Juiz manda jovem para prisão preventiva

3/06/2013 00:22 - Modificado em 3/06/2013 00:22
| Comentários fechados em Juiz manda jovem para prisão preventiva

prisao3Depois de ficar em liberdade no mês de Abril por suspeitas de tráfico de estupefacientes, o jovem António “Toi” Barreto viu o Tribunal da Comarca de São Vicente decretar-lhe a prisão preventiva. O juiz que havia deixado o jovem em liberdade teve , agora, mão pesada porque os indícios apontam para a reincidência em crime dessa natureza.  

O Segundo Juízo Crime da Comarca de São Vicente procedeu ao interrogatório de um cidadão natural da ilha de Santiago detido pela Polícia Judiciária por suspeitas de tráfico de droga. António Barreto de 22 anos foi detido na posse de cerca de 90 gramas de marijuana durante uma operação policial na zona da Ilha da Madeira, ilha de São Vicente.

Reincidência

Segundo o que apurámos o jovem estava a ser vigiado pela polícia científica porque havia suspeitas que o indivíduo estaria a receber droga da ilha de Santiago para vender na cidade do Mindelo. Munida de um mandado judicial, a PJ surpreendeu o jovem que fixou residência no bairro da Ilha da Madeira e, na sequência de diligências, encontrou na sua posse alguns gramas de marijuana.

Presente ao juiz de instrução criminal, o magistrado recolheu indícios que permitiam aplicar-lhe a prisão preventiva como medida de coacção. O arguido não escapou da cadeia porque a sua detenção surge um mês após ter sido interrogado pelo mesmo juiz por suspeitas da prática do crime de tráfico de estupefacientes.

Suspeitas

Nos finais de Abril, António Barreto e mais dois jovens da zona da Ilha da Madeira foram detidos pela Brigada Anti-Crime durante uma perquisição na via pública. Os agentes da BAC apreenderam 44 tacos de marijuana, cujos indícios apontavam pertencer aos três indivíduos.

Mas, presentes ao Tribunal, o juiz aplicou-lhes Termo de Identidade e Residência e apresentação periódica porque os factos não revelavam se a droga lhes pertencia, já que esta foi encontrada no chão e o certo é que há “indícios fortes” que António tinha parte nessa droga apreendida.

Por ora, o processo-crime que envolve o jovem irá para instrução para apurar a veracidade dos factos. E depois de deduzida a acusação por parte do Ministério Público, o arguido será julgado em Processo Comum Ordinário incorrendo a uma pena de prisão efectiva pela prática de um crime de tráfico de droga.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.