Retrete em Alto Doca: o perigo e o mau cheiro rodeiam os moradores

7/06/2013 01:53 - Modificado em 7/06/2013 01:53
| Comentários fechados em Retrete em Alto Doca: o perigo e o mau cheiro rodeiam os moradores

O NN constatou que a situação de um tosco abandonado em Alto Doca, ilha de São Vicente mantém-se inalterável. A habitação foi transformada numa retrete e a parte traseira transformou-se num precipício. Há mais de cinco anos que os moradores convivem com o perigo e a verdade é que um homem já sofreu fracturas depois de cair numa área junto do quintal.

 

 

Os moradores de Alto Doca, zona de Chã D´Alecrim continuam indignados com o perigo à volta de um tosco construído há mais de cinco anos nessa localidade. Ninguém sabe o paradeiro do proprietário que “tomou um chã de sumiço” e deixou um precipício na parte traseira, uma vez que não edificou qualquer muro de protecção nessa região.

Todos os moradores que habitam na redondeza do precipício realizaram um abaixo-assinado que foi entregue à CMSV. Os residentes afirmam que “o abaixo-assinado entregue à CMSV não valeu de nada. Nunca apareceu ninguém para dar qualquer satisfação e, o pior de tudo isso, é que não sabemos quem é o dono desta obra. Hoje ela não passa de uma retrete e de um depósito de lixo para aqueles que têm preguiça de depositar o próprio lixo nos contentores situados a alguns metros dessa habitação”.

 

Medo

 

A insegurança e o perigo de alastramento de doenças infecciosas no seio da comunidade atormentam os moradores que consideram que “o abandono do tosco em fase de construção constitui uma irresponsabilidade. Porque perdemos o nosso sossego e passamos a ter uma preocupação”.

Este online soube que devido à fraca iluminação, há cidadãos que decidiram mudar o próprio trajecto, por considerarem que não há condições de segurança para continuarem a circular na parte traseira do tosco.

No rosto dos entrevistados é visível o medo de alguém voltar a cair no quintal do tosco, porque um morador sofreu uma queda no local e foi internado no hospital com várias fracturas no corpo. As crianças estão privadas da sua liberdade. Liberdade de brincar na rua. Um deslize pode ser fatal. Por isso, os moradores pedem com urgência a resolução do problema.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.