Critica e questiona o Governo sobre a captura de tubarões em Cabo Verde

10/06/2013 01:11 - Modificado em 10/06/2013 01:11
| Comentários fechados em Critica e questiona o Governo sobre a captura de tubarões em Cabo Verde

TubarãoO Presidente da ONG Biosfera, José Melo, critica o Governo por ter investido na formação de fiscais e observadores de bordo sem, no entanto, conseguir diminuir a captura de tubarões nas águas cabo-verdianas que José Melo classifica de desenfreada, ou seja, há falta de medidas para a protecção dos tubarões. Questiona ainda acerca da viabilidade de projectos que colocam em causa os meios marinhos em Cabo Verde.

 

José Melo declara à RCV que “a pesca dos tubarões tem sido feita por barcos da União Europeia e que alguns barcos chineses aproveitam-se do diminuto controlo ou fiscalização das nossas autoridades”. Todavia, o presidente da Biosfera garante que há um ano que o Governo investiu na formação de fiscais e observadores de bordo que teriam como finalidade fazer o controlo e refere que até à data não tem conhecimento que haja um único observador de bordo em qualquer um desses barcos.

Dessa forma, José Melo critica o Governo, nomeadamente, o Ministério da Economia do Mar juntamente com a Secretaria de Estado para a Economia do Mar e a Direcção Geral das pescas que não tomaram nenhuma atitude para diminuir a pesca descontrolada dos tubarões nas águas de Cabo Verde.

 

O presidente da Biosfera alarga a crítica ao Governo e diz que “o Governo continua a falar de uma política sustentável mas que na ausência de dados científicos, a opção de sustentabilidade passa por medidas precaucionais que até então não foram implantadas”. Desta forma, José Melo questiona o Governo “se estes projectos têm sustentabilidade?”. José Melo afirma que em relação aos projectos que há em carteira, as autoridades deveriam analisar se esses projectos têm alguma sustentabilidade, nomeadamente o Cluster do Mar.

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.