresson quel tava gostá d’usá quonde el tava estode que sê “high”, basta gente dal fala pamode sê estode, el tava log reagi ma gente sô na linguaja de “MORSE”  c’ sê célebre:  Ti ri ri ra  … _  ( V ) Ti ra  ._  (A) Ra ra  _ _  (M) o que queria dzê, vai á merda, num sô palavra e malta ca tava nem ofendê ao contrare, tava otchal tê comic.

Por uns dôs vez linguaja de morse ca ranjal lá mute bem sês cosa, quê num dia de festa de Clube Atlético d’época quel foi soce fundador, casa inda na mei de construçon, Mister Djinga, “devidamente aplicado” resolvê bai fazê sê bom xixi, ma p’azar el caiba num daquês bróc de contruçon.

Trapaiode c’sê cabeça de gata, moda el contá, el esqueceba de destacá buton de sê calça e pô ta mijá derriba del, pensonde cma ove tinha frode (testicules), enton na mei de tude quel trublaçon, ta procurá sabê camnera, pluff, el caí dentre dum daquês bróc.

Enton, cma tava escure e pra lá perte tava chei de gente sempre ta passá ta bai ta bem, log el lança sê  Ti ri ri … (S) Ta ra ra _ _ _ (O) Ti ri ri … (S), ma quondê na munde, ninguém tava t’uvil, tê qu’um criston que tava ta passá pra lá, dal fala e el inda na sês vapor de cóc vrá dzel:  –  Ma caramba tem quaz um hora qu’um ta li ta mandá mensaja de S.O.S pa tude gente… Rapaz respondel: – Ma Ti Djinga ninguém ê ubrigode de comprendê morse e jam bai bescá reforce pa nô bem trá bocê dali.

Fora ês aspecte caricate que tude alguém nês munde podê tem, Mister Djinga era um daquês valor de nôs terra que tava passá despercebide. Home inteligente e dum integridade na sê traboie sem igual. El foi telegrafista de correi, por isse quel tava conchê linguaja “morse” moda sê palma de mon.

E, depôs quel bai trabaiá na Alfandega, el tava custumá ba dá Vava chef de correi na Dja D’Sal uns bom help na transmisson/recepçon sem nunca descosê, quê as vez quel pessoa n’ote lode de fita tava reconhecel na sê manera de trabiá receptor/transmissor ma nunca el tava dzê s’era el, um, porqu’era proibide, ote, pa evitá sê  amigue Vava problema.

Nôs amizade era bem grande, ma fecá mas reforcode inda, um vez quel doenceba na sê quarte na Pavilhão Maravilha, tude dia um tava bai espial e perguntal sel ca tinha falta de nada, pal ca sintiba el sô, ma sempre el tava dzeme cma el ca ta tinha falta de nada. Bom…bom!!! ma um cuntinuá sempre ta bai espial.

Uns tempe depôs, malta datardinha reunide na sombra daquel porta d’entrada de Aerogare, el vrá pa mim diante de tude ês el dzeme : – Nunca mi há de esquecê cma quonde ‘m tava doente tude ês dia lassim mi sô na Pavilhão, bô foi o únic que ba espiame tude dia e ubrigada!!! Tive um silence e ninguém ca dzê nada pa comentá sê reconhecimente de nha solidariedade.

Mister Djinga,tinha um bnite e original caligrafia escrite na estile “Gótico”sô d’seu, qu’um ta esperá, case ês ca quemal na tempe de selvajaria, tê inda devê existiti naquês livre de registe d’arquive d’Alfandega d’Aeroporte de SAL, não sô pa tistemnha cma também “Patrimone” históric de nôs Dja D’Sal.

Basta um vez pa sê aniversare, um bai na Loja Nova, compral um bnite caneta Parker que sempre el dzeme el tava gostá de tem.’M fazel quel presente quel fecá mute contente, má el ba ta dzeme, desculpame ma ‘m tem que quebral ponta. Era um caneta de bomba, intchide na tinta de tinter, assim el fazê e depôs el pô ta escrevê na sê stile original dritim e bnitim dmunde.

