Primeiro-ministro francês pede dissolução da Juventude Nacionalista Revolucionária

10/06/2013 01:36 - Modificado em 10/06/2013 01:36
| Comentários fechados em Primeiro-ministro francês pede dissolução da Juventude Nacionalista Revolucionária

jovens françaO Governo francês prepara-se para ilegalizar a organização de extrema-direita Juventude Nacionalista Revolucionária, alegadamente envolvida na morte de Clément Méric, um activista radical de esquerda de 18 anos, em Paris.

 

De acordo com a imprensa francesa, o primeiro-ministro Jean-Marc Ayrault pediu ao responsável pela pasta do Interior para tomar as diligências necessárias para a “dissolução imediata” daquele grupo, que se envolveu em confrontos com manifestantes anti-fascistas junto à estação de comboios de St. Lazare, na passada quarta-feira.

O confronto, que segundo as autoridades terá resultado de uma “coincidência”, redundou em violência, com Clément Méric a ser atingido na cabeça. Foi transportado para o hospital em estado de coma e morreu na quinta-feira em resultado de graves lesões cerebrais.

A polícia deteve cinco indivíduos no âmbito das investigações à morte de Méric. Segundo as autoridades, todos têm ligações à Juventude Nacionalista Revolucionária, uma ala militante do movimento de extrema-direita conhecido como a Terceira Via, embora só uma jovem tenha admitido ser membro da organização.

Serge Ayoub, o líder da Juventude Nacionalista Revolucionária, foi interrogado pela polícia e rejeitou qualquer associação ao incidente.

O Procurador da cidade de Paris, François Molins, disse que um indivíduo de 20 anos, identificado apenas pelo nome próprio Esteban, enfrentava uma acusação por homicídio. “O suspeito admitiu à polícia ter desferido dois golpes em Clément Méric, incluindo aquele que o fez cair ao chão”, disse.

Várias testemunhas dos confrontos mencionaram a utilização de uma soqueira durante o assalto, mas Molins disse que Esteban desmentiu ter utilizado esse instrumento e ter socado Méric apenas com as mãos.

O Presidente da República, François Hollande, condenou o ataque de Paris e prometeu que o seu Governo não dará tréguas a grupos fascistas. Além da dissolução da Juventude Nacionalista Revolucionária, o primeiro-ministro solicitou um estudo com vista à “desagregação, de forma democrática e com base na lei, de todos os movimentos de inspiração fascista e neo-nazi que põem em causa a república”.

O ministro do Interior, Manuel Vals, lamentou a “reaparição de movimentos racistas, anti-semitas e homofóbicos” nos últimos tempos em França e garantiu que o executivo será “impiedoso com todos aqueles que negam os valores da república e advogam o ódio”.

 

jn.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.