Presta atenção!

6/06/2013 00:08 - Modificado em 6/06/2013 01:21

Arlene 3Durante anos da minha existência sempre soube que a escrita é a minha ganância, melhorar paulatinamente, aprender com os que melhor sabem fazer. Acima de tudo, ambicionei ajudar o meu país com a escrita. As palavras voam, são espontaneamente arrojadas pelo vento, principalmente as superficiais, mas as palavras escritas não são facilmente arrasadas, eu posso lê-las, guardá-las e lê-las novamente, porque estarão sempre lá, e, em benefício, que não sejam inúteis. Tantas vezes imaginei que a minha escrita causaria calafrio na epiderme da alma e fizesse com que ressaísse o que de mais puro e filantropo o ser humano tem. Em parte eu estou contente porque eu progredi, fortaleci o meu pensamento mas a sensação de saber que sou mais uma a tentar penetrar essa barreira de corrupções e futilidades construída sobre os valores éticos, sobre a decência e a moralidade deixa-me verdadeiramente infeliz.

Eu não tenho a intenção de ser mais uma a apontar para a morte dos valores, para a corrupção política, para escândalos, para a contaminação de dinheiro baseada nas mais desprezíveis acções, eu não pretendo aludir qualquer destes temas mas claro que eu não terei sucesso, porque será? Porque nesta terra notícia má é farejada, descoberta, divagada, degustada por alguns e abominada pelos afectados. Não quero de modo algum encaixotar informações que por mais escandalosas que sejam devem ser encaminhadas à tona, mas o que realmente eu desejo é que noticia não seja só o que deu errado, eu não quero que o meu nome esteja escrito abaixo a um artigo dum jornal amarrotado e deixado no cesto de lixo.

O que me resta?

Não é que não tenha vontade de escrever sobre os temas supracitados, o que eu não tenho vontade é de ser ignorada.

Imaginemos que há tempos atrás a sociedade era branca, pura, nós éramos pequenos, tínhamos os nossos problemas? Sim tínhamos, mas as pontas eram seguradas, estávamos focados em crescer e se calhar esse foi o problema, teria sido diferente se nos tivéssemos focado em crescer honestamente.

Crescemos, agora somos maiores, em indignidade e indecência.

A sociedade veio sendo contaminada aos poucos, mesmo ainda sendo branca, possuía pontos negros que cada vez mais infectava o que de bom havia.

Hoje em dia posso afirmar convicta de que 1/3 da sociedade é totalmente negra, constituída por gananciosos nefastos, adolescentes, jovens, adultos e idosos também, que dependem da sua imagem, vivem “vencendo” com ajuda de “padrinhagem”, da construção de bens, carros e casas de luxo, viagens e eventos, pode-se dizer nesse caso que uma mão lava a outra, logicamente, se e só se as duas forem da alta sociedade.

Posso afirmar também que 1/3 está totalmente cinzenta, não são completamente “nus de valores” mas são facilmente influenciados, contaminados, porque ao verem alguém que, a partir do nada, cria uma vida luxuosa rapidamente, escolhem esse estilo de vida em vez de desenvolver as suas próprias capacidades e dizer um dia “eu criei, eu fiz, eu tenho isto”.

Felizmente ainda nos resta 1/3 puro. Infelizmente, daqui a algum tempo a porção cinzenta transformar-se-á em preto e a porção branca em cinzenta e dobrando o tempo, a sociedade estará completamente negra, isso se nós, frequentadores dos bancos de escola quisermos, se acharmos que somos insuficientemente bons, se acharmos que não somos capazes de criar e ser originais, se acharmos que nós não temos potencialidade em gerir, se acharmos que somos fracos e preferimos o caminho mais fácil, se acharmos que nós não conseguimos e simplesmente desistimos, se o mundo nos assustar, se tivermos receio de ser ridicularizados, se a competição for imensa e o medo suficiente para nos fazer desistir, aí sim podemos entregar o nosso pais para os estrangeiros desenvolverem, terem sucesso e fazerem-nos sentir inferiores e insuficientes.

Nós não poderemos dizer “isto é meu” porque nada será nosso.

Como eu dizia, ainda nos resta 1/3 de pessoas que não se vendem, essas pessoas não têm armas suficientes para vencer, nomeadamente não têm dinheiro. E se mostrarmos as verdadeiras armas que não nos deixam ficar mal, a honestidade, a racionalidade, a inteligência.

Isto não é um artigo para os que preferem infestar a sociedade de negro lerem, gozarem, fazerem charro porque de nada adiantará, eu mal me importo com esses, não valem a pena, prefiro trabalhar com matéria-prima de boa qualidade e que dê resultado, é por isso que escrevo isto aos jovens para aproveitarem, agarrarem as oportunidades e brilhar um dia, quem sabe podemos ser um outro Amílcar Cabral de certa forma, libertando o nosso país dessas ancoras que nos deixem sempre estagnados no mesmo lugar e nunca evoluindo.

Eu tenho 17 anos e tenho esta visão e tento chamar a atenção. Agora eu pergunto, tu achas mesmo que és um adulto?

Presta atenção!

