Depois de um curto-circuito entre PJ e Juiz, STJ manda suspeito traficante de droga para a prisão

31/05/2013 00:25 - Modificado em 31/05/2013 00:25

prisao5Depois de ter sido detido pela Polícia Judiciária em Junho de 2012 durante uma operação de busca à sua residência por suspeita de tráfico de droga, Alberto “Djon” Alves viu o Tribunal de São Vicente colocá-lo em liberdade. A decisão do juiz Manuel Spencer não caiu no agrado da PJ e do Ministério Público que recorreu ao STJ que agora mandou colocar “Djon” em prisão preventiva na Cadeia de São Vicente.

O despacho do Supremo Tribunal de Justiça sobre um processo-crime que acusa um cidadão de tráfico de estupefacientes na ilha de São Vicente foi no sentido de revogar a medida de coacção aplicada pelo 2º Juízo Crime ao suspeito, isto é, Termo de Identidade e Residência e apresentação periódica às autoridades.

Alberto “Djon” Alves foi detido pela Polícia Judiciária e numa busca em sua casa, a PJ apreendeu uma quantidade de marijuana que dava para confeccionar cerca de 150 doses, 8 porções de cocaína pura, uma barra de haxixe que poderia dar para cerca de 60 doses, uma pistola 6.35 com 6 munições, 100 mil escudos e 440 euros em dinheiro e objectos de proveniência ilícita.

Gota de água

Porém, depois de analisar o processo, o juiz de instrução criminal decidiu mandar o homem para casa, situação que veio azedar a relação entre a Polícia Judiciária e o 2º Juízo Crime. A libertação de “Djon” deixou o pessoal da PJ com os nervos à flor da pele, uma vez que viram um trabalho de oito meses em sinergia com um magistrado da Procuradoria de São Vicente ser chumbado pelo juiz Manuel Spencer.

Prisão preventiva

Por seu lado, o Ministério Público que pediu a condução do indivíduo à Cadeia de São Vicente por se tratar de um caso de reincidência, decidiu interpor um recurso no STJ, a pedir que Alberto “Djon” Alves aguardasse o desfecho do processo em prisão preventiva e, agora, através de um Acórdão, o STJ veio dar razão ao Ministério Público e rectificou a medida de coacção aplicada pelo 2º Juízo Crime.

Neste sentido, o Supremo Tribunal de Justiça decidiu que o indivíduo terá de aguardar a audiência de julgamento na prisão, por isso, emitiu um mandado de captura para que “Djon” seja enviado para a Cadeia de São Vicente.

 

  1. Sim e Não

    Assim é que é, bom trabalho da PJ, juiz cuzão

  2. São Vicentino

    Sinceramente Sr. Juiz é mesmo caso para se dizer sinceramente, ja vi pessoas ir parar a cadeia por muito menos, ou sera que o Sr. e o tal Djon são familiares ou amigos, uma pessoa pego com toda essa infração com arma de fogo, cocaina e marijuana fica em TIR, onde que o sr estudou, ou não esta a entender muito bem o codigo penal, parabens aos Srs Juizes supremos, pelo menos ensima ao vosso colega a fazer justiça como manda a lei, Sinceramente Sr. Juiz Manuel Spençer

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.