Lombo de Fernando Pó: à espera de tudo sobretudo dos políticos em campanha

22/05/2012 00:08 - Modificado em 22/05/2012 00:00

A estrada de terra, a que muitos taxistas reclamam ao levar os moradores, e os carreiros que dão acesso às encostas na zona de Fernando Pó são apenas um dos problemas dessa comunidade que nasceu no lombo de Fernando Pó. As casas, ainda, em fase de construção e casas de lata são o DNA dos bairros clandestinos que foram nascendo na periferia do Mindelo

 

A vista, o sossego são itens convidativos que agradam os moradores da zona . Só que isso não trouxe o desenvolvimento que a zona reclama . Quando lá do alto vêem outras zonas a nascer e a “merecer atenção” sentem que também precisam de atenção e de opções para que possam viver bem porque na zona “não há nenhuma novidade”. Aníbal Neves acrescenta que a zona precisa de muitas melhorias.

A situação precária que a população vive é uma constatação de Cíntia, que é mais nova moradora na zona. “Aqui as pessoas têm muitas necessidades. Precisamos de tudo”. A vida não está fácil para ninguém e é preciso viver cada dia com o que se tem. O que é muito pouco.

Para Ilda Rodrigues fica mais complicado quando “tudo está longe”. Inclusive a água que os moradores têm que andar muito quilómetros para apanha-la. A outra opção é comprar perto da casa .Mas só em caso de urgência .É que preço a pagar é elevado. Cíntia ainda não se acostumou com este problema . “Não gosto de ir buscar, mas tenho que ir”. A necessidade e o preço leva-os a ir comprar a água mais longe .

A preparação para momento de necessidades leva com que muitos criem porcos perto das casas. É uma situação desagradável, mas compreendida pelos vizinhos. A sobrevivência fala mais alto.

Viviane Neves é uma das muitas pessoas que criam animais e explica  que é uma ajuda . Uma espécie de mealheiro do povo para quando ”a falta chega”. Ilda Rodrigues não cria animais e reclama do cheiro e da forma como as pessoas tratam das pocilgas. Mas, por outro lado é solidária com estas pessoas já que a criação dos animais pode ser a salvação de muitas pessoas..

De uma maneira ou de outra as pessoas necessitam ter algo guardado para os tempos mais difíceis e criar porcos é “um investimento para as épocas de crise”. Os moradores pedem apenas que seja dada uma atenção especial a zona e para que possam viver de uma forma decente.

 

  1. eduardo monteiro

    A pobreza nesses bairros de lata e de papelão que crescem nas encontas dos montes, espalhados na periferia da cidade do Mindelo é crónica. Eu como menino que nasci e cresci cercado por esta miséria , estou à vontade para falar deste assunto. Exemplo disso são os numerosos barracões de Alto Solarine, Fonte Felipe, Ilha de Madeira que lembro perfeitamente existirem desde a minha infância e seus moradores ou descendentes, continuam a viver nessa miséria atroz, que passa de geração à geração.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.