Desespero: Trabalhadores da Cabocem impedem a saída de carregamento de cimento e de equipamentos

29/05/2013 00:04 - Modificado em 28/05/2013 22:26
| Comentários fechados em Desespero: Trabalhadores da Cabocem impedem a saída de carregamento de cimento e de equipamentos

carteira vaziaA viver em situação de penúria, uma vez que continuam por receber os salários, parece que a paciência dos trabalhadores da Cabocem atingiu os limites. Sem ver uma luz no fundo do túnel, os operários recorreram ao Tribunal para reaverem as remunerações, e agora decidiram vedar a fábrica, e deixaram um aviso: a medida só será suspensa depois de receberem os oito meses de salários em atraso.

As reivindicações dos operários da fábrica de cimento pozolânico, Cabocem continuam a não ser atendidas pelos responsáveis da empresa, que comprometeram-se pagar os ordenados dos seus funcionários. Para reverter a situação, os operários paralisaram os trabalhos por tempo indeterminado, e tomaram medidas drásticas, entre elas, manter encerrada as instalações dessa unidade fabril.

De acordo com os trabalhadores, a fábrica vai se manter vedada enquanto não lhes forem pagos os seus ordenados. Esta decisão surge como forma de alertar às autoridades para a situação “calamitosa” da empresa, mas ainda impedir a saída do cimento ou de equipamentos dos armazéns da fábrica Cabocem.

Os operários vivem momentos de desespero, na medida que as suas famílias enfrentam graves problemas, já que o seu sustento depende dos salários desses trabalhadores. Os funcionários da Cabocem garantem que vão manter em prática a sua medida, e que só vão abandonar o local, quando a situação salarial for regularizada.

Recorde-se que a unidade fabril tem os seus dias contados, pelo que a qualquer momento as autoridades podem determinar o encerramento definitivo da fábrica Cabocem.

Em Março de 2013, a Inspecção Geral do Trabalho pediu ao Ministério Público que encerrasse essa unidade fabril devido a ausência de condições para os operários continuarem a laborar, posição defendida pela Câmara Municipal do Porto Novo que alegou “graves prejuízos sociais, económicos e ambientais” causados pela fábrica ao município.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.