Assassinato de Maria: filho que sofre de esquizofrenia o improvável autor do crime

28/06/2013 00:12 - Modificado em 28/06/2013 00:10

sirene2NN continua as investigações sofre a morte de Maria Chandim . Depois de tornar público a confissão de Zezinho Catana que diz ser o autordo crime e de revelar a certidão de óbito onde consta que a causa da morte foi umataque do miocárdio agudo e etilismo crónico seguimos pista de um suspeito improvável : o filho de Maria Chandim que sofre de esquizofrenia e que na altura foi apresentado como o principal suspeito .

 

Adilson Delgado, filho da cidadã Maria Monteiro, conhecida por Maria de Chandim encontrada morta na sua residência em Fernando Pó carregou durante cerca de um ano, a culpa de ter sido o autor da morte da sua mãe. Por sofre de esquizofrenia , por ter tido problemas com a família, inclusive com a mãe, com quem vivia, esse jovem foi crucificado na praça pública, com as pessoas a apontar-lhe o dedo, no sentido de que ele cometeu um crime de homicídio.

Adilson “Russo” Delgado padece de um transtorno psíquico, a esquizofrenia , pelo que estava sob os cuidados da mãe. “Russo” vivia com Maria de Chandim na localidade de Fernando Pó, e no dia 22 de Agosto, o jovem ao levantar deparou que a mãe não respondia ao seu chamamento. Adilson Delgado contactou a família e alguns cidadãos que vieram a encontrar a mãe sem vida na sua residência.

Pelo facto de “Russo” compartilhar a mesma habitação com a sua mãe, pessoa com quem teve alguns atritos devido ao seu problema de saúde, houve quem lançou suspeitas que Adilson teria morto Maria de Chandim isto devido a sua doença. Médicos contactados pelo NN dizem que Adilson é “ psicótico , mas não é violento e que era fácil atirar as culpas dessa morte para um doente mental”. À PJ Adilson foi apresentado por familiares como o principal suspeito pela morte da mãe , mas a policia cientifica descartou essa hipótese . Hoje sabe –se que o atestado médico que atribui a causa da morte de Chandim a um ataque do miocárdio agudo e etilismo crónico ilibava Adilson .

Mas na praça pública Adilson não teve direito ao princípio da presunção de inocência tipificada no artigo 1 do Código do Processo Penal que determina o direito fundamental à presunção de inocência do cidadão enquanto o Tribunal não o declarar culpado pelos factos que lhe são imputados.

Mas o certo é que para vários cidadãos, e nas investigações preliminares realizadas pelas autoridades criminais, se houvesse indícios para crime, Adilson seria o suspeito autor. Porém segundo a análise feita por um psiquiatra contactado pelo NN, Adilson pode ter comportamentos próprios da sua doença, mas uma vez que possui afecto pela família, e de seguida tem remorso do seu comportamento seria impossível este ter assassinado a mãe.

A verdade é que agora, com revelação da autopsia , com a confissão de Zézinho Catana a hipótese levantada há um ano de que “Russo” matou Maria de Chandim começa a desvanecer . E para os familiares é mais uma descriminação que um seu membro sofre em consequência do assassinato da mãe que não foi apurado com rigor pelas autoridades competentes . Mas o peso que o jovem carregou nas costas, as insinuações e condenações que foi alvo na praça pública não se apaga com facilidade da sua memória. Por lei, Adilson Delgado terá que ser compensado a medida da “cruz que carregou nas costas”, mas que não lhe pertencia, porque um pedido de perdão por parte daqueles que o condenaram seria o primeiro passo para devolve-lo a sua “paz e sossego de espírito” que perdeu há um ano.

 

  1. Adilson Rocha

    O Adilson “Russo” como sempre carinhosamente o apelidamos nunca foi uma ameaça para ninguém na sociedade nem tampouco para a sua família a quem ele sempre albergava grande estima. Aplicado em tudo o que fazia, especialmente nos estudos, fato este que pode ser provado pelas notas que possui nos anos que estudou na Escola Técnica do Mindelo, nos esportes ele sempre foi um atleta com dotes especiais pois lembro-me das nossas pladinhas quando adolescentes junto a estrada de Fernando Po. Verdade que depois de ter viajado para o Brasil para um curso superior ele voltou por ter tido muitos problemas com as drogas, mas nunca foi uma ameaca, a nao ser o caso envolvendo o apedrejamento the Camara M. de S.V
    As autoridades tem agora a responsabilidade de dar-lhe o devido apoio para superar todo o peso the culpa the morte de sua mae, pois, o peso de ser um homicida e o pior, the sua propria mae nao se pode suportar. Quem e devido deve e tem a obrigacao de cuidar deste caso ate que ele seja exonerado de todo peso the culpa.
    Obrigado

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.