Enton mi, dantes chei de mede del estragá sê caneta que tinha custode core, ‘m vrá ‘m dzel: –  Adèche Mister Djinga, dvera, dvera bô ca ta cabá de espantá gente qu’esse bô parcença “non chalante” moda quem ca querê nada qu’esse munde. Moda quel ditade bedje ta dzê: – Nunca fiá na parcença de gente, quê ser parve e ter cara de parve, um grande distança ta separá ês dôs cosa.

Certe que non tive durante tcheu one sempre quel bom convivença ma malta em geral e Mister Djinga em especial na Dja D’Sal.E quonde ‘m rancaba de Dja D’Sal pa França cosa que poc gente sabia, de vespera el bai almoçá ma mi, “aplicamos devidamente” pa imprestal sê expresson. El fazem um bom discurse sobre nôs saga daquel bom convivença.

Dia de nha embarque, c’PIDE e tude lá ta goitá gente, el bai pa casa, el fardá d’Alfandega pal podia entrá pa Placa d’imbarc, e mi ta sigui pa diante, el bem pa trás el dame quel monzada na costa c’sê grite que nôs tude tava conchê, ás vez d’OSSMAN ô otes vêz SMOOFMAN (espece dum salva d’seu) ta dzeme cma el  tinha que bem despedi de mi pa desejome quel “good luck”.

E assim foi saga dum bom convivença de tcheu one, ma um enigma na pessoa de nha grande amigue Henrique Estrela (Ti Djinga ô Mister Djinga) nascide na dia 17 de Setembro de 1918 e falecide na dia 5 d’Abril de 1999, na Dja D’Sal, sê terra natal ondê quel ta repousá em paz c’tude honra dês munde… Amen!!! Pa nh’amigue Mister Djinga um SARAVAHHH…

Zizim Figueira (José Figueira,Júnior)

  1. È sempre um prazer enorme ler essas estórias relatadas com grande dextreza pelo nosso artista escritor Zizim Figuera sobre o “modus vivendi” das nossas terras de outrora.sobretudo numa liguagem escrita cabo-verdiana quasi perfeita que um qualquer pode ler ou escrever do momento que uso o alfabeto que nos ensinaram desde os tempos aureos.Não vejo a necessidade de alterar tudo.A unica coisa a fazer é ir se servindo de todos esses escitios a titulo de ensaio e lá iremos progradindo.Parabens! Gostei

  2. Parbens meu ex-professor do Externato do Aeroporto do Sal pela belissima estória ou melhor homenagem mereciad a um amigo como o Tio Djinga.Toda malta da nossa Ilha do Sal gostou e ficou bastante emocionada.Obrigado meu caro Ti Figas.Forte abarço
    Lu

  3. Acabo de descobrir este jornal on line de nome Noticias do Norte site para meus amigos http://www.noticiasdonorte.com pelo que vos felicito por esse grande trabalho que é o da informação.Vivo bem longe em Lincoln Montana e falando com minha prima Lili por telefone ela fez-me conhecer o Jornal NN.Por coincidência o excelente artigo do Sr.Zizim Figueira que foi professor do meu pai no Externato é sobre alguém da minha familia pelo que lhe felicito sobre o decritivo do meu Ti Djinga personagem emblemático

  4. Sr Zizim, Salineira de gema como sou, Apreciei enormemente essa sua crónica entre outras dado á homenagem prestada a um personagem como o nosso Ti Djinga um figura bem Salineira.O descriptivo está perfeito e quanto á esrita uma maravilha de crioulo que apareçam mais gentes como o senhor a terem iniciativas dessas.Eu ja comecei e sigo mais ou menos as suas pisadas como laboratorio de esnsaio o que é ótimo.Parabens e muito obrigado.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.