 

Aluna: Arlene Silva – 11º Ano – Científico Tecnológico – Escola Secundária Jorge Barbosa – S. Vicente

 

  1. Carlos Silva - Ralão

    Mandou muito bem aluna Arlene. Este artigo mostra que os jovens de S.Vicente/Cabo Verde não estão dormindo em realção ao que se passa no país, como muitos pensam. Vamos fazer com que este artigo de opinião chegue a mais orgãos de comunicação possíveis: jornais online, facebook, etc… Continuemos a discutir assuntos do tipo com amigos, ponta de esquina, sala de aula, intervalo, etc…, A SOLUÇÃO DE UM PODE SER DE TODOS.

  2. mar

    Um grande texto cheio de verdades sobre ess noso pobre pais que está se perdendo,sem valores q outrora foram nos incutido pelos nossos pais,avós ou somente pessoas mais velhas q outrora eram ouvidos.Jovens e não jovens que agora só pensam em ter tudo de maneiras pouco abonátorias,querem viver de luxos sem terem trabalhado para tal,governantes que só nos decepcionam basta ouvir os seus discursos na casa parlamentar.Como citaste e mto bem são voces q podem e devem mudar isso somos jovens capazes.

  3. João Batista de Souz

    A honestidade, a racionalidade, a inteligência SEMPRE.

  4. Santos

    Muito bom mesmo. Este é o tipo de jovem que Cabo verde precisa. Jovem com sentido critica e comprometidos. Sabe pensar e expor de forma clara suas ideias. Se faltava motivo para investir nos jovens, proporcionando-lhe condições para que se desenvolverem intelectual e humanamente, eis aqui um motivo forte e urgente. Não esperem que eles se enveredem pelo mundo das drogas, prostituições entre outros, muitas vezes tornando-se “perigo” para sociedade, para vir investir em centros de reabilitações!
    Temos neles o principal potencial para o desenvolvimento deste país despido de recursos naturais. Esta é a prova de que se deve investir e valorizar os jovens.
    Já é tempo de para de anunciar avultados valores investido em festivais e mais festivais atrás do pretexto de promover a cultura, de promover o país la fora, quando na verdade promovem outros males sociais que afectam sobretudo os jovens. Se querem promover Cabo Verde investem no talento dos jovens, criam condições decentes de empregabilidade… pequem em parte do dinheiro emprego em festivais que servem para engrossar os bolsos dos que vem de fora, e pagam os salários de vários chefes de famílias nos quais os jovens estão inseridos, que trabalham meses e meses sem ver a cor do salario que é irrisório!
    E mais não digo!

  5. Carlos Silva - Ralão

    Pois é amigo Santos, eu sempre fui contra o financiamento dos festivais por parte das Câmaras Municipais e Estado, infelizmente temos o povo que temos e os seus respetivos políticos e isso acaba por recair sobre os nossos jovens, que só lhes é oferecido, na maioria dos eventos, festas, cervejadas, etc… A própria sociedade que tanto pede apoio os jovens, que muitas vezes despreza o trabalho que é feito sobre eles, fazendo parte de um projeto desportivo, dizem logo que estou perdendo tempo.

  6. Carlos Silva - Ralão

    Acho que no ano passado ou há dois anos atrás assisti um programa sobre Cabralismo na RTP África e fiquei impressionada com a magicidade do mesmo. Até hoje não consigo perceber o porquê que este program nunca foi transmitido na TCV, e melhor ainda, transmitido nas escolas primárias, secundárias e universidades, etc….

  7. Atento

    Excelente… Muito bem… Que os pensamentos estejam sempre contigo….

  8. Ivandro Moniz

    Confesso que gostei do texto, que vai de encontro nossa realidade nua e crua, que retrata o ser que valoriza o ter em detrimento do ser, pois, certo de que não devemo-nos cingir aos problemas (“Eu não tenho a intenção de ser mais uma a apontar para a morte dos valores, …”) mas de apreender a lidar com elas para as poder resolver da melhor forma e, desta feita, deste-nos esperança para um futuro melhor, pois é, o futuro aos jovens pertencem (“… agarrarem as oportunidades de brilhar um dia, quem sabe podemos ser um outro Amílcar Cabral de certa forma, libertando o nosso país dessas ancoras que nos deixem sempre estagnados no mesmo lugar e nunca evoluindo.”). Muita força e coragem, continue a escrever que tens muito talento e visão crítica (crítica construtiva).

  9. Janda

    Parabéns Arlene, t desejob td força pa continua q ess luta.
    Acredita q ess luta k é so bossa, ele é d td kem t fazé parte dkel
    1/3 puro, q ainda t valorizá educação q ses pais d outrora dá, ses
    principios e valores q es ba t ganha q ajuda dprofessores, vizinhos
    amigos entre outros pq antigamente havia mais respeito plos
    +velhos, +vividos e +experientes, mas também dparte dkel 1/3
    cinzenta por influencia externa, q1 t txma d falta damor próprio,
    dfrakeza despirito e 1bocod priguiça fisica/mental

  10. Janda

    Por favor PAIS, k bsod dsisti d EDUCA bsod FITX. Falta
    dPaciencia tem sido razão qt leva txeu pais a abandona esforço p
    educa, t conta q es t prende algum n ESCOLA, mas PROFESSORES tbem
    SÂO PAIS e mtos des tbem já k tem kel paciencia p educa. A verdade
    é q sem kel APOIO dkes 2LADOS(fundamentais) não haverá educação,
    nem bons modos nem valor nem principios, mas sim 1correria t tenta
    sbi +alto onde q uns t sirvi d degraus dots…nos td t faze parte
    dess luta

  11. gisela silveira

    boa prima,continua essim k bo te be longe. gostei!!!!!!!

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.